Cidade

Sem licitação, governo contrata família Grael para limpar a Guanabara

Secretaria de Ambiente alega caráter emergencial para tomar a medida 

Por: Redação Veja Rio - Atualizado em

Ecobarreira na Baía de Guanabara: solução paliativa
Ecobarreira na Baía de Guanabara: solução paliativa (Foto: Fábio Teixeira)

O governo do estado do Rio contratou o Instituto Rumo Náutico, que pertence a família de velejadores Grael, para ajudar a limpar a Baía de Guanabara. Sem fazer qualquer tipo de concorrência pública, o convênio prevê repasses da ordem de 20 milhões de reais para que a ONG preste auxílio na retirada de lixo flutuante. 

A medida, considerada de caráter emergencial, acontece 30 dias após a Secretaria de Ambiente suspender os dois programas dedicados a coleta de detritos flutuantes, como mostrou VEJA Rio. Visa combater a enorme quantidade de dejetos que flutuam nas águas da baía, e ameaçam atrapalhar os atletas que partiparão das provas de vela na Olimpíada de 2016. 

+ A um ano da Olímpiada, Rio corre para despoluir a Baía de Guanabara

+ O gosto amargo da baía

+ Faxina urgente na Baía de Guanabara

O projeto prevê que a ONG faça cinco novas barreiras para segurar o lixo que chega à Guanabara através de canais e rios. Além disso, terá de recolocar em circulação dez barcos equipados para recolher os detritos que permaneçam no espelho d'água. A decisão foi anunciada na tarde da última quinta (26), pelo secretário de Ambiente, André Corrêa, após uma reunião com atletas e o Comitê Organizador dos Jogos. 

 

Fonte: VEJA RIO