Comer e Beber 2011

As melhores feijoadas do Rio

Selecionamos as seis feijoadas mais saborosas da cidade de acordo com o guia Comer e Beber 2011

- Atualizado em

feijoada.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

ACADEMIA DA CACHAÇA. Referência na cidade quando o assunto são branquinhas, é palco das reuniões da Academia Brasileira de Cachaça, que se encontra esporadicamente para degustar novos rótulos. Reúne cerca de 100 marcas de todo o Brasil. Formada por centenas de fitas de plástico, a bandeira nacional enfeita o teto e se destaca na decoração. As caipirinhas aparecem em receitas pouco comuns como tangerina com maracujá (R$ 11,30) e abacaxi com pimenta-rosa (R$ 9,80). Também tem chope Brahma (R$ 4,90 a caldeireta) e cerveja Bohemia e Antarctica Original (R$ 7,30 cada casco). Para mastigar, empada de queijo de coalho com alecrim (R$ 6,90 a unidade) e escondidinho (R$ 24,80), que traz cremoso recheio de aipim e carne-seca desfiada. Rua Conde Bernadotte 26, lojas E a G, Leblon, ☎ 2529-2680 e 2239-1542 (180 lugares). 12h/1h (sex. e sáb. até 2h). Cc: D, M e V. Cd: todos; Avenida Armando Lombardi, 800, loja 65 L (Condado de Cascais), Barra, ☎ 2492-1159 (200 lugares). 12h/1h (sex. e sáb. até 2h; dom. até 20h). Cc: D, M e V. Cd: todos. www.academiadacachaca.com.br. Aberto em 1985.

ARMAZÉM CARDOSÃO. Na parte alta da Rua Cardoso Júnior, em Laranjeiras, o endereço vende produtos de primeira necessidade e é uma mão na roda para quem mora na vizinhança. De uns anos para cá a feijoada de sábado (R$ 35,00 para dois) ganhou fama e a vocação de bar foi totalmente aflorada. O ambiente à moda antiga exibe piso de ladrilho hidráulico, que, por sinal, necessita de um trato, mas pouca gente liga para isso. Da cozinha saem empadas de bacalhau, camarão ou alho-poró (R$ 3,50 cada uma), que dividem as atenções com o rissole de camarão (R$ 3,50 a unidade) e o bolinho de bacalhau (R$ 25,00, dez unidades). Uma alternativa é a linguiça calabresa acebolada (R$ 20,00). Feita com leite de coco e azeite de dendê, a moqueca de peixe (R$ 25,00 para um) chega à mesa com arroz e pirão ou farofa de dendê. Rua Cardoso Júnior, 312, Laranjeiras, ☎ 2225-3493 e 3072-0402 (30 pessoas). 8h30/23h (sáb. a partir de 11h; dom. 12h/20h; fecha seg.). Cc: D, M e V. Cd: todos. Aberto em 1995.

BAR DO BETO. Sob nova direção e com a cozinha comandada pelo jovem chef Rafael Lopes, o endereço foi completamente remoçado. Agora apenas um vidro separa a rua do ambiente interno, que ganhou revestimento de madeira e inevitável televisão de tela plana. Da antiga equipe de garçons, seguem alguns profissionais que garantem atendimento atencioso. Salteado na manteiga de garrafa e na água de coco, o mexilhão é servido com torradas. O chope Stella Artois (R$ 5,00, 300 mililitros) também fica bem ao lado das tiras de cherne empanadas (R$ 16,90) com molho tártaro. A caipirinha de maracujá (R$ 15,00) é uma alternativa à bebida fermentada. Sábado é dia de feijoada (R$ 16,90), prato que inclui uma saborosa batida de limão. Rua Farme de Amoedo, 51, Ipanema, ☎ 2523-1105, ? General Osório (100 lugares). 12h/0h (sex. e sáb. até 2h). Cc: todos. Cd: todos. www.bardobetorj.com.br. Aberto em 1980.

BAR DO DAVID. Graças à UPP do Morro Chapéu Mangueira, o endereço simples passou a ser frequentado por gente de toda a cidade e até por turistas. Comandado pelo pescador e mergulhador David Vieira Bispo, o lugar tem como chamariz a feijoada de frutos do mar (R$ 13,00 por pessoa). Preparado com feijão branco, lula, polvo, peixe e camarão, o prato é o mais procurado nos fins de semana e chega a vender 200 unidades. Por causa dele, o proprietário passou a abrir também aos domingos. Todos os outros itens custam o mesmo preço. Também fazem sucesso o tropeiro carioca, feito com feijão-preto no lugar do feijão-de-corda e guarnecido de bacon, calabresa, carne-seca e laranja, e as porções de bolinho de bacalhau (dez unidades) e de camarão com catupiry (nove unidades). Refresque-se com Brahma, Antarctica e Skol (R$ 4,00), Antarctica Original e Bohemia (R$ 6,00). Ladeira Ary Barroso, 66, loja 3 (Chapéu Mangueira), Leme, ☎ 7808-2200 (80 lugares). 12h/17h. Cd: todos. Aberto em 2010.

BOTEQUIM INFORMAL . Uma das marcas da rede é o chope Brahma tirado de duas torneiras ? de uma jorra o líquido, da outra, a espuma para o colarinho ?, servido por R$ 4,90 (caldeireta). Madeira e tijolos aparentes formam o ambiente de praticamente todas as filiais. Jarras de 1,5 litro de caipirinha, nos sabores limão, morango, lima-da-pérsia ou abacaxi, podem ser preparadas com vodca (R$ 49,90) ou cachaça (R$ 39,90). Delicie-se com linguiça caipira acebolada (R$ 24,50), que acompanha torradinhas de alho e alecrim, ou com o galeto desossado guarnecido por polenta frita, farofa e molho à campanha (R$ 26,90). Também caem bem os croquetes de carne (R$ 13,90, seis unidades). Para quem gosta, o jiló frito é um achado. Em 2011, abriu no shopping New York City Center.

Rua Conde Bernadotte, 26, loja O, Leblon, ☎ 2540-5504 (140 lugares). 12h/1h. Cc: todos. Cd: todos. ↔; Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 434, loja A, ☎ 2547-2871, ? Cardeal Arcoverde (140 lugares). 11h/1h (sex. e sáb. até 2h). Cc: todos. Cd: todos. Mais oito endereços. www.botequiminformal.com.br. Aberto em 2000.

O PLEBEU. Depois do Aurora, de 1898, é o estabelecimento mais antigo do hoje fervilhante ponto boêmio no cruzamento das ruas Capitão Salomão e Visconde de Caravelas. Abriu no fim da década de 70 no lugar onde funcionou o pub The Lord. Um dos cantos mais disputados é a varanda do 2º andar. Conhecido reduto de cerveja gelada, o casarão em Botafogo oferece a belga Leffe por R$ 8,00 (long neck). Também serve as nacionais Bohemia (R$ 5,60) e Antarctica Original (R$ 5,80), ambas em garrafas de 600 mililitros. Para beliscar, frango à passarinho (R$ 22,50 a porção) ou carne de sol na pedra acompanhada de farofa e aipim frito (R$ 35,50). De sexta a domingo, a feijoada (R$ 41,00, para duas pessoas) encontra boa saída. Pelo mesmo preço, no domingo, também tem cozido. Rua Capitão Salomão, 50, Botafogo, ☎ 2286-0699 (130 lugares). 11h30/4h (dom. até 21h30). Cc: todos. Cd: todos. ? www.oplebeu.com.br. Aberto em 1979.

Fonte: VEJA RIO