DIVERSÃO

A programação gratuita do fim de semana

Selecionamos 50 atrações gratuitas para você aproveitar o sábado (30) e domingo (1°) sem gastar nem um tostão

- Atualizado em

Thiago Maia/Riotur
(Foto: Redação Veja rio)

Teatro

HAVANA CAFÉ, de João Batista e Luiz Fernando Lobo. Inspirado na tradição dos cabarés alemães dos anos 20, o musical é embalado por versões de Cláudio Botelho, Aldir Blanc e Luiz Fernando Lobo para standards americanos e composições de Kurt Weill, além de mambos, rumbas e boleros. Baseada no modelo para o teatro de Bertolt Brecht, a encenação conta com Ana Luisa Leite, Cláudio Basttos, Gilberto Miranda, Joana Marinho, Luiz Fernando Lobo, Melissa Arievo, Sanny Alves e Tuca Moraes, acompanhados por três músicos tocando piano, saxofone e contrabaixo. A produção tem figurinos assinados por Claudio Tovar e cenografia de Cláudio Moura. Direção cênica de Luiz Fernando Lobo e direção musical de Felipe Radicetti (90min). 16 anos. Estreou em 2004. Armazém Utopia (120 lugares). Avenida Rodrigues Alves, s/nº (Armazém 6 ? Cais do Porto), ☎ 2253-8726. Quarta a domingo, 19h. Grátis. Bilheteria: a partir das 18h (qua. a dom.). Distribuição de senhas uma hora antes. Até sexta (29).

✪✪✪ NA ROTINA DOS BARES, de Marcos França. Interpretado por Antonio Pedro Borges, Édio Nunes, Sheila Matos, Letícia Medella e pelo próprio França, o musical pretende contar a história do Rio, voltando no tempo, de 1976 a 1930, da perspectiva das mesas de tradicionais botequins cariocas. Entre as 25 canções do repertório estão clássicos como Conversa de Botequim (Noel Rosa e Vadico), Memórias do Café Nice (Artúlio Reis e Monalisa) e Camisa Listrada (Assis Valente). O ponto de partida para a narrativa é o fechamento do primeiro Bar Lamas, em 1976, para a construção do metrô. São relembrados também episódios passados em lugares históricos, a exemplo do Cassino da Urca, da Casa Vilarino, do Cabaré Apolo, do Bar Veloso e do Beco das Garrafas, com personagens como o compositor e desenhista Nássara, as cantoras Carmen Miranda e Aracy de Almeida e Tom Jobim. Direção de Ana Paula Abreu (120min). 12 anos. Estreou em 3/9/2011. Espaço Cultural Eletrobras Furnas ? Auditório (192 lugares). Rua Real Grandeza, 219, Botafogo, ☎ 2528-5166. Sábado, 20h; domingo, 19h. Grátis (retirada de senhas uma hora antes). Para o acesso é necessário portar documento de identidade com foto. Até domingo (1º).

Exposições

Estreias

AFONSO TOSTES. Em Elementos, o artista exibe quinze esculturas feitas de madeira descartada. Pela primeira vez ele as expõe na parede. Completam o acervo xilogravuras da série Reino (2011), sobre papel chinês. R$ 10?000,00 a R$ 20?000,00. Luciana Caravello Arte Contemporânea. Rua Barão de Jaguaribe, 387, Ipanema, ☎ 2523-4696. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 14h. Grátis. Até 21 de julho. A partir de sexta (29). www.lucianacaravello.com.br.

ALVARO SEIXAS. Dez pinturas em dimensões variadas compõem o acervo exibido em Keep Dripping. Apesar do nome da exposição, as obras não remetem apenas à técnica do gotejamento de tinta (dripping) celebrizada por nomes como Jackson Pollock, mas também a estilos como suprematismo e construtivismo. R$ 1?000,00 a R$ 12?000,00. Mercedes Viegas Arte Contemporânea. Rua João Borges, 86, Gávea, ☎ 2294-4305. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até 28 de julho. A partir de sexta (29). www.mercedesviegas.com.br.

