Campanha municipal

Vacinação contra a gripe começa segunda (4)

Mais de 200 postos de imunização serão disponibilizados para atender a um público específico que inclui idosos e gestantes, entre outros

Por: Redação VEJA RIO - Atualizado em

vacinacao_divulgacao
Campanha de vacinação (Foto: Divulgação)

Na próxima segunda (4), começa a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe no Rio. Terão direito à vacina idosos, gestantes, crianças de seis meses a quatro anos, mulheres no período de até 45 dias após o parto, indígenas, presos, doentes crônicos, profissionais de saúde e funcionários do sistema prisional. Mais de 200 salas de atendimento nas Unidades de Atenção Primária prestarão o serviço, em todas as regiões da cidade, de segunda a sexta, das 8h às 17h.

+ Lei das sacolas plásticas fracassa e menos de 2% pedem desconto

O objetivo da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) é reduzir a mortalidade, as complicações e as internações decorrentes das infecções pela doença em 80% dessa população - cerca de 1,2 milhão de pessoas. A medida preventiva pode diminuir entre 32% e 45% o número de casos de pneumonia e reduzir a mortalidade pela gripe numa proporção de 39% a 75%.

A imunização é eficaz contra os três subtipos do Influenza mais comuns no inverno passado: H1N1; H3N2 e influenza B. Por ser formulado com vírus inativado, o composto não provoca a enfermidade. Mas pacientes febris, com doenças neurológicas, com histórico de alergia crônica relacionada a ovo ou reação a doses anteriores devem consultar um médico antes de se vacinar.

Para participar, é preciso levar a caderneta ou algum outro comprovante de situação vacinal. Pessoas com patologias crônicas precisam apresentar prescrição médica com a indicação do imunizante. E mulheres no pós-parto devem mostrar documento comprovando o nascimento do bebê dentro do período estipulado pela campanha. Crianças de seis meses a quatro anos devem tomar uma segunda dose, 30 dias depois da administração da primeira.

No sábado da semana que vem (9), mais de 400 pontos de vacinação serão disponibilizados em locais comunitários, como igrejas e escolas, em função do dia de mobilização nacional contra a gripe. 

Fonte: VEJA RIO