Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Artistas se unem em movimento para cobrar impeachment de Jair Bolsonaro

Uma live nas redes sociais, marcada para as 18h desta segunda (10), terá discursos de Ailton Krenak, Emicida, Dira Paes, Elisa Lucinda e Zeca Baleiro

Por Marcela Capobianco Atualizado em 10 Maio 2021, 11h51 - Publicado em 10 Maio 2021, 11h50

“Não seja cúmplice desse genocídio”. É a partir deste forte apelo que mais de 2 500 artistas brasileiros decidiram criar um movimento de unificação de forças pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro.

+ Nova cepa do coronavírus é encontrada no Rio

Nesta segunda (10), a partir das 18h, uma live simultânea no canal do YouTube Jornalistas Livres, Facebook, Twitter e Instagram vai reunir artistas e pensadores de diversas áreas para discutir os próximos passos para que Bolsonaro responda pela mais de 400 000 mortes na pandemia da Covid-19 e deixe o cargo.

+ São Clemente muda enredo para homenagear Paulo Gustavo

Nomes como Paulo Betti, Ailton Krenak, Emicida, Maria Bopp, Anna Muylaert, Dira Paes, Ailton Graça, Preta Ferreira, Zeca Baleiro e Matheus Nachtergaele já confirmaram presença no encontro on-line.

Continua após a publicidade

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Uma petição pública lançada pelo grupo já conta com mais de 8 000 assinaturas pedindo a destituição de Bolsonaro da presidência.

“Diversas medidas poderiam ter sido tomadas para reduzir o número de mortes, mas não foram. A estratégia seguiu direção contrária. O descaso e a negação das conquistas cientificas continuam sendo incentivados. Com isto aumenta a cada dia o número de vidas humanas perdidas. Ou seja, vivemos sob a tutela de um governo criminoso que, por diligência engendrada e condução irracional da crise sanitária, causa um número de óbitos muito superior ao que seria o inevitável. (…) O que estamos esperando? O Brasil tem instrumentos para começar a estancar esta mortandade, de imediato. Para a atual tragédia há um remédio. O impeachment! Já enfrentamos diversas lutas inomináveis na história. Vencemos várias delas através de um instrumento único e fundamental: a participação popular que pressupõe a democracia”, afirma o texto de apresentação da convocação pública do grupo que se define espontâneo, independente e horizontal.

+ Tatá Werneck é criticada por “se proteger demais” em velório de Paulo Gustavo

De acordo com a Agência Pública, foram enviados 116 documentos ao presidente da Câmara dos Deputados pedindo o impeachment de Bolsonaro. Desses, 64 foram pedidos originais, 7 aditamentos e 45 pedidos duplicados. Apenas seis foram arquivados ou desconsiderados. Todos os outros aguardam análise.

Continua após a publicidade
Publicidade