FRANKLIN CASSARO. O papel-alumínio como material de fabricação é o elemento comum às esculturas que o carioca exibe na mostra Espacial. Produzido entre 2011 e 2012, o acervo inclui infláveis, pelos quais o artista é mais conhecido (os três apresentados aqui são inéditos), e Recicloides, que parecem uma mistura de bichos e robôs. A curadoria é de Fernando Cocchiarale. Galeria Laura Alvim. Avenida Vieira Souto, 176, Ipanema, ☎ 2332-2017. Terça a domingo, 13h às 21h. Grátis. Até 5 de agosto. A partir de quinta (28).

IVANI PEDROSA. Quinze trabalhos, entre instalações, objetos, desenhos e esculturas, fazem parte de (In) Visibilidade, organizada com curadoria de Marisa Flórido. As obras permitem a interação do público ? em Dona do Tempo (2011), as seis fotos do pôr do sol em Ipanema, dentro de uma caixa de acrílico, podem ser movidas pelo visitante. R$ 320,00 a R$ 24?300,00. Galeria de Arte Maria de Lourdes Mendes de Almeida. Rua Joana Angélica, 63, Ipanema (Universidade Candido Mendes), 2523-4141, ramal 206. Segunda a sexta, 14h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até 27 de julho. A partir de quarta (27).

PATRICIA CARMO. A partir de um símbolo nacional, o pau-brasil, a artista propõe uma reflexão sobre a memória, a identidade e o caráter do país em Branco Sujo, sua primeira exposição em uma galeria comercial brasileira. O acervo é composto por um molde em gesso de uma árvore desse tipo, plantada no Jardim Botânico carioca, caixas de madeira com pequenas esculturas, peças de cerâmica, desenhos e fotografias. R$ 5?000,00 a R$ 12?000,00. Mercedes Viegas Arte Contemporânea. Rua João Borges, 86, Gávea, ☎ 2294-4305. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até 28 de julho. A partir de sexta (29). www.mercedesviegas.com.br.

SILVANA MELLO. Gaúcha radicada em São Paulo, a artista faz sua primeira individual no Rio. Batizada como Meus Raros Amigos, a mostra ocupa duas salas: na galeria estão quinze obras que usam principalmente o bordado como técnica, mas também incluem pinturas, instalações e um painel de azulejos. No anexo são exibidos trabalhos de três amigos de Silvana, os artistas Carlinhos Dias, Carla Barth e Camila Macedo. R$ 1?000,00 a R$ 10?000,00. Galeria Laura Marsiaj. Rua Teixeira de Melo, 31-C, Ipanema, ☎ 2513-2074. Terça a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 16h. Grátis. Até 28 de julho. A partir de quarta (27). www.lauramarsiaj.com.br.

Última semana

✪✪✪ CAO GUIMARÃES. Conhecido por cruzar cinema e artes plásticas em seu trabalho, o artista expõe fotografias e vídeos em Estética da Gambiarra. Quinze imagens pertencem à curiosa série Gambiarra, com flagrantes de situações improvisadas ? a exemplo da churrasqueira composta de cadeira e carrinho de mão. Outras quatro fotografias mostram paisagens enevoadas. Há ainda três vídeos curtos, um deles com música do próprio Cao Guimarães, ao piano. Curadoria de Felipe Scovino. Escola de Artes Visuais do Parque Lage ? Cavalariças. Rua Jardim Botânico, 414, Jardim Botânico, ☎ 3257-1800. Segunda a quinta, 12h às 20h; sexta a domingo e feriados, 10h às 17h. Grátis. Até domingo (1º). www.eavparquelage.rj.gov.br.

CHICO FORTUNATO. O artista carioca exibe onze trabalhos de acrílica sobre madeira. São obras abstratas e, em sua maioria, de cores vívidas, que evocam a arte construtivista. R$ 7?000,00 a R$ 30?000,00. Gustavo Rebello Arte. Avenida Atlântica, 1702, loja 8, Copacabana, ☎ 2548-6163. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 14h às 18h. Grátis. Até sábado (30). www.gustavorebelloarte.com.br.

