Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como foi o primeiro fim de semana com caixas de som proibidas nas praias

Medida dividiu opiniões, mas reação foi silenciosa. Fiscalização foi 'educativa', pois ainda será publicada resolução detalhando as penalidades a infratores

Por Da Redação 2 Maio 2022, 13h12

O primeiro fim de semana após o decreto da prefeitura que proibiu o uso de caixas de som nas faixas de areia da cidade, publicado na última terça (26) foi de silêncio, apesar de a medida ter dividido opiniões. Segundo a Guarda Municipal, as equipes da corporação “estão realizando abordagens orientativas e educativas sobre a proibição de caixas de som nas praias”. E por enquanto, segundo a Secretaria municipal de Ordem Pública (Seop), a ação é mesmo só de conscientização, pois esta semana será publicada uma resolução detalhando as penalidades para quem infringir a lei. Só depois, os equipamentos sonoros começarão a ser apreendidos.

+ Exclusivo: veja como ficará o novo parque público da Gávea

“Durante o fim de semana, a prefeitura realizou uma fiscalização de cunho pedagógico, com orientação aos banhistas sobre a proibição de utilização de caixas de som nas areias. As equipes da Guarda Municipal estiveram nas praias de Copacabana, Ipanema, Leblon, Barra, Recreio, Urca e em estações de ônibus, como na Alvorada e no Largo do Machado, que são regiões que as pessoas utilizam para chegar às praias”, disse ao jornal Extra o secretário de Ordem Pública, Brenno Carnevale, pedindo a “contribuição e consciência da população, no sentido de melhor utilizar o espaço público para que a praia continue sendo bem aproveitada por cariocas e turistas”.

Sem som a todo volume na orla, o assunto ecoou entre os banhistas. “A praia é um lugar de você relaxar, extravasar, sem pensar nos problemas do dia a dia. Então, tem que ter um som. Quem vive sem música? Ninguém vive sem música”, opinou o tatuador e músico Arthur Belial, entrevistado pela equipe do Extra no Leme. “Mas imagina se todo mundo resolve relaxar ouvindo uma música… Vira uma bagunça com o som vindo de todo lado“, discordou uma de suas amigas. A falta de unanimidade sobre o assunto se estendeu à Zona Norte. No Piscinão de Ramos, também houve quem desistisse de levar sua caixinha de som por conta do decreto da prefeitura. “Eu não concordo com essa lei que criaram. Eu queria trazer minha caixa de som hoje mas, com a regra, não quis correr o risco de ter o equipamento apreendido“, disse a administradora Eva Andrade.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

O colunista da VEJA RIO Tulio Brandão havia abordado a questão no texto  Praia não é boate: a guerra das caixas de som nas areias, em que afirma que os aparelhos portáteis acabam por arruinar a coleção de sons naturais, necessários e permitidos nas praias da cidade.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês