Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

“Queremos trazer histórias periféricas”, diz fundadora de museu digital

Lívia Baião está à frente da iniciativa Rio Memórias, que completa três anos com o objetivo de resgatar a história da cidade e torná-la acessível

Por Renata Magalhaes Atualizado em 14 jun 2022, 21h34 - Publicado em 17 jun 2022, 06h00

Cristo Redentor pode ser considerado fruto do primeiro crowdfunding — prática que na Europa já se via desde o século XIX — em praias cariocas: a icônica estátua só foi erguida graças a uma campanha de arrecadação de recursos encabeçada pela Igreja em 1923. Essa é uma das curiosidades guardadas pelo museu digital Rio Memórias, que completa três anos com o objetivo de resgatar a história da cidade e apresentá-la ao público, sempre preocupado em oferecer acesso a todos.

Foi justamente a percepção sobre a imensa desigualdade para usufruir dos bens culturais que motivou Lívia Baião a embalar o projeto — para ter uma dimensão, dados da JLeiva, consultoria especializada em cultura e esporte, apontam que 50% das pessoas egressas das classes de D e E nunca foram a uma exposição. “Queremos trazer histórias periféricas, de territórios muitas vezes não conhecidos, e fazer com que o carioca se engaje no cuidado com o lugar onde vive”, explica a historiadora nascida na Bahia, que veio morar na capital fluminense com 1 ano.

“No início, os alunos não conseguem apontar nenhuma riqueza no local onde moram, mas eles descobrem que até mesmo a rua em que vivem contém memórias”

Com doze galerias virtuais abastecidas por pesquisadores da PUC-Rio e da UFMG — quatro delas recém-inauguradas —, o site acaba de celebrar o marco de 100 000 visitantes. Ao longo do trabalho, ficou claro para Lívia a necessidade de expandir as atividades para o modo presencial, voltadas para a população periférica. Criaram-se então oficinas ministradas em escolas públicas, com a ideia de aprofundar o conhecimento sobre o território onde estão inseridas. “No início, os alunos não conseguem apontar nenhuma riqueza no local onde moram, mas, com as apresentações, eles descobrem que até mesmo a rua em que vivem contém memórias”, conta.

Também são realizadas visitas a instituições culturais: o Museu de Arte Moderna, onde atualmente segue em cartaz a mostra fotográfica Terra em Tempos, foi o primeiro parceiro e já recebeu mais de 300 adolescentes — muitos nunca tinham sequer atravessado as fronteiras de suas comunidades. Ali, eles entram em contato com o Rio através do olhar tarimbado de Rogério Reis e Miguel Rio Branco, além de serem incentivados a expor registros próprios inspirados no que viram. “É uma ação para que possam se sentir protagonistas de suas próprias histórias”, conclui Lívia, a orgulhosa responsável pela transformação de várias dessas trajetórias.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Saiba tudo o que acontece na Cidade Maravilhosa. Assine a Veja Rio e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da Veja Rio! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da Veja Rio, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

Receba mensalmente a Veja Rio impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet

a partir de R$ 12,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas do Rio.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)