CIDADE

Empresas aéreas estreiam voos para o Rio

Com economia aquecida e sede de grandes eventos, cidade terá rotas para Amsterdã, Dubai e Chicago, entre outros

Por: Ernesto Neves - Atualizado em

aviao.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O Rio está na moda e sua economia, embalada por projetos para a Copa e as Olimpíadas e a exploração do petróleo. Somente no verão de 2010 para 2011 passaram por aqui 2,6 milhões de turistas, sendo que 30% eram estrangeiros, segundo dados da Embratur. De olho nisso, empresas aéreas estreiam novas rotas internacionais na cidade e reativam rotas antigas, canceladas durante o período de ostracismo vivido nas últimas duas décadas.

Na última terça (1°), a holandesa KLM voltou a oferecer voo direto para Amsterdã, 12 anos após cancelar essa rota. A partir de agora, serão oferecidos, semanalmente, três voos diretos, com saídas da Holanda às terças, quintas e sábados às 10h40, chegando ao Rio no mesmo dia, às 19h30. O voo de retorno parte do Rio de Janeiro às terças, quintas e sábados às 21h40, chegando a Amsterdã no dia seguinte, às 11h55. No mesmo dia, a Alitalia voltou ao Galeão. A empresa europeia tem agora três voos semanais entre o Rio e Roma.

No dia 30 de outubro, foi a vez de a Lufthansa incrementar suas rotas com o lançamento do trecho Rio-Frankfurt, que havia sido interrompido em 2005. Serão cinco saídas semanais para a cidade alemã, importante centro econômico europeu.

E teremos mais opções em breve. A partir do dia 15 de dezembro, a Copa Airlines lança o trecho Rio-Chicago. Com conexão no Panamá, os aviões saem do Galeão às 6h17m e chegam à cidade norte-americana às 23h. O voo de retorno será às 8h e pousa aqui às 1h30 do dia seguinte. As passagens vão ser vendidas por preços a partir de US$ 1.449, cerca de R$ 2 600.

Em janeiro, a Emirates inaugura o voo entre Dubai, nos Emirados Árabes, e o Rio. Os bilhetes vão custar cerca de US$ 1.800 e devem ser transportados para o país do Oriente Médio cerca de 10,6 mil passageiros por mês. A empresa aérea já realiza a rota entre São Paulo e o emirado.

Fonte: VEJA RIO