ROTEIRO DA SEMANA

Bares

Por: Rafael Sento Sé - Atualizado em

ADELOS. Até 1873, a Travessa do Tinoco, no Centro, chamava-se Beco dos Adelos, como eram conhecidos os comerciantes de produtos de segunda mão que ocupavam o lugar. Esse momento do passado inspirou o nome do negócio que ocupa o amplo casarão de 250 metros quadrados na esquina com a Rua do Mercado. No ambiente, foram recuperadas partes originais do teto de madeira, do piso de ladrilho hidráulico e das paredes de pedra. Em cenário típico do Rio Antigo, dedique-se a geladas como Therezópolis (R$ 10,00) ou Heineken (R$ 6,00), ambas em garrafas de 600 mililitros. O cardápio ganhou o reforço da linguiça goiana acebolada, recheada de lombinho e jiló (R$ 20,00 a porção), acompanhada de pão francês, e do filé aperitivo ao molho roquefort no pão italiano (R$ 28,00). Rua do Mercado, 51, Centro, ☎ 2516-1734 (200 lugares). 11h/0h (sex. e sáb. 12h/18h). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2011.

AZEITONA & CIA. Ponto de concentração do bloco Azeitona sem Caroço, o botequim tem uma concorrida varanda, de onde se vê a movimentação de uma das ruas mais charmosas do Leblon. Simples e confiá­vel, o cardápio de tira-gostos tem salsichão acompanhado de molho curry e ketchup picante (R$ 17,00). Por R$ 9,00, acrescenta-se salada de batata. Vendido por unidade, o croquete de carne (R$ 4,00) é outra pedida para acompanhar o chope Brahma (R$ 4,00 a tulipa). Serve almoço executivo com preços entre R$ 14,00 e R$ 17,00. Rua Dias Ferreira, 647, loja A, Leblon, ☎ 2540-5166 (80 lugares). 12h/0h (sex. e sáb. até 1h). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 1996.

BAR DA PRAIA. O grafite que decora a varanda foi renovado pelo grupo de artistas FleshBeck Crew. Quando a noite chega, o clima de azaração se intensifica. Feito no forno, o pastel de camarão (R$ 18,90, quatro unidades), de massa leve, é acompanhado de molho de ostra. O tartare de salmão (R$ 27,90) chega à mesa com beiju de tapioca. Para beber, há drinques como o cosmopolitan (R$ 16,90; vodca, triple-sec e suco de cranberry) ou o nicolet?s (R$ 16,90; vodca, licor e calda de lichia). Rua João Lira, 5 (Hotel Marina Palace), Leblon, ☎ 2172-1067 (60 lugares). 19h/1h (qui. até 3h; sex. 18h/4h; sáb. 16h/4h; dom. a partir de 16h). Cc: todos. Cd: todos. ↔ ? Aberto em 1998.

BAR DA RAMPA. À beira da Enseada de Botafogo, é um lugar pitoresco de vista eston­tean­te. Funciona dentro do Clube de Regatas Guanabara ? para passar pela roleta e chegar até lá, cobram-se R$ 5,00. No estreito píer ainda desembarcam pescados frescos. Vem do mar o ingrediente principal do pastel de camarão (R$ 3,00 a unidade). À milanesa, a porção do crustáceo na companhia de molho rosé custa R$ 33,00. O programa fica completo com caipivodca de limão (R$ 9,00) ou cervejas em garrafa das marcas Skol e Antarctica (R$ 5,00 cada uma). Avenida Repórter Nestor Moreira, 42, Botafogo, ☎ 2295-2647, ramal 224 (80 lugares). 10h/22h (fecha seg.). www.bardarampa.com.br. Aberto em 2006.

