Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Lembra do especial de Natal do Porta dos Fundos? Justiça tem nova decisão

Ação que pedia a exclusão do filme do catálogo da Netflix foi julgada improcedente; Fabio Porchat comemora: 'Liberdade de expressão é fundamental'

Por Da Redação 24 ago 2021, 12h37

Alvo da ira de grupos religiosos e conservadores, o especial de Natal lançado pelo Porta dos Fundos em 2019 – uma sátira bíblica sobre a tentação de Cristo -, é um legítimo exercício da crítica, que não incita a violência nem traz qualquer conteúdo discriminatório.

Covid-19: bares e restaurantes do Rio fazem promoções a vacinados

Foi a esta conclusão que a Justiça do Rio chegou e, assim, julgou improcedente uma ação que pedia a exclusão do filme do catálogo da Netflix, além de uma indenização de um bilhão de reais por danos morais. O processo foi movido pelo pai de santo Alexandre Montecerrathe, presidente do Templo Ilê Asé Ofá de Prata. Há cerca de cinco meses, os humoristas venceram outro processo movido por grupos religiosos, que os acusavam de ofender a fé católica.

“Entendo a Simone Biles. Eu também já travei”, diz Rebeca Andrade

Os integrantes do grupo de humor foram vítimas de extrema violência por causa deste filme. Poucos dias depois de seu lançamento, a sede do Porta dos Fundos foi atacada pelo empresário Eduardo Fauzi. Ele acabou preso pela Interpol em setembro de 2020, na Rússia, mas as quatro pessoas que o acompanhavam na tentativa de vandalizar e incendiar o prédio continuam soltas.

Rufem os tambores: Sabrina Sato volta à Sapucaí no próximo Carnaval

Fabio Porchat comemorou a decisão da 26ª Vara Cível do Tribunal de Justiça: “A liberdade de expressão é ponto fundamental em uma democracia. Ainda bem que ainda é possível exercê-la em nosso país. Mesmo que alguns estejam atentando contra tudo aquilo que foi construído até aqui”, disse ele a VEJA RIO, .

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Publicidade