CINEMA

Faroeste Caboclo

Cineasta René Sampaio transforma a música da banda Legião Urbana num drama vibrante

Por: Tiago Faria - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Hugo Santarem/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Quem cresceu nos anos 80 se pegará murmurando a melodia de Faroeste Caboclo, um dos hits do fim daquela década, logo no começo do filme. Para ouvir os nove minutos da faixa, porém, será preciso esperar até os créditos finais. Antes disso, o cineasta René Sampaio transforma a saga da banda Legião Urbana num drama violento, vibrante e tecnicamente impecável que, apesar de não convencer nas passagens mais intimistas, supera o desafio de transportar o público para o universo da canção. Na trama, o migrante João de Santo Cristo (Fabrício Boliveira, ótimo) vai tentar a vida em Brasília, onde vende drogas, apaixona-se por Maria Lúcia (Isis Valverde) e provoca o traficante Jeremias (Felipe Abib). O western abrasileirado soa como uma espécie de lado B da cinebiografia Somos Tão Jovens, também em cartaz. Em vez de retratar a vida de Renato Russo, Sampaio investiga o imaginário do compositor. Direção: René Sampaio (Brasil, 2013, 105min). 16 anos.

Ouça este filme: a ótima trilha sonora foi selecionada por Philippe Seabra, da banda brasiliense Plebe Rude

Fonte: VEJA RIO