EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias Cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

PEÇAS DO DESTINO

Um dos grupos teatrais mais antigos da cidade, a Companhia Atores de Laura volta a montar, iniciando as temporadas daqui a duas semanas, alguns de seus mais célebres espetáculos, agora divididos entre o Teatro Miguel Falabella, no Cachambi, e o Poeira, em Botafogo. Tal longevidade ? foi fundada em 1992, por Daniel Herz ? fez da trupe um celeiro de talentos. Por outro lado, consta¬ta-se que muita gente vai ficando pelo caminho, optando por outras profissões, que nada têm a ver com palcos e coxias, mas na maioria das vezes vinculadas à área cultural. A pedido de VEJA RIO, o grupo correu atrás de sua mais antiga foto: no caso, uma pose do elenco da peça A Entrevista. E apuramos o que faz, hoje em dia, cada um daqueles iniciantes "atores de Laura". Confira abaixo.

historias-cariocas-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Obra caprichada

historias-cariocas-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Chega às livrarias, pela Casa da Palavra, Na Passarela do Samba, que festeja os trinta anos do Sambódromo. O desfile na contramão da Mangueira em 1984, o astronauta voador da Grande Rio em 2001, o carro do DNA na Tijuca em 2004, está tudo ali. A obra, do historiador André Diniz (não confundir com o compositor da Unidos de Vila Isabel) e do pesquisador de MPB Diogo Cunha, faz uma bela homenagem ao Sambódromo, momento máximo da tripla parceria entre Leonel Brizola (à época, governador do estado), o antropólogo Darcy Ribeiro (seu vice) e o arquiteto Oscar Niemeyer.

historias-cariocas-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Este é o número que vai fazer esquentar a próxima eleição para o conselho do

Iate Clube, na Urca. Candidato da oposição, o advogado Paulo Fabiano Pereira acusa Luiz Carlos Barroso Simão de ter demitido, ao longo de sua administração, quase meio milhar de funcionários, prejudicando o funcionamento da tradicional instituição náutica, e a enchendo de dívidas. O pleito acontece em 12 de março, e o candidato da situação, o empresário Eduardo Ballesteros, rebate: "Esses números são mentirosos". E ironiza: "A chapa dele se chama Novos Rumos, mas seria mais apropriado Novos Rumos, Velhos Vícios".

Arte em curso

historias-cariocas-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O Parque Lage, no Jardim Botânico, não anda lá num bom momento, algo abandonado, mas carrega uma história de gala. Em 1984, por exemplo, abrigou a exposição Como Vai Você, Geração 80?, com obras de 123 artistas, muitos deles novatos. Foi um estrondoso sucesso que ajudou a popularizar as artes plásticas e revelou o nome de cariocas de sangue ou de coração, que eram bons tanto nos pincéis como nas ideias. A trajetória de gente como Beatriz Milhazes, Leonílson, Daniel Senise e Luiz Zerbini será tema de um curso na Casa do Saber, na Lagoa, ministrado pela crítica e mestre em filosofia Luísa Duarte. As aulas acontecerão às quartas-feiras ? mas só depois de passado o Carnaval, claro.

TRANSFORMER DA FOLIA

historias-cariocas-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Esta geringonça verde, que um dia serviu de latão de lixo, tem sido vista atrás de vários blocos da Zona Sul. Chamada de Danadossauro, é uma mistura de geladeira (ali cabem 120 latas de cerveja) e sistema de som. E faz a festa de dez, quinze amigos, liderados pelo produtor de eventos Guga Carvalho, morador do Leblon. Que não se pense que o projeto surgiu de uma hora para outra. Trata-se de uma ideia que evolui com o tempo. No início, há quatro anos, era um modesto isopor. Já teve como nome Teteia e Tigrão. E agora deu nisso aí. Detalhe: o que toca é funk.

Fonte: VEJA RIO