ENCRENCA MONUMENTAL

UFRJ prepara-se para escolher um novo reitor

A maior universidade federal do país irá escolher seu novo gestor, que terá como desafio enfretrar graves problemas financeiros e de administração

Por: Pedro Moraes

Fundada em 7 de setembro de 1920, a Universidade do Rio de Janeiro reunia apenas três entidades de ensino superior já existentes: a Faculdade de Medicina, a Escola Politécnica e a Faculdade de Direito. Esse foi o embrião da atual Universidade Federal do Rio de Janeiro. Com seus quase 95 anos de tradição, a maior instituição pública do gênero no país hoje congrega 266 cursos de graduação, 94 programas de mestrado e 89 de doutorado. Seus 62 240 alunos, 4 036 professores e 9 300 servidores técnico-administrativos formam uma população superior à de dois terços dos 92 municípios fluminenses. Nesta semana, esse imenso contingente passa a contar com um novo reitor. São candidatos ao cargo a médica Denise Pires de Carvalho, professora do Instituto de Biofísica, e seu colega Roberto Leher, biólogo, lotado no Instituto de Educação. Os dois disputam o voto do corpo acadêmico no segundo turno das eleições, que acontecem de segunda (4) a quarta (6), com resultado a ser anunciado na quinta (7). Como é de praxe, para assumir o posto, o eleito deve ser ratificado no cargo pelo ministro da Educação. É depois disso que a coisa se complica. Encarregado de pilotar esse transatlântico acadêmico até 2019, o próximo reitor tem à sua espera um formidável rosário de problemas.

Candidatos reitor
O biólogo Roberto Leher e a médica Denise Pires de Carvalho disputam o segundo turno: o vencedor sai na quinta (7) (Foto: Felipe Fittipaldi)

Em fim de mandato, o engenheiro Carlos Antônio Levi da Conceição prepara os ânimos de seu sucessor. “As dificuldades já eram de esperar diante do quadro econômico do país. Além do déficit de 25% do orçamento no ano passado, entramos em 2015 com apenas um doze avos do previsto”, diz. Traduzido em números, o buraco citado pelo atual reitor foi de mais de 93 milhões de reais na verba de custeio de 2014. Esse rombo, somado ao aperto nas finanças promovido pelo governo federal, levou a atrasos nos pagamentos — que, por sua vez, provocaram o adiamento do início das aulas e o fechamento temporário do Museu Nacional, duas tristes notícias registradas em janeiro. Há problemas anteriores, no entanto. O maior deles espalha-­se pelos treze andares do Hospital Clementino Fraga Filho, no campus do Fundão. O imóvel planejado em 1951, quando começaram as obras, teria 220 000 metros quadrados e capacidade para 2 000 leitos. Essa meta jamais foi atingida. Inacabada, a ala sul, com metade da área prevista, foi implodida em 2010. No espaço restante, os dois andares que não foram tomados por entulho abrigam um dos mais importantes centros de pesquisa universitária do país, 230 leitos e intensa agenda de 400 cirurgias por mês.

O enfrentamento do histórico descalabro no Clementino Fraga Filho — que, incrivelmente, ainda é uma referência em sua área de atuação — passa por investimentos. Sem caixa, o governo federal buscou a terceirização, por meio de contrato com a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (EBSERH), mas a sugestão foi rejeitada pelo Conselho Universitário da UFRJ. Entre alternativas possíveis e a defesa da soberania da instituição, abundam retratos do descaso. São imagens fortes, como o buraco aberto no nono andar do hospital, no lugar onde havia uma passagem para a derrubada ala sul. Ou as ruínas da Capela São Pedro de Alcântara, na Praia Vermelha, patrimônio do século XIX tombado pelo Iphan. Incendiado em 2011, o espaço aguarda os 15 milhões de reais necessários para a sua recuperação. Perto dali jaz o Canecão: a mais famosa casa de espetáculos do Brasil fechou há pouco mais de quatro anos. A universidade, dona do imóvel, venceu longa queda de braço na Justiça contra o aluguel irrisório pago pelos inquilinos, mas não encontrou até hoje novo uso para o nobre endereço. Em outro prédio histórico, o do Hospital Escola São Francisco de Assis, no Centro, as obras começaram em 2013, vencidos seis anos de burocracia para a liberação da verba.

infografico
(Foto: Infografia Veja Rio)

Vistos por qualquer ângulo, os números escancaram tropeços de gestão. Dinheiro do projeto de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni) engordou o orçamento de forma considerável desde 2010. Cresceram junto o corpo discente, o número de cursos e as contratações de terceiros. O rumo do que parecia ser um ciclo virtuoso resultou, porém, em queda nos rankings de avaliação e problemas financeiros. Essa é a paisagem desoladora diante dos candidatos a reitor. “Meu partido é a UFRJ. Sou contra a terceirização dos hospitais. Quero ver a instituição de volta ao seu rumo, garantir que os alunos estudem com segurança, acesso a rede wi-fi e biblioteca 24 horas”, defende Denise Pires. Roberto Leher, seu adversário, planeja recorrer aos cofres públicos. “O governo impediu os concursos, impôs a terceirização e nos encarregou de pagar salários que eram responsabilidade do Tesouro Nacional. É necessário mudar o tom. O reitor não é o braço-direito do ministro da Educação”, diz. Véspera de eleição é mesmo tempo de discurso, mas saber ouvir parece mais importante no momento: a maior universidade federal do país está pedindo socorro. 

 

Fonte: VEJA RIO