Clique e assine por apenas 4,90/mês

Confronto deixa sete feridos e agências bancárias incendiadas

A PM apreendeu uma grande quantidade de rojões atirados por manifestantes contra os militares

Por Agência Brasil - 10 fev 2017, 14h38

Os protestos de servidores estaduais e manifestantes mascarados contra a privatização da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae), que está em discussão na Assembleia Legislativa do estado, deixaram saldo de destruição no centro da cidade, próximo à Alerj, além de sete pessoas feridas: seis policiais e um jovem de 18 anos.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

A Polícia Militar (PM) apreendeu uma grande quantidade de rojões atirados por manifestantes contra os militares, dos quais seis ficaram feridos. Todos foram encaminhados ao Hospital Central da Polícia MIlitar, onde foram socorridos e passam bem. Em resposta, a PM usou balas de borracha e spray de pimenta.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Um estudante de 18 anos foi atingido no abdômen por uma bala de borracha. Ele teve que ser operado às pressas no Hospital Municipal Souza Aguiar na noite de ontem (9). Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o jovem está bem, e seu estado de saúde é estável.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Cedae

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

A aprovação do Projeto de Lei 2.345/17, que autoriza a venda da Cedae à iniciativa privada, é condição da União para assinar um plano de recuperação com o estado do Rio e servirá de garantia para a concessão de um empréstimo de R$ 3,5 bilhões.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Contrários à aprovação, servidores estaduais se manifestam desde a última terça-feira (7). Ontem ((9), por volta das 15h40, alguns manifestantes mascarados entraram em confronto com a Polícia Militar. O grupo atirou rojões, pedras e coquetéis molotov nos policiais, que responderam com bombas de gás lacrimogêneo, tiros de balas de borracha e spray de pimenta.

Rojão

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Por meio do Twitter, a Polícia Militar lembrou o caso do cinegrafista Santiago Andrade, morto em 2014 após o disparo de um artefato do mesmo tipo. “Bastou um rojão pra matar o cinegrafista Santiago Andrade, há três anos. Policiais apreenderam grande número de rojões nos arredores da Alerj”, dizia o texto.

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

Na região central do Rio, também foram incendiadas duas agências bancárias em ruas próximas ao Palácio Tiradentes.

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade
Continua após a publicidade

A Polícia Militar informou que reprimiu a ação com armamento de baixa letalidade para preservar a integridade dos policiais militares e restabelecer a ordem no local.

Publicidade