BAR REBOUÇAS. Diante do balcão há apenas três lugares ? isso mesmo, é um dos menores da cidade ?, mas à noite mesas se espalham pela calçada sob a marquise. O grande sucesso local é o jiló ao vinagrete (R$ 1,00 a unidade), mas também há porções de dez unidades de bolinho de aipim com camarão e catupiry ou com carne-seca (R$ 14,00 cada uma). Para molhar a goela, cervejas Antarctica, Skol (R$ 4,20 cada uma), Antarctica Original ou Heineken (R$ 6,00). Rua Maria Angélica, 197, loja 2, Jardim Botânico, ☎ 2286-3212 (20 lugares). 6h/2h (fecha dom.). Cc: M e V. Cd: R e V. Aberto em 1976.

BAR URCA. É difícil superar a vista que se tem do cantinho que Armando Gomes passou a ocupar em 1972. Hoje, aos 95 anos, ele toca o negócio com o filho e o neto de mesmo nome. Não à toa, a casa sagrou-se vencedora na categoria melhor bar da orla na edição especial ?Comer & Beber? de VEJA RIO, em 2007, 2008 e 2009 ? e, neste ano, na última edição especial, foi eleita a dona do melhor visual do Rio. Os clientes usam a mureta à beira-mar como balcão para apoiar garrafas de Skol, Brahma e Antarctica (R$ 6,00, 600 mililitros). Delícias como empada aberta de siri (R$ 4,00), pastel de camarão (R$ 2,00) e bolinho de bacalhau (R$ 2,20) completam o programa. Rua Cândido Gaffrée, 205, Urca, ☎ 2295-8744. 7h/23h (sáb. a partir das 8h; dom. 8h/20h). Cc: D, M e V. Cd: todos. www.barurca.com.br. Aberto em 1939.

BARTHODOMEU. No autêntico pé-limpo, o ambiente mais agradável fica sob teto retrátil, ao lado de uma parede que imita uma rocha. Os bolinhos de bacalhau (R$ 13,80) ou de arroz com gorgonzola (R$ 12,00) vêm em porções de seis unidades. Outra pedida de tira-gosto é a linguiça recheada de provolone (R$ 24,60). O chope é Brahma (R$ 4,70 a caldeireta). Às quintas, as mulheres que pedirem uma caipirinha (R$ 12,30) ganham outra, dentro da promoção Bar Todo Delas. De quinta a domingo tem música ao vivo com repertório de pop rock. Rua Maria Quitéria, 46, Ipanema, ☎ 2247-8609 (200 lugares). 12h/2h (sex. e sáb. até 4h). Cc: todos. Cd: todos. Couvert art.: R$ 5,00 (dom. a ter., a partir de 20h). Aberto em 2009.

BELGIAN BEER PARADISE. Inaugurado em uma loja ampla do Shopping Downtown, o bar mudou em 2008 para uma galeria em Ipanema. Desde então, modificou um pouco o perfil, focando na venda de garrafas para se levar para casa. No entanto, é possível se deliciar por lá mesmo com algumas conceituadas cervejas belgas, a exemplo das trapistas, fabricadas em mosteiros. À base de três cereais (cevada, aveia e trigo), a Tripel Karmeliet (R$ 21,90 a long neck) costuma surpreender com seu toque frutado. De trigo e casca de laranja, a Hoegaarden (R$ 12,90) é a dica mais em conta para dialogar com o mix de salsichas (R$ 24,90) ou a porção de presunto cru (R$ 24,90). Rua Visconde de Pirajá, 580, sobreloja 213, Ipanema, ☎ 3256-2595 (30 lugares). 10h/19h (sex. e sáb. 12h/22h; fecha dom.). Cc: todos. Cd: todos. www.beerparadise.com.br. Aberto em 1999.

