Clique e assine por apenas 4,90/mês
Vanessa Aragão Por Vanessa Aragão, pesquisadora e instrutora de meditação Criadora do projeto Meditante Urbana

Hora de reiniciar a mente

Esse é o primeiro passo para uma vida mais equilibrada

Por Vanessa Aragão - Atualizado em 4 mar 2020, 16h53 - Publicado em 4 mar 2020, 16h51

A monja budista da tradição zen, Kankyo Tannier, certa vez se preparava para a apresentação de um TED e um amigo lhe ensinou a técnica dos 3 Rs e dos 5 Es. “Repetir, repetir, repetir: é estúpido entretanto é essencial”.

O que isso significa? O cérebro aprende por repetição. A maior parte das pessoas que praticam comigo têm a mesma descoberta e enfrentam um desafio em comum. Um desafio que na verdade é sobre todos nós: não somos a nossa mente; e precisamos aprender a controlá-la.

Uma mente destreinada precisa ser educada, assim como fazemos com as crianças. Tem momentos que você precisa ser firme, mas também gentil com você mesmo. Essa habilidade não vai surgir de um dia para o outro, como num passe de mágica. Tudo que é consistente requer tempo. Não tem atalho: você precisa subir degrau por degrau.

Ao mudar um hábito, todo o cérebro recebe os impulsos desse novo comportamento. E com a prática, o cérebro começa a seguir esse novo padrão sem tanto esforço. É difícil? É. Mas a alegria serena vem. Quando você aprende a meditar, aprende a deixar que os pensamentos e emoções passem. Isso é bem útil quando nossos conflitos surgem porque conseguimos apaziguar as discordâncias mais depressa. 

Tem uma paz que vem com a passagem do tempo. Ela é uma espécie de bônus por você conseguir entender o caos da sua cabeça. Por você aprender a fechar a boca e não reagir por impulso. Você já parou para pensar sobre o que é um pensamento? Ou em outras palavras: o que é essa coisa que existe na sua cabeça?

Continua após a publicidade

No budismo, os pensamentos também são chamados de objetos mentais. Portanto, podemos colocar esses objetos na nossa frente e estudá-los. De maneira simplificada, os pensamentos podem assumir 3 formas: imagens, sons ou sensações. Um primeiro passo para você reiniciar o modo como seu cérebro funciona é tomar consciência do seu filme interior. Experimente. E se rolar alguma dúvida, me escreve.

Encontre um lugar calmo para olhar para dentro de si mesmo. Um ambiente agitado seria difícil até para Buda. Então ache seu cantinho, sente e feche os olhos. A ideia é assistir ao conteúdo do seu cérebro. Aponte o seu projetor lá para dentro e observe as imagens, cores, formas e sons que surgirem.

A meditação vai ser aquilo que você precisa que ela seja. Comece com 10 minutos. Crie um plano de meditação que funcione para você. E principalmente não medite por obrigação, você já tem deveres demais. Medite porque você merece.

Eu medito porque eu amo a versão de mim que sou depois de meditar. Porque a minha perspectiva muda, porque é mais fácil amar e saber que sou amada. 

Vanessa Aragão é pesquisadora e instrutora de meditação tibetana e sound healing, com estudos no monastério Kopan e no Kathmandu Center of Healing, no Nepal. É criadora do Lab @meditanteurbana, onde orienta práticas para mente e o corpo com o som de taças tibetanas, no Rio e em São Paulo.

Continua após a publicidade
Publicidade