ELIZABETH JOBIM. Dez obras realizadas em 2012 compõem a mostra Mineral, da artista carioca. Sobrepondo óleos em diferentes profundidades, ela cria trabalhos que parecem, ao mesmo tempo, telas e objetos geométricos. R$ 20?000,00 a R$ 65?000,00. Lurixs Arte Contemporânea. Rua Paulo Barreto, 77, Botafogo, ☎ 2541-4935. Segunda a sexta, 14h às 19h. Grátis. Até sexta (29). www.lurixs.com.

✪✪✪ FERNANDA QUINDERÉ. Em sua terceira individual, a artista apresenta sete criações de arte digital, feitas com computador. Nas telas em grandes dimensões, imagens se sobrepõem em pequenos quadrados coloridos que parecem pixels de um monitor, causando um curioso efeito de ilusão de ótica. R$ 7?000,00 a R$ 10?000,00. Anita Schwartz Galeria de Arte. Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea, ☎ 2274-3873. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até sábado (30). www.anitaschwartz.com.br.

GEORGE ISO. Após quatro anos sem expor em sua cidade natal, o carioca apresenta Travessias, em que celebra duas décadas de carreira. A seleção de obras abrange os últimos três anos de trabalho do artista, com dez pinturas. R$ 3?000,00 a R$ 12?000,00. Galeria Patricia Costa. Avenida Atlântica, 4240, loja 226 (Shopping Cassino Atlântico), Copacabana, ☎ 2227-6929. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até sábado (30). www.galeriapatriciacosta.com.br.

✪✪✪✪ MIGUEL RIO BRANCO. Leia em Veja Rio Recomenda. A partir de R$ 16?000,00. Galeria Silvia Cintra + Box 4. Rua das Acácias, 104, Gávea, ☎ 2521-0426. → Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até sábado (30). www.silviacintra.com.br.

✪✪✪ MILTON DACOSTA. Um visitante desavisado pode achar que a mostra dedicada ao artista niteroiense é uma coletiva. Nesse paradoxo reside o interesse despertado pelo acervo reunido. Um dos fundadores do Núcleo Bernardelli, grupo de pintores modernistas criado em 1931, Dacosta (1915-1988) passeou com talento por vários estilos, como revelam as 45 obras exibidas. De paisagens urbanas e autorretratos impressionistas, nos anos 30, ele passou a apresentar influências de Cézanne e Modigliani ? a ascendência do mestre italiano é notada nas figuras alongadas de óleos como Piscina (1942). Nos anos seguintes, incorporou características concretistas e construtivistas para, em meados dos anos 60, voltar à arte figurativa, representada em obras de beleza singela, a exemplo de Menina e Bicicleta (1965). Caixa Cultural ? Galeria 2. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-4080, ? Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até domingo (1º). www.caixacultural.com.br.

✪✪✪ OCEANOS. Trinta e cinco fotos inéditas, captadas pela equipe de realização do documentário francês Océans (2009), de Jacques Perrin e Jacques Cluzaud, integram a mostra. Nos registros, baleias da espécie jubarte e elefantes-marinhos, entre outros animais, convivem com bichos exóticos, como um peixe shrek, que tem o crânio inchado, e uma espécie de ancestral da iguana. As imagens foram feitas com três câmeras especialmente desenvolvidas pela equipe. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até domingo (1º). www.correios.com.br.

OTTO WEISSER. Manipuladas digitalmente, figuras de mulheres ganham cores fortes e contrastantes no trabalho que o fotógrafo suíço exibe em Amazonças. As 35 imagens evocam a Floresta Amazônica e animais selvagens. R$ 4?200,00 a R$ 9?500,00. Galeria M. Leite Barbosa Arte Latina. Rua do Mercado, 35, Centro, ☎ 2221-3366. Segunda a sexta, 11h30 às 18h30; sábado, 11h às 15h. Grátis. Até sábado (30). www.mleitebarbosa.com.

SÉCULOS INDÍGENAS NO BRASIL. O público passeia por dentro de uma estrutura cenográfica de mais de 450 metros quadrados, feita de palhas, troncos, junco e argila. Ali, os visitantes recebem informações sobre os povos indígenas, com exibição de imagens rupestres, mapas e gravuras. É possível manusear objetos de artesanato indígena de várias etnias. Imagens do fotógrafo Piotr Jaxa também são exibidas, bem como trechos de documentários. Caixa Cultural ? Galeria 3 e foyer do térreo. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-4080, ? Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até sábado (30). www.caixacultural.com.br.

✪✪✪ WAGNER MORALES. Em Dual Overdrive, o artista paulistano busca evocar o clima das rodovias em três obras que se interligam. A primeira é uma instalação formada por dois grandes outdoors iluminados, de 9 metros por 6 metros. No mesmo ambiente, há também duas séries de fotografias: uma com flagrantes de lugares e objetos nas margens de estradas, e outra, chamada Estudo de Balística, que exibe cuspes no chão ? isso mesmo ?, exposta no piso. Como parte da ambientação, é possível ouvir, por uma caixa acústica, o zumbido do motor do ar-condicionado da galeria, distorcido por meio de um sintetizador. Em outra sala há uma terceira série, Joker, de temática diferente da dos trabalhos anteriores, com interferências sobre cartazes das últimas eleições presidenciais na França. A partir de R$ 1?500,00. Anita Schwartz Galeria de Arte. Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea, ☎ 2274-3873. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até sábado (30). www.anitaschwartz.com.br.

Em cartaz

A. O símbolo matemático que significa "para qualquer que seja" batiza a exposição com obras de Abra, Braga Tepi, Denise Araripe, Gaia, Jose Tannuri, Nelson Felix e Tunga. Galeria H. Rocha. Avenida Atlântica, 4240 (Shopping Cassino Atlântico), loja 333, Copacabana, ☎ 2227-1179. Terça a sábado, 10h às 19h. Grátis. Até 23 de julho.

✪✪✪ AMAZÔNIA, CICLOS DE MODERNIDADE. Criação de artesãos de Parintins, uma grande árvore com animais da floresta, além de pés de açaí e guaraná, dá as boas-vindas aos visitantes na rotunda. A instalação é uma das atrações da alentada mostra, que tem curadoria de Paulo Herkenhoff e reúne cerca de 300 peças, entre obras de arte e objetos variados. Técnicas e suportes usados são os mais diversos: há fotografias, pinturas, aquarelas, desenhos, esculturas e vídeos. Entre os 76 artistas reunidos há nomes de nacionalidades e épocas distintas. Do italiano Joseph Léon Righini (c.1820-1884) foram escolhidos os óleos Vistas do Brasil, Residência às Margens do Rio Anil, de 1862, e Belém do Pará, de 1868. O polonês Frans Krajcberg mostra uma escultura sem título. Apaixonado pela cultura brasileira, o francês Pierre Verger (1902-1996) é o autor de uma série de fotografias de Belém. Representantes da arte contemporânea nacional, como Adriana Varejão e Cildo Meireles, também estão presentes. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 22 de julho.

✪✪✪ ANA VITÓRIA MUSSI. Na exposição Bang, que tem curadoria da Marisa Flórido, Ana Vitória projeta simultaneamente, nas paredes do espaço, imagens de filmes de guerra intercaladas com registros da violência urbana nas favelas cariocas. Entre os longas cujos frames são exibidos estão Pearl Harbor (2001), de Michael Bay, e Olympia (1938), de Leni Riefenstahl. Os flagrantes foram obtidos por fotografias de imagens exibidas na televisão. Entrecortadas, elas vão se sucedendo e provocam no visitante a sensação de estar em meio a um tiroteio. A exibição é embalada pela música Bang Bang (My Baby Shot Me Down), na voz da americana Nancy Sinatra. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 15 de julho. www.oifuturo.org.br.

