Clique e assine por apenas 4,90/mês
Daniela Alvarenga Por Daniela Alvarenga, médica e dermatologista

Quando a beleza masculina vira assunto de mesa-redonda

Goleiro Alisson Becker, o muso da seleção, vira notícia depois de aparecer com a face muito avermelhada

Por Daniela Alvarenga - 20 jun 2018, 19h31

Fora as partidas de futebol, a Copa do Mundo traz, de quatro em quatro anos, um assunto certeiro: a beleza masculina. É quando o corte de cabelo dos homens, a pele dos jogadores e o bonitão dos gramados vira assunto em qualquer roda, inclusive nas reportagens. Quem, neste fim de semana, não ouviu falar do topete louro do Neymar?

Não é novidade que jogadores são supervaidosos, gostam de moda e investem no visual. Desde David Beckham, o homem que melhor representou o termo metrossexual, a beleza masculina é um motivo a mais para destacar um atleta entre tantos. Hoje, cuidar da pele, investir em prevenção e fazer a sobrancelha é algo mais que comum entre eles.

A cada partida, reparamos nos cabelos, nos uniformes, nas barbas, nas peles, nos corpos. Isso também é assunto em tempos de Copa – e não só entre as mulheres. Eles, os atletas, ajudam a derrubar eventuais tabus que ainda persistem sobre a beleza dos homens. Afinal, eles também têm direito e não devem ter vergonha de se cuidar. Muito pelo contrário.

Jogadores de futebol vivem sob grande estresse na Copa do Mundo. Praticam exercícios diariamente sob o sol e ao ar livre. Além disso, viajam muito de avião e estão sujeitos a diferentes temperaturas e umidade do ar. Todos estes fatores interferem na qualidade da pele. Não à toa vimos o goleiro Alisson Becker, o muso da seleção, virar notícia depois de aparecer com a face bastante avermelhada e com pústulas em surto, que lembram espinhas. Aparentemente, ele tem rosácea subtipo 2 (sendo necessária, claro, uma consulta presencial para o correto diagnóstico).

Esta doença vascular inflamatória crônica é de difícil controle e sofre grande interferência de fatores psicológicos. A rosácea alterna períodos de melhora e piora e atinge adultos na faixa de 30 a 50 anos. Ela exige do paciente cuidados diários, como proteção solar e uso de sabonete e produtos adequados, além de alimentação específica e distância de bebidas alcoólicas

Questionado durante uma coletiva se ele se incomodava com os comentários sobre a sua pele – pergunta, aliás, um tanto indelicada -, Alisson tirou de letra, brincando que ainda está na puberdade. O fato é que por mais que ele esteja cuidando da pele,  o altíssimo nível de estresse gerado por uma Copa do Mundo vai interferir e contribuir para uma piora. Em breve, o goleiro voltará à rotina e tudo certo – ele sabe disso, porque, como todos os seus colegas, também é vaidoso e não esconde que gosta de se cuidar.

Daniela Alvarenga é dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American College of Lifestyle Medicine.

Continua após a publicidade
Publicidade