TEATRO

Mais forte do que o filme

Nova versão de Cabaret mostra o mundo-cão da noite berlinense e a ascensão do nazismo

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Caio Gallucci / Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Depois da estreia na Broadway, em 1966, o musical foi consagrado com oito Oscar na versão dirigida há quarenta anos por Bob Fosse. No cinema, Liza Minelli emprestou boa dose de inocência à protagonista Sally Bowles. De volta ao palco, Cabaret remete ao mais cruel dos três libretos criados para o espetáculo. A opção de Claudia Raia, produtora e estrela, e Miguel Falabella, tradutor do texto de Joe Masteroff e autor das boas versões para as letras de Fred Ebb, foi por um retrato forte do submundo boêmio de Berlim em 1933.

José Possi Neto dirige a história da cantora e prostituta inglesa ? Claudia Raia esbanja eficiência técnica, tanto nos números de música e dança quanto nos momentos de intensidade dramática. A atriz exibe em cena traços de vulgaridade condizentes com uma artista de rendez-vous decadente e alcoólatra. Na trama principal, Sally se apaixona pelo escritor gay Cliff Bradshaw. Guilherme Magon defende o papel do parceiro, mas o destaque no elenco de 21 integrantes é Jarbas Homem de Mello, como MC, mestre de cerimônias da boate Kit Kat. O ator brilha em particular na abertura, Willkommen, e no dueto com Claudia em Grana (versão da famosa Money).

Uma história paralela aborda o romance entre a dona de pensão Fräulein Schneider (Liane Maya) e o judeu Herr Schultz (Marcos Tumura), interrompido pela ascensão do nazismo. Nessa parte da sessão, cenas muito longas contribuem para deixar o primeiro ato com quase duas horas de duração. Apreciadores do gênero, no entanto, vão encontrar uma montagem sem tropeços, aprimorada após quatro meses de temporada paulista, com, entre outros atributos, ousados figurinos de Fábio Namatame.

Cabaret (150min, com intervalo). 14 anos. Estreou em 30/3/2012. Teatro Oi Casa Grande (926 lugares). Avenida Afrânio de Melo Franco, 290, Leblon, ☎ 2511-0800. → Quinta e sexta, 21h; sábado, 18h e 21h30; domingo, 18h. R$ 40,00 a R$ 180,00. Bilheteria: 15h/20h (ter. e qua.); 15h/21h30 (qui. e sex.); 12h/22h (sáb.); 15h/19h30 (dom.). Cc: todos. Cd: todos. IC. Estac. no Shopping Leblon (R$ 8,00 por duas horas). Até 10 de junho.

Fonte: VEJA RIO