TEATRO

Ritmo moderado

Academia do Coração, comédia de Flavio Marinho, soa um tanto antiquada, mas está nas mãos de bons atores

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪

Beti Niemeyer/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Há cerca de três anos, o autor e diretor Flavio Marinho enfrentou um grave problema cardíaco. A experiência dolorosa inspira a sua mais nova comédia, Academia do Coração. Em cartaz no Teatro Maison de France, a peça acontece em uma clínica de medicina esportiva comandada por uma médica linha-dura, Ângela (Bia Nunnes), e um professor de educação física boa-praça, Uóxinton (Renato Reston). Ali, três pacientes rabugentos (vividos por Cristina Pereira, Ernani Moraes e Sandro Christopher) se exercitam para manter suas doenças sob controle. A rotina meio cinza é transformada com a chegada do jovem Lucas (Arlindo Lopes), que fez um transplante de coração. A direção de Marinho é convencional, mas o maior problema está mesmo no texto frágil, carregado nas tintas de autoajuda e entremeado por piadas repetitivas sobre doenças, remédios e velhice. O ótimo rendimento dos atores que interpretam os pacientes (especialmente Cristina e Lopes), entretanto, garante momentos de diversão (90min). 12 anos. Estreou em 24/10/2013.

Teatro Maison de France (352 lugares). Avenida Presidente Antônio Carlos, 58, Centro, ☎ 2544-2533. Quinta e sexta, 20h30; sábado, 21h; domingo, 19h. R$ 60,00 (sex.) e R$ 70,00 (qui., sáb. e dom.). Bilheteria: a partir das 14h (qui. a dom.). IC. Estac. c/manobr. (R$ 15,00). Até 23 de fevereiro.

Fonte: VEJA RIO