ARTE + 20. No espírito da Rio+20, a exposição apresenta trabalhos feitos com materiais descartados. São 22 obras, entre pinturas, instalações e colagens, de seis artistas: Frans Krajcberg, Zemog, Eduardo Sued, Anna Letycia, Manfredo de Souzanetto e Julio Villani. R$ 2?000,00 a R$ 60?000,00. Galeria Marcia Barrozo do Amaral. Avenida Atlântica, 4240 (Shopping Cassino Atlântico), subsolo, sala 129, Copacabana, ☎ 2267-3747. Segunda a sábado, 11h às 18h. Grátis. Até 13 de julho. marciabarrozodoamaral.com.br.

✪✪✪✪ BILL LUNDBERG. A respeitada revista francesa Cahiers du Cinéma definiu o artista americano como o "mago do cinema". Geralmente aplicado a grandes diretores, o epíteto realmente serve a Lundberg, pioneiro da técnica conhecida como filme-escultura. A retrospectiva batizada com seu nome reúne onze trabalhos. Em todos, ele se vale da imagem em movimento para criar um efeito instigante. Em Stolen Kisses, de 2008, as mãos de uma mulher, mexendo-se, são projetadas sobre as costas de uma camisa masculina, evocando a ideia de um casal se beijando. Do ano seguinte, Guest atrai olhares com a repetição de uma cena simples: uma porta, aberta de tempo em tempo para receber convidados. Ainda mais curiosa, Charades, de 1977, mostra quatro pessoas fazendo mímica. Filmados em super-8, seus movimentos incidem sobre um copo d?água. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 15 de julho. www.oifuturo.org.br

✪✪✪ CHRISTIAN BOLTANSKI. Tema recorrente na carreira do artista francês, o papel do acaso na existência humana ganha forma nas quatro instalações da individual Chance. Obra mais impressionante, A Roda da Fortuna foi apresentada em 2011 na Bienal de Veneza. Nela, fotos de recém-nascidos deslizam por roldanas, como numa gráfica. Vez por outra, toca uma sirene que interrompe a curiosa linha de montagem ? e um dos bebês, aleatoriamente, aparece em uma tela. Em Ser de Novo, o telão exibe uma face dividida em faixas horizontais que vão se combinando, como num caça-níqueis. O saldo de mortes e nascimentos do dia é informado nos painéis de Últimas Notícias dos Humanos. E a projeção Entre Tempo mostra os efeitos da passagem das décadas no rosto de Boltanski, da infância até seus atuais 67 anos. O impacto dos trabalhos é realçado pela arquitetura da Casa França-Brasil, onde estão montados. Casa França-Brasil. Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, ☎ 2332-5120. → Terça a domingo, 10h às 20h. Grátis. Até 8 de julho. www.fcfb.rj.gov.br.

✪✪✪ DO ART NOUVEAU AO ART DÉCO. Mulher do marchand Isaac Krasilchik, sócio da galeria de arte paulistana A Ponte, Bertha Krasilchik apresenta 238 peças de sua coleção, acumulada desde os anos 50. A maior parte do acervo é composta de joias ? são mais de 100. Além disso, há uma série de objetos, como cigarreiras e estojos de maquiagem, todos confeccionados com materiais preciosos. O que poderia ser uma mostra de interesse apenas de um público específico se revela grata surpresa. Os objetos expostos oferecem uma aula sobre os dois estilos. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 30 de setembro.

