TEATRO

Trama dupla

Ambientada na Argentina atual e na Rússia do século XIX, Modéstia exige olhar atento

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Ana Alexandrino / Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Segundo texto do argentino Rafael Spregelburd montado no Brasil, Modéstia integra uma heptologia que aborda sete pecados capitais contemporâneos apontados pelo dramaturgo. Como a peça anterior, A Estupidez, encenada no ano passado, a comédia dramática tem trama complexa e exige atenção redobrada. São contadas em cena, ao mesmo tempo, duas histórias ambientadas em épocas distintas.

A primeira se passa em um condomínio de Buenos Aires, nos dias atuais. Arturo (Gilberto Gawronski) e sua mulher, a neurótica Angeles (Isabel Cavalcanti), vão receber um amigo dele, San Javier (Fernando Alves Pinto). Acontece que, com as chaves que ganhou do anfitrião, o hóspede acaba entrando no apartamento da vizinha Maria Fernanda (Bel Garcia). Esse é o estopim de uma trama de angústias e traições. Mais interessante, o outro enredo se desenvolve em uma cidade do interior da Rússia, no fim século XIX, época de guerras regionais, fome e desemprego. Nesse contexto, a dona de casa Anja Terezovna (Isabel) força o marido, Terzov (Alves Pinto), um escritor tuberculoso, a vender os direitos de um livro que não é seu ao médico Smeredovo (Gawronski). Em casa, o clínico e sua esposa, Leandra (Bel), tentam convencer o paciente a fechar negócio para pagar o tratamento.

Pedro Brício, o diretor, conta com elenco bastante eficiente e versátil, capaz de cumprir as ágeis marcações de seus respectivos papéis. Sem recorrer a blecautes, as passagens de um século ao outro são feitas quando os atores atravessam portas do funcional cenário de Bia Junqueira. Modulações de voz e expressões corporais também distinguem cada momento. A iluminação de Tomás Ribas é mais tênue nas cenas antigas e abundante nas situações contemporâneas. Toda ajuda, afinal, é bem-vinda: acompanhar o espetáculo duplo é um programa atraente, mas pede a concentração de quem está montando um quebra-cabeça.

Modéstia (90min). 14 anos. Estreou em 1º/3/2012. Centro Cultural Correios (200 lugares). Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. Quinta a domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 14h (qui. a dom.). Até 15 de abril.

Fonte: VEJA RIO