Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Campeão de surfe Carlos Burle atrai ira de instrutores na Praia da Barra

“O cara invadiu o nosso perímetro, aumentando o risco de acidente.", critica Daniel Souto, dono da escolinha Drop Vertical, localizada no posto 6

Por Cleo Guimarães Atualizado em 19 fev 2021, 09h09 - Publicado em 19 fev 2021, 06h00

Anda tenso o clima no Posto 6, na Praia da Barra. Dono de uma escolinha de surfe na região desde o verão passado, o campeão de ondas grandes Carlos Burle, 53 anos, atraiu a ira de outros professores da área. “O cara invadiu o nosso perímetro, aumentando o risco de acidente. Fica perigoso para todo mundo. Onde eu coloco cinco alunos, ele aglomera quarenta”, critica Daniel Souto, 39 anos, desde 1997 à frente da Drop Vertical. Dias atrás, em meio a gritos de “Fora, haole” e “Sai daqui”, uma aprendiz de Burle chamou até a polícia.

“Parece que esses caras vivem na pré-história. É um absurdo tratarem meus alunos dessa forma”, reclama o professor. Para ele, a hostilidade pode ter um fundo de inveja de seu sucesso. “Se querem ter mais alunos, que se profissionalizem.” A Associação Carioca das Escolas de Surfe discorda: enviou um parecer a seus 23 filiados anunciando que, “como não houve acordo de boa convivência”, não vai recomendar à prefeitura que conceda o alvará definitivo à escolinha de Burle no local.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Publicidade