CONEXÕES DA ARTE

Guignard dialoga com outros artistas no MAR

Pontos de contato com a xilogravura oriental são explorados na mostra

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

Execução de Tiradentes
Excecução de Tiradentes, óleo sobre madeira de 1961: uma das mais de 100 obras de Guinard reunidas no acervo (Foto: Jaime Acioli/divulgação)

Arte milenar surgida na China e popularizada no Japão nos séculos XVII e XVIII, a xilogravura oriental produziu reflexos sobre a criação de diversos pintores do Ocidente, caso de Monet e Van Gogh. No Brasil, um dos impactados por aquela técnica foi Alberto da Veiga Guignard (1896-1962). Fluminense de Nova Friburgo, ele incorporou tais influências em suas conhecidas paisagens, notadamente aquelas de Minas Gerais, estado em que se radicou. Esta relação está na base de Guignard e o Oriente, entre o Rio e Minas, exposição que o Museu de Arte do Rio inaugura na terça (11). A seleção inclui 101 obras de Guignard e outras 106 que dialogam com aquelas — de xilogravuras japonesas a trabalhos de estética algo oriental produzidos por artistas contemporâneos, como Adriana Varejão. À parte a inspiração do Oriente, também há esculturas barrocas e paisagens que se comunicam com as obras de Guignard. Museu de Arte do Rio.

Praça Mauá, 5, Zona Portuária, ☎ 3031-2741. → Terça, 10h às 19h; quarta a domingo, 10h às 17h. R$ 8,00. Grátis às terças. Meia-entrada para estudantes de escolas particulares e universitários. De quarta a domingo, grátis para alunos e professores da rede pública, crianças de até 5 anos e pessoas com mais de 60 anos. Até 26 de abril de 2015. A partir de terça (11).

+ Confira mais exposições em cartaz na cidade

Fonte: VEJA RIO