Safári

Tipos de Gêneros dramáticos: Documentário
Veja Rio
starsstarsstarsstarsstars

Resenha por Miguel Barbieri Jr

Ao mesmo tempo em que chega a embrulhar o estômago, Safári é um documentário obrigatório. O diretor austríaco Ulrich Seidl vai até o Leopard Lodge, na Namíbia, para colher depoimentos de caçadores. Lá, turistas abatem de gnus a zebras como hobby. O realizador não toma partido — nem precisa. As entrevistas e as imagens são suficientes para explicitar a estupidez humana. As justificativas são risíveis. Há, por exemplo, uma declaração de que os bichos são mortos como forma de preservação da espécie. O dono do resort também solta uma “pérola” da ignorância ao dizer que permite o abate porque há uma superpopulação no mundo. Prepare-se para o choque! Além da agonia e morte, os animais são, primeiro, exibidos como troféu em fotos de celular e, em seguida, destrinchados pelos nativos. Paupérrimos, os africanos ganham partes da carne como “recompensa”, devoradas em sequências atrozes. Direção: Ulrich Seidl (Safari, Áustria, 2016, 91min). 12 anos.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s