Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Relíquias cariocas: Banco Central redescobre fotos antigas usadas em notas

Sem previsão de uma futura exposição, as dezesseis imagens capturadas por Marc Ferrez foram digitalizadas e disponibilizadas on-line

Por Luiza Maia Atualizado em 10 set 2021, 20h07 - Publicado em 10 set 2021, 19h33

Belas paisagens cariocas, reconhecidas no mundo inteiro, já foram estampadas em diferentes notas de dinheiro que circularam no Brasil no fim do século XIX e início do século XX.  As imagens feitas pelo fotógrafo francês Marc Ferrez (1843-1923) foram recentemente descobertas no Museu de Valores do Banco Central, em Brasília.

+ UFRJ é eleita a melhor universidade do país em ranking internacional

Após uma busca no acervo por fotos do autor, a equipe reencontrou dezesseis fotografias capturadas entre 1875 e 1908 e uma litografia feita com base em um registro do fotógrafo e pintor francês Victor Frond. Ainda em um bom estado de conservação, as fotos foram digitalizadas e disponibilizadas on-line.

“As fotos já constavam no registro do museu, mas como nós abrigamos 135 000 peças no acervo, não nos lembrávamos do conteúdo das imagens. Encontrar as fotos foi uma ótima surpresa, porque agora podemos planejar uma futura exposição”, conta a chefe do Museu de Valores, Karla Valente.

Cais Pharoux - Morro do Castelo
Antiga capital: foto de 1875 mostra o Cais Pharoux, o primeiro da cidade Marc Ferrez/ Museu de Valores/Reprodução
Foto mostra o Museu Nacional no século dezenove
Quinta da Boa Vista: registro mostra a antiga moradia da família imperial, hoje o Museu Nacional Marc Ferrez/Museu de Valores/Reprodução

Os cliques históricos retratam cartões-postais da cidade, como o Corcovado, o Pão de Açúcar, a Praia de de Botafogo, o Jardim Botânico, o Morro do Castelo, que já não existe mais, o Cais do Porto e as Praça XV e Tiradentes. Uma das fotos também foi tirada em Niterói, com a vista da Pedra de Itapuca.

+ Artista do Chapadão, Jota abre mostra com todas as peças vendidas

Foto antiga da atual Praça XV de Novembro
Atual Praça XV de Novembro: foto foi tirada em 1880 Marc Ferrez/ Museu de Valores/Reprodução
Pedra de Itapuca
Em Niterói: Ferrez fotografou a Pedra de Itapuca, na praia de Icaraí, com o Corcovado e o Pão de Açúcar ao fundo Marc Ferrez/Museu de Valores/Reprodução

Notas de 2 mil-réis, por exemplo, ganharam a estampa da alameda central do Jardim Botânico, da Rua 1º de Março e da Praça XV. Em outras duas cédulas de 50 mil-réis, estão representados o Canal do Mangue e a Quinta de São Cristóvão, atual Quinta da Boa Vista, com o Museu Nacional.

+ Noites Cariocas volta ao Morro da Urca em 2022 com Ney, Iza e BaianaSystem

Um fato curioso é que um registro do fotógrafo Marc Ferrez feito na Praça XV, em 1880, foi reproduzida em notas de 2 mil-réis tanto nos tempos do Império quanto na República.

Foto mostra nota antiga de 50-mil-réis com foto do atual Museu Nacional
Cédula de 50-mil-réis: com a foto da atual Quinta da Boa Vista, com o Museu Nacional Museu de Valores/Reprodução
Continua após a publicidade

Foto mostra antiga cédula de dois-mil-réis com fotografia das palmeiras imperiais do Jardim Botânico do Rio e o imperador Dom Pedro
Cédula de dois-mil-réis: mostra fotografia das palmeiras imperiais do Jardim Botânico do Rio Museu de Valores/Reprodução
Foto mostra cédula de dois-mil-reis com foto da Praça XV e do imperador Dom Pedro II
Cédula de dois-mil-réis: imagem usada da Praça XV também foi usada em tempos da República Museu de Valores/Reprodução

As obras foram compradas pelo Banco Central em 1980. Quem vendeu o material foi Gilberto Ferrez, neto do fotógrafo. Na época, foram pagos Cr$ 200 000,00 por todo material, o que hoje equivale a mais de R$ 36 000,00.

+ Homenagem: projeto de lei nomeia Maria Lenk patrona da natação brasileira

Nascido no Rio, Marc Ferrez foi um dos mais importantes fotógrafos brasileiros nos anos XX. Além de registrar a cidade, também percorreu e fotografou transformações em outros lugares do país, em viagens junto à Comissão Geológica do Império do Brasil (1875-1878).

Foto mostra o antigo Palácio Monroe e o Obelisco da Av. Rio Branco
Registros históricos: lembrança do antigo Palácio Monroe junto ao Obelisco da Avenida Rio Branco Marc Ferrez/Museu de Valores/Reprodução
Imagem mostra a rua São Clemente
São Clemente: famosa rua de Botafogo foi também capturada pelo fotógrafo Marc Ferrez/Museu de Valores/Reprodução

Ainda sem uma previsão de quando serão expostas, as imagens seguem guardadas em uma das casas fortes do Banco Central. No cofre, vigiado por câmeras, as fotos permanecem fechadas em um armário e envoltas em um envelope com papel pardo.

A chefe do museu afirma que hoje já existem formas mais modernas de conservação dos documentos, como o uso do Mylar, uma película parecida com um plástico que permite a preservação contra a luz e o calor.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

“Apesar de ser uma forma mais antiga de conservação, o papel pardo também tem a vantagem de preservar as fotos da iluminação, que é um dos principais fatores que causam a deterioração das fotos. Por esta razão nós encontramos as fotos tão bem conservadas”, explica Karla Valente.

Karla conta que a vivacidade das fotos chamaram a sua atenção. Na opinião dela, a imagem mais instigante não contém a paisagem mais deslumbrante da cidade, mas tem características históricas.

“Eu achei muito interessante o traje do homem que observa a estátua de Dom Pedro I, com o chapéu-coco, como se fosse um Carlitos, o famoso personagem de Charlie Chaplin, carioca”, descreve.

Foto mostra estátua de D Pedro I na Praça Tiradentes com homem de chapéu observando
História viva: aos pés da grande estátua de Dom Pedro I, um homem de chapéu-coco Marc Ferrez/Museu de Valores/Reprodução
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado, com Blogs e Colunistas que são a cara da cidade.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

App Veja para celular e tablet, atualizado mensalmente com todas as edições da Veja Rio

a partir de R$ 12,90/mês