TEATRO

Três perguntas para Marya Bravo

A atriz e cantora vive uma das protagonistas de Vampiras Lésbicas de Sodoma, adaptação de um sucesso do circuito off-Broadway, que estreia na quarta (27)

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

arthur seixas/divulgaçÃo
(Foto: Redação Veja rio)

Como é que uma atriz se prepara para viver uma vampira lésbica de Sodoma?

Sendo uma vampira imortal, eu me baseei bastante em divas do cinema, como Bette Davis e Joan Crawford. Sinto que esse é o grande sonho delas, nunca morrer, e cada personagem as torna eternas.

Aos 4 anos você cantou o jingle do Cremogema. Tem lembranças desse episódio?

Segundo meus pais (os cantores Lizzie Bravo e Zé Rodrix), eu cantei antes de falar. Minha mãe gravava muitas músicas para comerciais e eu ia muito para o estúdio com ela. Quando o produtor do jingle precisou de uma voz de criança, me chamou na hora. Lembro que eu era muito pequena, não alcançava o microfone, então cantei em cima de uma mesa.

Como foi sua experiência em Nova York, onde você estudou musicais?

Foi maravilhosa e me tornou a pessoa que sou. Aprendi desde cedo a ter muita disciplina na profissão. Aqui no Brasil, fico muito feliz de ver esse gênero crescendo.

Fonte: VEJA RIO