✪✪✪ ESPELHO REFLETIDO ? O SURREALISMO E A ARTE CONTEMPORÂNEA BRASILEIRA. No acervo de cerca de 140 obras, entre pinturas, esculturas, objetos, instalações e vídeos, há apenas criações de artistas brasileiros em atividade ? 56 no total. Todos os trabalhos revelam, de alguma forma, influências das ideias deflagradas no manifesto surrealista lançado em 1824 pelo poeta e crítico francês André Breton (1896-1966). Há muitos nomes consagrados na seleção feita pelo curador Marcus de Lontra Costa. Adriana Varejão comparece com a foto em backlight Elegia Mineira, uma cena composta de três cadeiras feitas de carne. Ernesto Neto apresenta a instalação Ploc!, de 2010, na qual se encontram elementos típicos de sua produção: o trabalho parece descer do teto, é feito de crochê e traz uma bola de plástico em seu interior. Tambêm têm vez várias obras permeadas de humor, caso de O Mundo Como uma Laranja, de Ana Linnemann, que apresenta um par de sapatos e um chapéu "descascados" como se fossem a fruta. Nomes em ascensão, como Nino Cais, Flávia Metzler, Gabriela Mureb e Pedro Varela, também marcam presença. Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Rua Luís de Camões, 68, Centro, ☎ 2232-4213. Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 17h. Grátis. Até 29 de julho.

✪✪✪ FERNANDA CHIECO. Na mostra Trono de Pescador, a artista paulistana apresenta dez belos desenhos feitos com lápis de cor sobre hanji, um tipo de papel coreano. Produzidos entre 2011 e 2012, os trabalhos foram todos iniciados durante uma residência artística que Fernanda realizou na cidade de Incheon, na Coreia do Sul, e refletem as contradições que ela percebeu no local. Paço Imperial. Praça XV de Novembro, 48, Centro, ☎ 2215-2093. Terça a domingo, 12h às 18h. Grátis. Até 5 de agosto. www.pacoimperial.com.br.

✪✪✪ JOSÉ PAULO. Em Para Nunca Mais Me Esquecer, o artista pernambucano evoca questões ligadas a memória, rotulação e permanência. São quinze obras, entre objetos, esculturas, acrílicas e desenhos, além de um grande painel de cerâmica. A peça que dá nome à exposição, feita em 2010, reúne 25 enormes esculturas de ferro e madeira que lembram marcadores de gado. A curadoria é de Marcelo Campos. Paço Imperial. Praça XV de Novembro, 48, Centro, ☎ 2215-2093. Terça a domingo, 12h às 18h. Grátis. Até 5 de agosto. www.pacoimperial.com.br.

LEILA DANZIGER. Em Todos os Nomes da Melancolia, a artista carioca apresenta trabalhos inéditos que versam sobre o estado de espírito do título. São duas séries fotográficas, uma instalação de mesa, um vídeo e dois objetos de parede. R$ 2?000,00 a R$ 10?000,00. CosmoCopa Arte Contemporânea. Rua Siqueira Campos, 143, sala 32, ☎ 2236-4670, ? Siqueira Campos. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 16h. Grátis. Até 16 de julho. www.cosmocopa.com.

MANA BERNARDES. Depois de passar pela Galeria Firma Casa, em São Paulo, especializada em design art, a exposição Desembrulho Poético chega ao Rio. A artista, designer e poeta exibe joias, manuscritos e esculturas. Preços sob consulta. Luciana Caravello Arte Contemporânea. Rua Barão de Jaguaribe, 387, Ipanema, ☎ 2523-4696. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 14h. Grátis. Até 11 de agosto. www.lucianacaravello.com.br.

MARCELO MACEDO. Criada em outubro do ano passado, a galeria Graphos: Brasil se expandiu ? abriu um espaço no Jardim Botânico dedicado à street art. Batizado como Graphos: Brasil S/A, o endereço foi inaugurado com mostra de Marcelo Macedo, composta de esculturas e objetos feitos de materiais descartados. R$ 1?800,00 a R$ 2?500,00. Graphos: Brasil S/A. Rua Pacheco Leão, 758, Jardim Botânico, ☎ 2256-3268 e 3114-8789. Segunda a sexta, 14h às 21h; sábado, 11h às 21h. Grátis. Até 2 de julho.

