Continua após publicidade

Galvão Bueno revela lugares que foram palcos de narrações históricas

Considerado o maior narrador da TV brasileira, ele voltou a esses locais em série documental sobre sua trajetória, que chega ao Globoplay nesta quinta (18)

Por Redação VEJA RIO Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
16 Maio 2023, 17h30

Durante as gravações da série documental Galvão: Olha O Que Ele Fez, que chega ao Globoplay nesta quinta (18), Galvão Bueno visitou lugares que foram palcos de eventos importantes em sua carreira e teve a sensação de voltar no tempo.

+ Com ingressos a 700 reais, fãs pedem “Auxílio Numanice” para ver Ludmilla

Entre eles, o estádio Rosa Bowl, da final do tetracampeonato com a seleção brasileira, nos Estados Unidos, e a pista de Suzuka, no Japão, onde Ayrton Senna conquistou três campeonatos de Fórmula 1. “São coisas marcantes, que fazem parte da minha vida e de todos os brasileiros. Mexeu muito comigo”, contou ele ao G1.

Compartilhe essa matéria via:

Dirigido por Sidney Garambone e Gustavo Gomes, o documentário tem cinco episódios e conta boa parte do que aconteceu na história do esporte brasileiro nos últimos 40 anos, sob o ponto de vista daquele que é considerado o maior narrador da televisão brasileira.

+ Olha o Carnaval aí, gente: escolas de samba anunciam enredos para 2024

Continua após a publicidade

O nome da série faz referência a um famoso bordão do narrador, criado na estreia de Ronaldinho Gaúcho pela seleção brasileira, contra a Venezuela, durante a Copa América de 1999, no Paraguai.

+ Palco da Lapa onde Rita Lee se despediu dos shows pode levar seu nome

Mais de 50 pessoas foram ouvidas para o projeto, além do próprio Galvão. De colegas de trabalho, como Arnaldo Cezar Coelho, Casagrande, Júnior e Tino Marcos, a atletas que tiveram suas competições narradas por ele,  como Hortência, Ronaldo, Romário, Cafu, Zico, Kaká, César Cielo, Felipe Massa e Rubens Barrichello.

+ Acionado na justiça, Roberto Carlos nega plágio em canção com Erasmo Carlos

Ao Fantástico, Galvão comentou sobre personalidades que não toparam ser entrevistadas para a série. “Eu sei que tem gente que não quis falar. O Felipão não quis falar. Ele diz que eu apontei o dedo para ele no 7 a 1. Fazer o quê?”, disse.

Continua após a publicidade

+ Prefeito do Rio manda recado para Beyoncé: “É só escolher o lugar”

A obra também não se furtou a abordar temas polêmicos, como o fato de Galvão ter sido um pai ausente, como apontou o automobilista Cacá Bueno, um dos filhos do comentarista. “A gente foi pra um estádio como família ver futebol, pela primeira vez, juntos, com ele com 72 anos. Ele nunca me falou no Maracanã pra torcer pro time dele”, diz Cacá no documentário.

+ Romário vai se candidatar a presidência de clube de futebol no Rio

Os dois primeiros capítulos da série poderão ser vistos a partir desta quinta (18). Os demais episódios chegarão ao streaming na que vem, dia 25 de maio.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.