TEATRO

Eles discutem a relação

Arte, a comédia que revelou o talento de Yasmina Reza, ganha nova, e afiada, montagem

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

roteiro-teatro-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Hoje consagrada, a dramaturga francesa Yasmina Reza é autora de um sucesso recente na cidade: Deus da Carnificina, que, aliás, o diretor Roman Polanski adaptou para o cinema em filme com estreia brasileira prevista para 7 de junho. Seu primeiro grande acerto foi Arte, espetáculo vencedor do francês Molière e do americano Tony, entre outros prêmios. Escrita em 1994, já apresentada no Rio em 1998, a peça volta ao circuito em nova montagem no Teatro do Leblon. Na trama, três amigos de longa data são levados a uma discussão interminável depois que um deles desembolsa uma pequena fortuna por um quadro totalmente branco ? 200?000 reais, nesta versão. A cada rodada dos acalorados debates, deixam a cerimônia

de lado e dizem o que realmente pensam uns dos outros.

Emilio de Mello já dirigiu duas peças da autora ? O Homem Inesperado (2006) e Deus da Carnificina. Agora, além de assinar a tradução, cuidou da encenação precisa. Tudo é muito despojado, da cenografia de Aurora dos Campos à contrarregragem executada pelo elenco. O trio troca os móveis do cenário, reveza-se no comando dos efeitos sonoros e toca instrumentos musicais. Outra boa ideia foi dar voz ao pensamento de cada um: nesses momentos, a iluminação de Tomás Ribas focaliza apenas o rosto dos intérpretes. O tom informal reforça a intimidade entre os personagens. Cria, assim, o ambiente apropriado para as ótimas atuações de Marcelo Flores (o autoritário Marcos), Vladimir Brichta (o conciliador Ivan) e Claudio Gabriel (o polêmico Sérgio).

Arte (90min). 14 anos. Estreou em 18/5/2012. Teatro do Leblon ? Sala Marília Pêra (417 lugares). Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, ☎ 2529-7700. Quinta a sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 50,00 (qui.), R$ 60,00 (sex. e dom.) e R$ 70,00 (sáb.). Bilheteria: a partir das 15h (qui. a dom.). Cc: D, M e V. Cd: todos. IC. Estac. (R$ 4,00 a cada meia hora). Até 15 de julho.

Fonte: VEJA RIO