Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

“As construções irregulares se consolidaram com as milícias”, diz Paes

Acordo firmado pela Prefeitura do Rio e o MPRJ na segunda (21) busca combater as ocupações de risco no município

Por Agência Brasil Atualizado em 22 jun 2021, 12h06 - Publicado em 22 jun 2021, 12h00

Um termo de cooperação para agilizar o combate às ocupações e às construções irregulares na capital fluminense foi firmado nesta segunda (21) pela prefeitura e o Ministério Público do Rio (MPRJ).

+ É golpe: emboscadas on-line quase triplicaram no primeiro trimestre de 2021

Por meio do acordo, o município e o MPRJ se comprometem a trocar informações, processos, documentos, equipamentos, entre outros materiais, que possam facilitar as operações contra a desordem urbana e a punição dos responsáveis pelos crimes.

No dia 3 de junho, um prédio irregular em Rio das Pedras, na Zona Oeste, desabou matando duas pessoas e deixando quatro feridas. Outro imóvel na mesma região estalou no dia 10 e precisou ter dois pavimentos demolidos, por apresentarem sobrecarga nos andares inferiores e risco de desabamento.

+ Sim, a maconha medicinal já é uma realidade no Rio

Já na madrugada do dia 14, moradores de dois prédios na Muzema, na Estrada de Jacarepaguá, Zona Oeste da cidade, ouviram estalos e saíram de casa às pressas. Após análise, a Defesa Civil do Rio liberou o retorno dos moradores. As construções ficam na mesma região onde dois prédios desabaram em abril de 2019, deixando 23 mortos e oito feridos.

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, disse que a administração municipal tem agido contra a ocupação irregular do solo, em Áreas de Proteção Ambiental (APAs) e em áreas urbanas em que não há qualquer tipo de licenciamento.

+ A UFRJ não pode parar: pesquisas resistem frente a falta de recursos

Continua após a publicidade

Essa é uma indústria que, infelizmente, existe há muitos anos no Rio e que se consolidou a partir do fortalecimento das milícias na nossa cidade. Nesse acordo de cooperação, a ideia é que a gente possa ter um fluxo de informações a partir das ações da prefeitura, informando ao Ministério Público sobre quem são os elementos que estão construindo e em quais circunstâncias”, disse Paes, após a assinatura do termo de cooperação.

De acordo com o prefeito, o Ministério Público poderá investigar e punir civil e criminalmente os responsáveis pelas construções irregulares, pois a prefeitura não tem a competência para aplicar punições judiciais.

+ Barraco na Vieira Souto

“A prefeitura está à disposição para impedir essa indústria de picaretas e vigaristas, que se utilizam da pobreza para se dar bem. Tenho a certeza que, com essa parceria, a gente vai conseguir avançar muito no combate a esse tipo de crime, especialmente da indústria imobiliária miliciana que existe no Rio de Janeiro”, afirmou Paes.

O procurador-geral de Justiça do estado, Luciano Mattos, destacou que o acordo vai permitir um fluxo mais rápido do trabalho de fiscalização do Ministério Público, e que, além da área criminal, o MPRJ pode instaurar inquéritos civis para punir os responsáveis também nas áreas urbanísticas, de meio ambiente e de ordenamento urbano.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

“As nossas diversas procuradorias atuam nas questões relacionadas à ocupação desordenada, causando danos ambientais e urbanísticos, muitas vezes colocando em risco as pessoas com esses desabamentos que têm acontecido”, afirmou o procurador-geral.

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade