Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Morre o ator Paulo Gustavo, aos 42 anos, de Covid-19

Fenômeno na TV, teatro e cinema, artista quebrou recordes e saiu de cena precocemente, vítima da doença que já matou mais de 400 000 brasileiros

Por Marcela Capobianco Atualizado em 4 Maio 2021, 22h28 - Publicado em 4 Maio 2021, 22h13

O ator Paulo Gustavo morreu na noite desta terça (4), aos 42 anos, em decorrência de complicações da Covid-19.

Em comunicado enviado às 21:12h, a equipe médica informou: “Em todos os momentos de sua internação, tanto o paciente quanto os seus familiares e amigos próximos tiveram condutas irretocáveis, transmitindo confiança na equipe médica e nos demais profissionais que participaram de seu tratamento. A equipe profissional que participou de seu tratamento está profundamente consternada e solidária ao sofrimento de todos.”

Na noite do último domingo (2), ele teve uma piora significativa e a equipe médica detectou uma fístula broncovenosa – uma abertura entre os pulmões e as veias. Devido ao problema, bolhas de ar entraram na corrente sanguínea do artista, causando uma embolia gasosa, insuficiência cardíaca e lesões cerebrais, que se mostraram irreversíveis.

Os médicos que o acompanhavam chegaram a cogitar uma nova cirurgia, de altíssimo risco, mas o ator não resistiu. Uma tomografia computadorizada detectou a morte cerebral na manhã desta terça (4). Coube à família, então, decidir por desligar os aparelhos que mantinham o corpo de Paulo Gustavo em funcionamento.

Paulo Gustavo estava internado no hospital CopaStar, em Copacabana, Zona Sul da cidade, desde o dia 13 de março. Uma semana depois, ele foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva. No início de abril, o artista precisou ser submetido a tratamento com ECMO, pulmão artificial.

Na UTI, Paulo Gustavo teve constantes hemorragias e passou por pelo menos duas cirurgias de correção de fístulas bronco-pleurais.

Continua após a publicidade

+ A impressionante corrente de orações por Paulo Gustavo

O ator deixa o marido, o dermatologista Thales Bretas, e os filhos Romeu e Gael, de 1 ano e 9 meses.

Formado em artes cênicas pela Casa das Artes de Laranjeiras, Paulo Gustavo ficou conhecido em 2006, ao estrelar, nos palcos, o monólogo Minha Mãe É Uma Peça. Vestido de mulher, ele conquistou plateias pelo Brasil ao interpretar Dona Hermínia, inspirado em sua mãe, Dea Lucia.

De lá para cá, a trajetória de Dona Hermínia virou filme e livro. O longa Minha Mãe É Uma Peça 3, lançado no final de 2019, teve a maior arrecadação da história do cinema brasileiro, com uma receita em torno de R$ 180 milhões e o público superior a 11 milhões de espectadores.

Na TV, Paulo Gustavo estrelou as séries Vai Que Cola e A Vila, no Multishow. No final de 2020, a Globo anunciou a versão seriado de Minha Mãe é Uma Peça. No entanto, a Covid-19 ceifou precocemente a vida do talentoso ator.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Niteroiense apaixonado pela profissão, pela família e pelos amigos, ele furou bolhas, se comunicou com todas as classes sociais, criando identificação com seus personagens, e entra para a galeria de artistas mais icônicos do Brasil.

Continua após a publicidade
Publicidade