Clique e assine por apenas 4,90/mês
Fabiane Pereira Por Fabiane Pereira, jornalista

Gabriel O Pensador e Rico Dalasam, rappers de rimas e versos afiados

Diferentes gerações do rap nacional no Papo de Música

Por Fabiane Pereira - Atualizado em 4 set 2020, 14h42 - Publicado em 4 set 2020, 14h02

“Sério que você vê série, se emociona e chora, mas quando é cena real passa pano e ignora?”. Com versos provocativos e feitos de recados diretos (sem perder espaço para a poesia), Gabriel O Pensador conquistou seu espaço na história da música nacional lá no início da década de 90.

Rico Dalasam, uma das maiores revelações do rap nacional dos últimos tempos, também é assertivo e conquista a admiração de seus pares. “Rico é uma das canetas mais importantes que temos”, escreveu Emicida sobre o rapper no Twitter.

Os dois conversaram comigo no Papo de Música esta semana.

Gabriel, trinta e cinco anos depois do primeiro rap que criou, falou sobre suas frustrações com os rumos da sociedade brasileira, a grande popularidade que tem em Portugal e as investidas nas composições de canções voltadas ao público infantil. “Eu gostei de você, tô bem assim: falando naturalmente”, me disse o rapper em um momento. E foi assim, sem filtro, que falamos sobre vários temas.

 

Continua após a publicidade

 

Já Rico, acaba de lançar um EP poderoso intitulado “Dolores Dala, o Guardião do Alívio” com cinco faixas e participações especiais de Mahal Pita, Chibatinha (da ótima banda baiana Attooxxá) e Dinho Souza. Nele, alívio e dor são protagonistas e apesar do momento impensável, Rico se diz aliviado. “Ano passado foi muito difícil pra mim. Esse ano, muitas coisas se resolveram e estou mais pra alívio que pra dor”, contou.

 

As duas entrevistas estão disponíveis no canal Papo de Música.

Aproveita que é sexta pra maratonar no Papoflix. #ficaadica

Continua após a publicidade
Publicidade