Clique e assine por apenas 4,90/mês

‘O cover de Roberto Carlos sou eu’, diz Evanney, sobre investigado pela PF

Principal sósia do compositor considera 'falta de desrespeito com o Rei' a postura bolsonarista e agressiva de Roberto Boni, alvo da Operação Lume

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 17 jun 2020, 21h11 - Publicado em 17 jun 2020, 14h55

Alvo da Operação Lume – deflagrada pela Polícia Federal nesta terça (16) para investigar organizadores e participantes de atos antidemocráticos, que pedem o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal (STF) -, Roberto Boni, cover do cantor Roberto Carlos, foi duramente criticado por Carlos Evanney, considerado pelo próprio cantor o seu “cover oficial”. 

Hackers invadem sistema da Light e pedem resgate de US$ 7 milhões

“Cover de verdade jamais faria esse tipo de coisa, nunca se envolveria em nada que pudesse prejudicar o Roberto”, diz o cantor, que tem uma filha chamada Roberta Carla e, assim como o ídolo, faz um cruzeiro musical para os seus fãs (numa versão bem mais modesta, pelas águas da Baía de Guanabara). “Foi muito feio o que esse senhor fez, o Roberto deve estar chateado, ele tinha que respeitar o seu ídolo”.

Boni: Sósia de Roberto Carlos está na mira da PF por participar de atos antidemocráticos Facebook/Reprodução

Roberto Boni, o sósia investigado, também realiza diversos shows vestido como o Rei e se apresenta nas redes como comentarista político. Ele é apoiador do presidente Jair Bolsonaro e tem incentivado, nas redes sociais, uma ação das Forças Armadas em apoio ao atual governo. Boni costuma postar vídeos de apoio a aliados de Bolsonaro, como o ministro da Educação Abraham Weintraub, e também de participações em manifestações antidemocráticas.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Publicidade