METARA+20. Walter Carvalho, Evandro Teixeira, José Amarílio Jr., Antonio Villeroy, Flavio Mac, Pedro Jardim de Mattos, Marcos Sêmola, Xico Chaves, Pablo Lehmann, Susi Sielski Cantarino, Norma Zarazua, Rogerio Tunes, Rogerio Camacho e Ana Carolina exibem obras inéditas. Há trabalhos em vários suportes, a exemplo de fotografias e pinturas em técnica mista. A ideia é que todos evoquem a atmosfera da Rio+20. R$ 500,00 a R$ 17?000,00. Galeria de Arte Metara. Rua Teixeira de Melo, 25-A, Ipanema, ☎ 2523-5225. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 2 de julho.

MEU MEIO. Fechado desde 2010, o Museu do Meio Ambiente reabriu com o térreo inteiramente dedicado a atrações fixas. Entre elas, a sala com o programa educativo para crianças e computadores nos quais é possível acessar o banco de dados do Jardim Botânico, onde fica o museu. O 2º andar abriga mostras temporárias, como Meu Meio. Com curadoria de Marcello Dantas, são apresentadas instalações interativas que têm como tema a relação entre o homem e a natureza. Uma delas é a Sala Efeito Borboleta, um experimento com raios laser e projeções na parede que mostra como nossos atos interferem em problemas como a desertificação. Quatro artistas comparecem com vídeos: Carlos Nader, Angelo Venosa e a dupla formada por Leandro Lima e Gisela Motta. Museu do Meio Ambiente. Rua Jardim Botânico, 1008 (Jardim Botânico do Rio de Janeiro), Jardim Botânico, ☎ 3874-1808. Terça a domingo, 10h às 17h. Grátis. Até 12 de agosto.

MEU PADRINHO PADRE CÍCERO. Com curadoria de Emanoel Araújo, diretor do Museu Afro Brasil, em São Paulo, a exposição tem como personagem o líder religioso do Ceará padre Cícero Romão Batista (1844-1934). Seis artistas daquele estado têm gravuras, esculturas e pinturas exibidas. Pertences do próprio homenageado também são expostos. Espaço Memória do Centro Municipal Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas. Campo de São Cristóvão, s/nº (Pavilhão de São Cristóvão), São Cristóvão. Terça a quinta, 10h às 18h; sexta a domingo, 10h às 22h. Grátis. Até 19 de agosto.

✪✪ OPAVIVARÁ!. O coletivo carioca é o mais novo ocupante da Sala A Contemporânea, que o CCBB dedica à arte emergente brasileira. Única obra exposta, Self-Service Pajé é um display com sessenta ervas medicinais e um cardápio-bula que descreve as indicações e contraindicações de cada uma, além de garrafas térmicas, sachês e copos. O público é convidado a escolher as ervas de sua preferência e fazer um chá de verdade, ali mesmo. Redes e esteiras nas quais os visitantes podem descansar se espalham pelo ambiente de luz baixa. A proposta do coletivo, de tirar o espectador de sua posição habitual de observador e colocá-lo como participante do trabalho, revela-se uma faca de dois gumes: por um lado, aproxima as pessoas da obra, mas pode acabar diluindo sua apreciação estética e conceitual. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. → Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 15 de julho.

✪✪✪ PANOS E TAPAS, JOIAS E ADORNOS D?ÁFRICA. Peças vindas do Museu Afro Brasil, em São Paulo, compõem o acervo exibido. Emanoel Araújo, diretor daquela instituição, é o curador da mostra, que reúne aproximadamente 250 objetos, entre tecidos, objetos e enfeites, feitos por povos da África. Há colares feitos de diversos materiais, de miçangas e ossos, além de tornozeleiras, brincos, anéis, caixas, baús, máscaras e bastões. A variedade do acervo, aliada à sinalização explicativa sobre as tribos que utilizam os tais adornos, torna a visita um programa interessante. Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Rua Luís de Camões, 68, Centro, ☎ 2232-4213 e 2242-1012. Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 17h. Grátis. Até 29 de julho.