BLACK BAR. Ao lado da boate Melt e na frente do badalado albergue Z.Bra, o pequeno ponto atrai jovens em busca de azaração. O salão conta com pufes e sofás, banhados por luz indireta. Ex-barman do restaurante Johnnie Pep­per, Rafael Alvex cuida do cardápio de bebidas, e Maia van Velthem, egressa do Quadrucci, assina o cardápio de inspiração contemporânea. Feito de vodca Absolut, sour mix, tomate-cereja e cranberry, o la mia sicilia (R$ 22,00) é uma das dicas de drinque, ao lado do nectar jewels (vodca Absolut, maracujá, limoncello, framboesa e suco de maçã verde; R$ 22,00). Na parte comestível, a lula à dorée é finalizada com emulsão de limão-siciliano e coentro (R$ 32,50 a porção). Avenida General San Martin, 1219, Leblon, ☎ 3079-9581 (80 lugares). 20h/3h30 (dom. até 1h; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. ↔ Aberto em 2011.

BOTEQUIM JOAQUINA. Foi aberta no Leme a primeira filial da casa de boa cozinha no Humaitá. De frente para a praia, a unidade tem na decoração piso de madeira laminada e um lustre suntuoso. Chope gelado da Brahma (R$ 4,80 a caldeireta) e qualidade de atendimento acima da média explicam o sucesso dos dois endereços. Complete o programa com os novos bolinhos servidos em porções de seis: de feijoada e de abóbora com carne-seca (R$ 19,00 cada porção). Rua Voluntários da Pátria, 448, lojas 3 e 4 (Cobal do Humaitá), Humaitá, ☎ 2527-1722 (200 lugares). 11h30/1h30 (sex. e sáb. até 2h30). Cc: todos. Cd: todos. Estac. (R$ 4,00 a primeira hora) ?; Avenida Atlântica, 974, Leme, ☎ 2275-8569 (75 lugares). 11h30/2h (sex. e sáb. até 3h). Cc: todos. Cd: todos. → www.joaquinabar.com.br. Aberto em 2007.

CAÇULA DE IPANEMA. Entre ocupar os poucos bancos existentes e ficar acompanhando o vaivém na porta, prefira a segunda opção. São oferecidas cervejas em garrafa das marcas Antarctica, Brahma e Skol (R$ 5,00 cada uma). Na hora de beliscar alguma coisa, não invente: fique com o sanduíche de carne assada (R$ 5,00) ou o de linguiça (R$ 4,00). Rua Henrique Dumont, 85, loja A, Ipanema, ☎ 2540-6818. 6h/2h. ? Aberto em 1960.

CAFÉ DEL MAR. Na primeira filial carioca da rede nascida em Ibiza, cobra-se entrada revertida em créditos para consumação depois de 22h. Na elaborada seção de comes, há patatas bravas (R$ 14,00), porção de batatas fritas cortadas em cubos e servidas com saborosos molhos aïoli e de tomate picante, e tapas do mar, a exemplo do camarão grelhado (R$ 24,00) com manteiga de gengibre, pimenta dedo-de-moça e redução de leite de coco. Outro forte é a carta de drinques. Custam o mesmo preço, R$ 22,00, o preparo que leva o nome da casa (vodca Absolut de pêssego, frutas cítricas e Curaçao Blue) e o rose lichee (shochu e lichia). Avenida Atlântica, 1910, Copacabana, ☎ 3649-9658 (400 pessoas). 12h/2h (no 2º andar, 22h/5h). Cc: A, M e V. Cd: todos. Estac. c/manobr. (R$ 10,00). ↔ → Aberto em 2010.

CERVEJARIA SUINGUE. Inaugurada no ano passado, a loja é comandada pelo empresário capixaba Flávio Roberto Barone, dono da Casa do Cervejeiro, endereço etílico conhecido no Espírito Santo. Sua atração principal é o chope de fabricação própria, em três versões. O pale ale (R$ 5,10, 300 mililitros) tem receita irlandesa, 6,1% de teor alcoólico e suave aroma frutado. Opção mais vendida, o leve pilsen (R$ 4,50, 300 mililitros) sobressai pela espuma cremosa. Terceira dica, o strong ale (R$ 6,10, 300 mililitros), feito com cinco tipos de malte e três de lúpulo, atinge consideráveis 8,4% de teor alcoólico. Todos os dias tem dose dupla entre 17h30 e 21h. Avenida Dom Hélder Câmara, 5080, loja 4506, piso S (NorteShopping), Cachambi, ☎ 2595-2794 (80 lugares). 10h/2h (sex. e sáb. até 3h). Cc: todos. Cd: todos. Estac. (R$ 6,00 as três primeiras horas). ↔ Aberto em 2010.

