ROCK IN RIO

Altos e baixos do quinto dia de Rock in Rio

Shows de Frejat e Bon Jovi animaram o público. Veja os acertos e erros desta sexta (20), quinto dia de festival

- Atualizado em

frejat-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A última sexta de Rock in Rio começou embalada pelos hits de Frejat, seguiu com os rocks dançantes de Matchbox Twenty e o misto de som pauleira com baladas do Nickelback. Jon Bon Jovi e cia garantiram um final animado, numa espécie de viagem aos anos 90, com direito a beijo na boca de uma fã. Veja abaixo um resumo dos pontos altos e baixos da noite.

ALTOS

Pro Dia Nascer Feliz

Frejat encerrou sua empolgante apresentação apostando num dos maiores sucessos dos tempos de Barão Vermelho. A canção também finalizou o tributo a Cazuza, no primeiro dia de Rock in Rio. Mais uma vez, arrebatou a plateia.

Muitos hits

Sucessos conhecidos fizeram a alegria do público, mesmo aqueles que não eram fãs das bandas que antecediam o show principal. Matchbox Twenty empolgou com Disease e Unwell; Nickelback levantou a multidão com Photograph, Some Day e How You Remind Me.

A sortuda de Bon Jovi

Presente a todos os shows da banda no Brasil, a fã Rosana Guedes veio de Campinas disposta a repetir dose de 1995, quando subiu ao palco de sua banda favorita. Diante dos ídolos, ela segurou uma faixa contando sua história e conquistou a atenção do vocalista, que a chamou novamente. Desta vez, com direito a selinho (foram dois!) e tudo.

rosana.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

BAIXOS

Deu um nó

Enfrentar o trânsito para chegar à Cidade do Rock foi um teste de paciência. No fim da tarde, o tempo previsto de viagem entre a Zona Sul e Jacarepaguá superava duas horas.

O cheiro do ralo

Mais uma vez quem veio à Cidade do Rock padeceu com o forte odor de urina nos arredores dos banheiros. Em decorrência de problemas com esgoto na Cidade do Rock, a situação vem se tornando recorrente desde o início do festival.

Nada de água

Um dia depois de enfrentar escassez de água, a Cidade do Rock foi surpreendida por uma greve de ambulantes, que suspenderam a venda de copinhos de água. Cerca de trinta vendedores reivindicavam melhores condições de trabalho.

Fonte: VEJA RIO