Clique e assine por apenas 4,90/mês

Cassino em camarote da Sapucaí fez propaganda de máquinas caça-níquel

Em site de vendas de ingresso, equipamentos apreendidos eram anunciados como 'originais vindos de Las Vegas'; sócio do espaço nega apostas

Por Cleo Guimarães - Atualizado em 27 fev 2020, 19h53 - Publicado em 27 fev 2020, 19h34

Uma denúncia levou a Polícia Federal a desmontar nesta quinta-feira um cassino que funcionava dentro do espaço Mais Brasil, camarote no Setor 5 do Sambódromo. A grande questão, neste caso, é se as máquinas caça-níquel eram verdadeiras, e se havia aposta a dinheiro nas mesas de roleta e de pôquer. Os dois casos configuram a prática de infrações penais.

O que mais intriga a PF (e a todos) é que nada foi feito às escuras: no site de vendas de ingresso para o camarote, ele se apresenta como “um espaço no puro estilo dos cassinos ao redor do mundo, em que os seletos clientes poderão jogar nas mesas de roleta, black jack, poker (com o 1º torneio de pôquer do carnaval carioca), além das slot machines (caça-níqueis) originais, vindas de Las Vegas”. As seis máquinas caça-níquel apreendidas pela Polícia Federal serão periciadas nos próximos dias: se forem cenográficas, não configura nenhuma infração. Imagens das câmeras de segurança também serão analisadas para observar se havia dinheiro envolvido nos jogos. Alexis de Vaulx, sócio-diretor da Incentivo Brasil, responsável pelo camarote, afirmou que não havia apostas e garantiu que o espaço vai funcionar de novo no sábado, no Desfile das Campeãs.

Especialistas consultados por VEJA RIO garantem que a simples propaganda do cassino dentro do camarote já justificaria a instauração de um inquérito policial. “É proibido. Seria mais ou menos como fazer propaganda de um homicídio. Isso pode? Não, não pode”, afirma um dos advogados consultados por VEJA RIO.

Publicidade