CEVADA. Com salão de pé-direito alto, o endereço passou por mudanças depois de adquirido pelo empresário cearense Antonio Rodrigues, dono do Belmonte. Ganhou bom tratamento acústico e paredes de cor salmão que contrastam com os azulejos brancos e verdes. O pastel de carne-seca com catupiry (R$ 4,20 a unidade) ou a patinha de caranguejo ao molho tártaro (R$ 18,90 a dúzia) abrem os trabalhos e fazem bela tabelinha com o chope Brahma (R$ 4,99 a caldeireta). Praça Serzedelo Correia, 27, loja A, Copacabana, ☎ 2547-5337/7905, ? Siqueira Campos (60 lugares). 8h/1h (sáb. até 3h). Cc: todos. Cd: R e V. Aberto em 2009.

CHARLESTON BUBBLE LOUNGE. Porta de madeira e um vitral transportam o cliente para os anos 20, quando o ritmo que batiza a casa despontou e quando o Copacabana Palace, bem do outro lado da rua, foi inaugurado. Só de champanhes legítimos são 36 opções com preços entre R$ 238,00 (Möet Chandon Brut) e R$ 1?319,00 (Dom Perignon Rosé), para as garrafas de 750 mililitros. Mais em conta, o espumante Chandon Reserve Brut (R$ 69,00) é uma das opções que harmonizam com pedidas de frutos do mar. Empanada em flocos de milho, a lula (R$ 36,90 a porção) é servida com molho agridoce. Entre as poucas pedidas que não vêm do mar está a batata assada ao molho pesto (R$ 24,90). Rua Rodolfo Dantas, 26, loja B, Copacabana, ☎ 3795-3158 (150 pessoas). 18h/1h (dom. 12h/19h; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. www.bubblelounge.com.br.

ESPELUNCA CHIC. Piso de tábua corrida e balcão de pedras portuguesas conferem aparência rústica ao endereço. Em pleno burburinho do Baixo Copa, atrai muitos turistas com tira-gostos de boteco em versões elaboradas, a exemplo do bolinho de arroz com gorgonzola (R$ 18,90) e do croquete de carne-seca com aipim (R$ 23,90), ambos em porções de dez unidades. Os espetinhos chegam à mesa nas versões de filé-mignon com cebola e pimentão (R$ 10,00 a unidade) e frango com alho-poró e gergelim (R$ 9,00). Para beber, vá de chope Brahma (R$ 4,30 a tulipa). Rua Bolívar, 17, Copacabana, ☎ 2236-4090, ? Cantagalo (80 lugares). 17h/2h. Cc: D, M e V. Cd: todos. www.espeluncachic.com.br. Aberto em 2007.

FLOR DA URCA. Fundada há mais de sessenta anos, esta casa deixou de fazer tira-gostos, mas há pratos feitos típicos de botequim para quando a fome apertar. A R$ 11,00, encontra-se na companhia de arroz e feijão costela de boi, carne-seca com abóbora e dobradinha, Na sexta, tem uma caprichada feijoa­da completa por R$ 15,00. Para beber, escolha entre garrafas de 600 mililitros de Bohemia (R$ 3,00 a long neck), Antarctica, Brahma e Skol (R$ 4,50, 600 mililitros). Rua Marechal Cantuária, 148, Urca, ☎ 2541-7674 (42 lugares). 7h/22h (fecha dom.). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 1946.

