Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Nós estamos no tempo da Anitta!”, diz Chico Buarque

Artista comentou em entrevista por que não canta mais a música Com Açúcar, Com Afeto, que considera datada

Por Kamille Viola Atualizado em 7 fev 2022, 20h58 - Publicado em 7 fev 2022, 12h38

Depois da polêmica provocada pela repercussão de uma fala sua no documentário O Canto Livre de Nara Leão, no Globoplay, Chico Buarque afirma que achou a reação absurda. Isso porque ele comentou que não cantava mais a música Com Açúcar, Com Afeto, o que logo virou notícia e gerou longas discussões.

+ Música do verão, Malvadão, do rapper carioca Xamã, ganha versões em outros ritmo

Em entrevista à jornalista Regina Zappa, autora de livros sobre o artista, ao site Brasil 247, ele garante que o único feminista que criticou a canção foi ele próprio e que acha vencida “essa coisa da mulher lamurienta, que fica em casa”. “Puxa, nós estamos no tempo da Anitta! As mulheres estão falando alto, estão de cabeça erguida, e acho bonito isso. É uma conquista do movimento feminista. O movimento feminista tem uma grande importância e estou solidário com ele”, frisa.

Compartilhe essa matéria via:

Chico garante que não imaginou que seu comentário fosse suscitar alguma polêmica. “Eu disse que não cantava mais Com Açúcar, Com Afeto, como de fato não canto há muitos e muitos anos. E um artista deixar de cantar uma música não me parece uma notícia”, afirma.

+ Após saída de diretor do MAM, outros centros culturais sofrem baixas no Rio

Para o cantor e compositor, dizer que ele cancelou ou censurou a música “é desinformação ou má-fé”, e ele jura que nunca soube de críticas dos movimentos feministas à canção. “Eu converso com minhas netas, e elas devem achar essa história da música ridícula. É realmente datada”, admite.

+ Com direção de Carlos Saldanha, Camila Pitanga vai produzir filme sobre Iemanjá

Continua após a publicidade

Ele explica ainda que não canta mais várias músicas de seu repertório, como Pelas Tabelas (do álbum Chico Buarque, de 1984), de versos como “Quando vi todo mundo na rua de blusa amarela/ Eu achei que era ela puxando o cordão” e “Quando ouvi a cidade de noite batendo as panelas/ Eu pensei que era ela voltando”. “Não dá mais. Era situada na época das Diretas Já. Ou seja, todo mundo batendo panela de camisa amarela. Se eu cantar hoje… (risos). Ficou datada, não é? Não quer dizer que eu renegue a música. Só não canto mais”, comenta.

+ Rumores de Covid: tosse constante de participantes do BBB 22 intriga internautas

Chico garante que, durante todos esses anos, nunca ninguém pediu para que ele cantasse Com Açúcar, Com Afeto (a última vez de que se tem notícia de a música ter sido apresentada por ele em um show foi em 1985) e aposta que Nara acharia toda essa polêmica uma grande bobagem. “Acho que ela diria que há coisas muito mais importantes para discutir. Acho que ela estaria chocada com o linchamento do congolês na Barra da Tijuca. Acho que ela não compreenderia como o Brasil elegeu um sujeito como o Bolsonaro. E acho que ele já não cantaria Com Açúcar, Com Afeto”, arrisca.

+ Crise no MAM: quem é o advogado que assume a direção do Museu de Arte Moderna

Ele também reclama de mulheres que, em sua opinião, prestam um desserviço à causa do feminismo. “Eu já sofri com isso naquela música Tua Cantiga (do álbum Caravanas, de 2017), por causa daquele verso ‘Largo mulher e filhos/ e de joelhos vou te seguir’. Vi a declaração de uma mulher que disse que vomitou quando ouviu isso. É difícil de lidar. E isso cria uma enorme antipatia. É negativo. Mas eu não antipatizo com as feministas e tendo a concordar com elas”, afirma.

+ Tadeu Schmidt manda recado em Libras na eliminação do BBB 22: o que ele disse?

Autor de mais de 400 canções e considerado um dos maiores letristas da língua portuguesa, Chico Buarque compôs diversas músicas sobre personagens distantes de sua realidade, muitas delas na primeira pessoa, como O Meu Guri, Las Muchachas de Copacabana e Olhos nos Olhos, todas narradas por mulheres.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)