TEATRO

Quadrilátero amoroso

Encenada pela primeira vez em 1967, comédia do aclamado inglês Alan Ayckbourn mantém sua graça no Sesc Ginástico

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Paula Kossatz/divulgaçÃo
(Foto: Redação Veja rio)

Autor popular em seu país, o inglês Alan Ayckbourn tem em Relações Aparentes um dos maiores acertos de uma carreira recheada deles. Levada ao palco em 1967, a premiada comédia ficou três anos em cartaz, antes de começar a ganhar remontagens. Quase meio século depois, o texto mantém sua graça à moda antiga, mas cheia de inteligência, como se revela na bem-acabada produção em cartaz no Sesc Ginástico. Na história, Greg (Frank Borges, na medida do avoado personagem) e Ginny (Giselle Batista, graciosa) formam um jovem casal a caminho do altar. O rapaz não sabe, embora desconfie, mas a garota tem um caso com Philip (o competente Tato Gabus Mendes), sujeito mais velho e casado com Sheila (Antonia Frering, a menos desenvolta em cena). Disposta a terminar com o amante, a moça vai até a sua casa, mas é seguida pelo namorado. Essa é a deixa para uma série de impagáveis mal-entendidos, engenhosamente alinhavados pelo autor. Ciente da qualidade do texto, a direção de Ary Coslov e Edson Fieschi não inventa: prefere investir na dinâmica entre os atores, extraindo boas risadas proporcionadas, principalmente, pela ala masculina do elenco (90min). 12 anos. Estreou em 24/4/2014.

Teatro Sesc Ginástico (513 lugares). Avenida Graça Aranha, 187, Centro, ☎ 2279-4027. → Quinta a domingo, 19h. R$ 30,00 (qui.) e R$ 40,00 (sex. a dom.). Bilheteria: a partir das 13h (qui. a dom.). Até 15 de junho.

Fonte: VEJA RIO