LEME LIGHT. Modesto, o antigo Escadinha é ponto de encontro do bairro e lugar apropriado para passar o tempo depois da praia, sorvendo chope Brahma (R$ 3,80 a caldeireta). Para mastigar, as opções são simples. Uma delas é o onipresente caldinho de feijão, servido como manda o figurino, com torresmo e salsa (R$ 9,00 a tigela, e R$ 7,00 a caneca). Entre os salgadinhos, o bolinho de bacalhau e a bolinha de queijo custam R$ 7,50 e R$ 8,00, respectivamente, a porção com nove unidades. Mais consistente é o sanduíche de filé-mignon com queijo (R$ 13,00). Rua Gustavo Sampaio, 795, Leme, ☎ 2275-5498 (19 lugares). 7h/1h. Cc: todos. Cd: todos. ? ↔ Aberto em 2002.

LORD JIM PUB. É o pub mais antigo da cidade ainda em funcionamento. Além de futebol, as televisões exibem partidas de rúgbi. Bem britânico, o fish and chips (R$ 25,00), porção de peixe e batata, ambos fritos, pede uma cerveja. A lata de 500 mililitros de Guinness custa R$ 18,00. Opção mais em conta é a Budweiser (R$ 7,00, long neck). Fique de olho nas promoções, quase diárias. Às segundas, cobram-se R$ 15,00 de entrada, mas o preço da Skol cai de R$ 5,00 para R$ 1,00, a long neck, e a caipirinha de limão passa de R$ 8,00 para R$ 2,00. Rua Paul Redfern, 44, Ipanema, ☎ 2249-4881 (300 pessoas). 18h/3h (sáb. a partir de 8h). Entrada: R$ 15,00 (seg., ter. e dom.) e R$ 25,00 mulher e R$ 30,00 homem (qua.). Cc: todos. Cd: todos. ↔ ? → www.lordjimpub.com.br. Aberto em 1974.

MEMPHIS BELLE CAFÉ. Muito procurado por funcionários da vizinha Furnas na happy hour, o botequim X-10 passou por uma reforma radical e reabriu com novo nome, que remete ao avião usado na II Guerra. Expostas em prateleiras, frutas dividem espaço com a chopeira e revelam a polivalência do lugar. As especialidades do bar ficam expostas na vitrine sobre o balcão. Empada de camarão ou frango e croquete de carne custam R$ 2,90 cada um. O chope Brahma (R$ 3,80 a tulipa) cai bem com a porção de bolinho de bacalhau (R$ 16,90, doze unidades). Rua Real Grandeza, 196, Botafogo, ☎ 2286-7947 (44 lugares). 6h/0h (sex. e sáb. até 1h). Cc: todos. Cd: todos. ? Aberto em 2011.

NEGA ROSA. Tombado, o sobrado de dois andares tem parede de tijolos aparentes e quadros de cartões-postais cariocas. No piso de cima, há programação musical de quinta a sábado, com destaque para a noite de zouk, às quintas. Para beliscar, há bolinho de bacalhau (R$ 3,50 a unidade), pastéis sortidos (R$ 15,00 a porção com seis), nos sabores queijo, bacalhau e carne, e provolone à milanesa (R$ 24,00). O chope Brahma custa R$ 4,10 (caldeireta). Rua dos Inválidos, 204, Lapa, ☎ 2221-4230 (100 lugares). 11h30/23h (qui. até 1h; sex. e sáb. até 2h). Cc: M e V. Cd: todos. Couvert art.: R$ 10,00 a R$ 30,00. ? ↔ ?

