Clique e assine por apenas 3,90/mês

Maya Gabeira: que o surfe seja eterno enquanto dure

Quase uma lenda na cidade portuguesa de Nazaré, atleta que entrou para o Guinness Book vive a quarentena no país sem ter a certeza de continuar surfando

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 3 abr 2020, 15h51 - Publicado em 3 abr 2020, 12h00

O que faz uma surfista de ondas grandes num país — Portugal — onde uma das primeiras medidas tomadas pelo governo foi proibir a população de ir à praia? Maya Gabeira, moradora de Nazaré, a meca das ondas gigantes, até tem conseguido entrar no mar, sozinha ou ao lado de Sebastian Steudtner, que a reboca no jet ski: as autoridades abriram exceção para atletas de alto rendimento. “Mas podem proibir geral a qualquer momento”, conta, desolada.

+ Para receber a Veja Rio em casa, é só clicar aqui.

Maya é quase uma lenda na cidadezinha de 15 000 habitantes (para efeito de comparação, Búzios tem o dobro disso) desde que caiu da prancha ao descer uma montanha d’água e foi resgatada  desacordada, em 2013. Cinco anos depois, entrou para o Guinness ao surfar, na mesma Praia do Norte, uma onda de 20 metros. Acostumada a horas de treinamento diário, Maya agora fica a maior parte do tempo em casa, dividindo-se entre descanso e malhação.

Roberto Carlos: quem abraçou, abraçou

Giovanna Antonelli: “Casamento longo não é sinônimo de felicidade”

Apaixonado e indignado: a volta de Marcelo D2 ao Planet Hemp 

‘Está se queimando’, diz Antonio Fagundes sobre Regina Duarte

Continua após a publicidade
Publicidade