DIVERSÃO

Um show de teatro

A Barra ganha uma suntuosa casa de espetáculos repleta de recursos tecnológicos

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

teatro-01.jpg
(Foto: Veja Rio)

clique na imagem acima para ampliá-la

A carência de palcos na cidade tornou comum uma curiosa disputa, em que produtores se engalfinham ombro a ombro a fim de conseguir um lugar para suas encenações. Tamanha procura gerou novidades, a exemplo de sessões em dias pouco habituais, como segunda, terça e quarta, ou em horários alternativos no finzinho da tarde ou quase de madrugada. Em meio a tal cenário, abre as portas na sexta (10) um novo espaço, projetado e construído especialmente para abrigar espetáculos de grande porte. Trata-se do Teatro Bradesco, instalado no Shopping Village Mall, na Barra da Tijuca, um portento muito bem-vindo para a cena cultural carioca, com capacidade para receber 1?060 espectadores. Para efeito de comparação, a sala do Oi Casa Grande, acostumada a receber produções de vulto, conta com 926 lugares. "Será o maior teatro privado do Rio", afirma Steffen Dauelsberg, diretor executivo da Dell?Arte, empresa que vai administrar o local junto com a produtora gaúcha Opus.

Suas credenciais impressionam (saiba mais no quadro ao lado). O palco tem uma boca de cena de 16 metros de largura por 8,5 de altura ? números muito próximos aos do Theatro Municipal. Instalado no fundo da estrutura, um elevador reforçado pode transportar até um automóvel para dentro da cena. O fosso da orquestra é de padrão sinfônico, comportando aproximadamente oitenta músicos, mais do que os do Carlos Gomes e do João Caetano. "São luxos raros nas salas do Rio", diz o diretor Claudio Botelho, acostumado a lidar com cerca de 25 instrumentistas nos musicais que comanda. A área destinada ao público esbanja conforto. As poltronas são iguais às do Carnegie Hall, em Nova York, com espaço de 1 metro entre as fileiras. A qualidade do som é garantida pelo revestimento trazido da Espanha, cuja eficácia deverá ser comprovada já na inauguração, com um concerto da Orquestra Sinfônica Brasileira. Até o fim do ano, estão confirmados shows de Zeca Baleiro e Julieta Venegas, uma apresentação da Companhia Brasileira de Balé e espetáculos da Disney e de uma trupe de palhaços russos. Um sinal de que, além de imponente, o novo palco do Rio também é bem eclético.

Fonte: VEJA RIO