PAXECO BAR. Um dos nomes por trás do extinto Da Graça, a empresária Lourdes Brandão voltou ao batente no início do ano. Sua nova empreitada ocupa um surpreendente e amplo terraço sobre o restaurante Couve-Flor, com vista para o Cristo Redentor. Dezenas de luminárias sobre o balcão colorem a parte coberta. Nesse ambiente despojado, dedique-se aos drinques. Carro-chefe da carta, a saborosa caipivodca de salada de frutas (R$ 15,00) reúne morango, uva, kiwi, carambola e outras dicas da estação. Pelo mesmo valor, bebe-se a versão de lima-da-pérsia ou a de morango com alecrim. Da cozinha chega o bolinho de arroz com chutney tailandês (R$ 20,00, sete unidades). Rua Pacheco Leão, 724, loja D, Jardim Botânico, ☎ 3114-8710 (80 lugares). 18h/1h. Cc: todos. Cd: todos. ↔ www.paxecobar.com.br. Aberto em 2011.

POINT DA PASSAGEM. Batizado em homenagem ao histórico show de samba estrelado por Paulinho da Viola, Clementina de Jesus e outros bambas, em 1965, no extinto Teatro Jovem, o Rosa de Ouro, reduto boêmio na Rua Voluntários, bateu de frente com o choque de ordem, fechou as portas e ocupa as dependências do endereço na Rua da Passagem. Extensa, a carta de branquinhas continua como um dos fortes. São cerca de quarenta rótulos, entre eles Germana (R$ 10,00 a dose) e Salinas (R$ 8,00). O horário de funcionamento não é tão elástico quanto no endereço anterior. Serve geladas em garrafas de Skol, Antarctica e Brahma (R$ 4,50 cada uma) e farta porção de carne-seca gratinada com aipim (R$ 25,00). Rua da Passagem, 153, Botafogo, ☎ 2275-7630 (80 lugares). 10h/4h. Cc: todos. Cd: todos. ? Aberto em 2011.

ROSA CHOPP. Reduto de moradores do condomínio vizinho Parque das Rosas, é mais um estabelecimento do bairro que aposta nas batatas rosti e no rodízio de pizzas. Da primeira lista são oferecidas mais de dez variedades ? a campeã de pedidos é a batata com camarão e catupiry (R$ 29,00). O rodízio é servido todos os dias entre as 18 horas e meia-noite. Traz sabores salgados, como o rosa chopp (mussarela, presunto, cogumelo, manjericão e óregano), e doces, a exemplo do romeu e julieta (mussarela, goiabada e catupiry), por R$ 20,90. Para beber, a saída é o chope Brahma. O canecão de 400 mililitros (R$ 7,10) vem revestido por uma capa de gel para conservar a temperatura. No cardápio de tira-gostos, o carro-chefe é o filé aperitivo ao molho gorgonzola com pão de alho (R$ 38,00). Avenida Marechal Henrique Lott, 120, lojas 101 e 102 (Rosa Shopping), Barra, ☎ 3325-8336 (500 lugares). 17h/2h (sex. até 3h; sáb. 11h/3h; dom. a partir das 11h). Cc: todos. Cd: todos. Estac. no shopping (R$ 3,00 por uma hora). ↔ www.rosachopp.com.br. Aberto em 1996.

TOCA DA TRAÍRA. Os dois endereços cariocas são filiais da casa nascida em Volta Redonda. Um fica em Jacarepaguá, em uma casa simpática de madeira pré-montada, e o outro, na Barra, de frente para o mar. Porções de patinhas de caranguejo (R$ 23,90, seis unidades) e de bolinho de bacalhau (R$ 23,90, dezoito unidades) são pedidas acertadas. Para refrescar, vá de chope da Brahma (R$ 3,50 a tulipa). Estrada dos Três Rios, 722, Jacarepaguá, ☎ 3382-4547 (200 lugares). 11h/0h (dom. até 22h). Cc: todos. Cd: todos. Estac. c/manobr. → ? ? ↔; Avenida Lucio Costa, 8000, Barra, ☎ 2433-1081 (400 lugares). 11h/0h (dom. até 22h). Cc: todos. Cd: todos. Estac. c/ manobr. ↔ www.tocadatraira.com.br. Aberto em 2002.

Fonte: VEJA RIO