CONSUMO

Exija seus direitos

No Dia do Consumidor, confira endereços online que ajudam a exigir seus direitos quando algo sai errado

- Atualizado em

consumidor.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A relação entre consumidores e empresas nem sempre é fácil. Quem já teve problemas com produtos ou serviços prestados por empresas sabe o quanto pode ser difícil realizar uma troca, ou obter o dinheiro de volta. Nesta quinta (15), quando é comemorado o Dia do Consumidor, listamos cinco sites que recebem reclamação e ajudam o comprador na árdua tárefa de ter seus direitos garantidos.

Procon-Rio. Mais importante canal de informação e reclamação para consumidores do país, o Procon tem em seu endereço virtual serviços para ajudar em recalls, trocas promovidas por fabricantes após produtos apresentarem defeito. Outra seção do site explica como proceder caso o consumidor enfrente problemas com serviços de atendimento ao cliente via telefone, os Sacs.

Idec. Fundado em 1987, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor tem boletins informativos semanais sobre os direitos do consumidor, além de contar com cadastro para quem sofreu os chamados "acidentes de consumo", danos físicos provocados pelo mau funcionamento de produtos. Também é possível mover ações na justiça com ajuda do Idec.

Resolvaweb. Com 419 empresas cadastradas, divididas em 30 categorias, como Financeiro e Companhias Aéreas, o endereço online faz uma ponte entre consumidor e as marcas via Twitter. Depois de se cadastrar, o internauta pode mandar sua reclamação, sugestão e pedido para o perfil das empresas no microblog.

Anatel. Empresas de telefonia sempre aparecem no ranking de reclamações do Procon. Para evitar os abusos desse setor, a melhor forma é procurar a Agência Nacional de Telecomunicações, a Anatel. É possível enviar a reclamação para o site da agência, que cuida ainda de TV por Assinatura e provedores de internet.

ReclameAqui. Além de conferir quais marcas andam falhando com o consumidor, o Reclame Aqui também possui uma lista de melhores empresas no trato com o compradores.

Fonte: VEJA RIO