cidade

É pura ficção

Testamos dez placares eletrônicos de trânsito, daqueles que informam o tempo de viagem. Apenas um deles funcionou corretamente

Por: Renan França - Atualizado em

Fernando Quevedo/Ag. O Globo
(Foto: Redação Veja rio)

Basta tirar o carro da garagem para comprovar: os engarrafamentos no Rio estão cada vez mais longos. De segunda a sexta, entre 7 e 10 horas, a Rua Jardim Botânico tem velocidade média de 17 quilômetros por hora, e a Avenida Borges de Medeiros dificilmente atinge a marca de 18. No embalo do acelera, para, acelera, o carioca já se habituou a olhar para cima em busca de informações sobre os congestionamentos. Existem hoje vinte painéis eletrônicos espalhados em pontos de grande fluxo de veículos, como o Aterro do Flamengo, a Praça Sibélius, na Gávea, e a Rua Humaitá. Até a Olimpíada de 2016, a previsão é que esse número suba para 100. Por enquanto, apenas doze deles estão habilitados para fazer a contagem do tempo que o motorista levará para chegar a determinadas localidades. Durante três dias, VEJA RIO percorreu mais de 300 quilômetros, o equivalente a uma viagem de ida e volta até Cabo Frio, na região dos Lagos, para testar se os dados anunciados pelos radares eram, de fato, aqueles que os motoristas iriam encontrar pela frente.

Na verdade, eles dão apenas uma ideia aproximada da espera. De dez trajetos testados, somente um foi percorrido no tempo anunciado. Outros dois foram mais rápidos que o previsto, e nos sete percursos restantes o carro da reportagem chegou bem depois, gastando até dezoito minutos a mais do que o prometido. Embora tenha 90% de erro, a medição é feita através da tecnologia OCR, sigla em inglês para Optical Character Recognition, sistema que converte imagens digitalizadas em arquivos de texto, assim como faz um scanner. Ao passar pelo ponto inicial, o aparelho equipado com lentes de alta resolução capta as letras e números das placas de um determinado grupo de veículos, juntamente com o horário da passagem. Quando, no mínimo, 80% desse grupo cruza o destino final, realiza-se o cálculo para obter o tempo de viagem. Na teoria, a medição é refeita em, no máximo, cinco minutos e as informações aferidas são atualizadas.

[---FI---]

Muito utilizada no exterior na aplicação de multas, especialmente em cidades como Nova York, Los Angeles e Tel-Aviv, a tecnologia OCR começou a ser usada no Rio em 2007, para penalizar automóveis flagrados na faixa seletiva da Avenida Brasil. Só dois anos depois o programa capaz de calcular as distâncias em minutos foi posto em funcionamento nas vias mais congestionadas. Cada um dos 33 pontos de medição custa 18?000 reais por mês, mas é suscetível ao erro. Segundo a Companhia Estadual de Trânsito (CET-Rio), responsável pela manutenção dos equipamentos, há duas ocasiões em que são produzidos dados incompatíveis. A primeira é quando a rede de transferência de dados cai e o computador interrompe a medição. Não raro os radares passam então a indicar o ritmo do trânsito (bom, lento ou intenso). A outra é quando ocorre algum evento inesperado na pista, como um atropelamento ou colisão, não captado pela última aferição. O fato é que, nas sete ocasiões em que o tempo ultrapassou o previsto, não havia nenhuma barreira no trajeto testado. Pelo visto, alguns motoristas estimam o tempo de viagem com mais precisão do que esses aparelhos.

Fonte: VEJA RIO