✪✪ RABIN AJAW ? A FILHA DO REI. O rito de sagração de uma jovem como Filha do Rei (ou Rabin Ajaw), um dos mais importantes da cultura indígena da Guatemala, dá nome à exposição. Com curadoria do artista plástico Luiz Dolino, a mostra propõe uma viagem pela cultura das populações de origem maia daquele país. O acervo reunido, composto basicamente de peças de vestuário e tecidos, decepciona um tanto quem chega em busca de um painel mais amplo. São pouco mais de sessenta itens do gênero, além de uma seleção de fotografias de mulheres guatemaltecas e de objetos utilitários. Em uma videoinstalação é possível entrar em contato com aspectos da vida daquele povo, como seus rituais e sua culinária. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 22 de julho.

RAFAEL CARNEIRO. Paisagens impressas em antigas enciclopédias, com aspecto entre a fotografia e a ilustração, inspiram as sete pinturas em grandes formatos que o artista exibe em Limbo. R$ 3?000,00 a R$ 40?000,00. Galeria Artur Fidalgo. Rua Siqueira Campos, 143, 2º piso, Copacabana, ☎ 2549-6278, ? Siqueira Campos. Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 11h às 18h. Grátis. Até 14 de julho. www.arturfidalgo.com.br.

REGINA SILVEIRA. 1001 Dias é o nome da exposição e também de uma videoinstalação da artista, que exibe uma sucessão contínua de dias e noites, em uma imagem que ora se contrai, ora se expande, como no obturador de uma câmera fotográfica. Completam o acervo uma série de gravuras e um múltiplo. R$ 6?000,00 a R$ 40?000,00. Largo das Artes. Rua Luís de Camões, 2, Largo de São Francisco, Centro, ☎ 2224-2985, ? Uruguaiana. Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, 12h às 17h. Grátis. Até 21 de julho. www.largodasartes.com.br.

✪✪✪ REGINA VATER. Conhecida pelos trabalhos que fundem arte e tecnologia, a artista carioca é mulher do americano Bill Lundberg, autor de uma mostra no mesmo endereço. Em Quatro Ecologias, apresenta obras em web arte, videoarte, fotografia e escultura. Em uma delas, a web instalação Desejo, uma câmera filma uma maçã que vai apodrecendo até o fim da temporada. As imagens são transmitidas para um blog, ao qual os visitantes podem enviar poemas que, por sua vez, são exibidos em uma tela na mostra. Merece especial atenção a poética videoinstalação Conselhos para uma Lagarta (1976), composta de duas projeções de filmes em telas contrapostas ? em uma, Regina aparece em vários autorretratos; na outra, há frases extraídas do livro Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 15 de julho. www.oifuturo.org.br.

✪✪✪ RENÉ MACHADO. Em sua primeira individual, Captura, o artista investe no tema do meio ambiente em obras permeadas de humor. Nas catorze telas apresentadas, personagens de quadrinhos e desenhos animados são vistos em situações de perigo ou violência ? o tigre Haroldo, criado pelo cartunista Bill Waterson, por exemplo, aparece sendo alvejado. Há ainda uma sala com uma instalação cheia de animais de borracha e pelúcia enjaulados, presos em armadilhas ou estraçalhados. Um vídeo interativo completa o acervo. Curadoria de Marco Antonio Teobaldo. Centro Cultural Justiça Federal. Avenida Rio Branco, 241, Centro, ☎ 3261-2550, ? Cinelândia. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 22 de julho.

RIO CIDADE-PAISAGEM. O acervo iconográfico da Biblioteca Nacional serve de fonte para esta exposição sobre o Rio de Janeiro. Dividida em módulos que contemplam diversos pontos da cidade, como a Baía de Guanabara, a Floresta da Tijuca e Copacabana, a mostra reúne 120 itens, entre mapas, gravuras, desenhos, manuscritos, revistas, jornais e partituras. Biblioteca Nacional ? Espaço Cultural Eliseu Visconti. Rua México, s/nº, Centro, ☎ 3095-3879, ? Cinelândia. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até 5 de agosto.

RODRIGO TORRES. Questões ligadas à memória coletiva permeiam a exposição Sensor, na qual o artista apresenta nove pinturas sobre suportes variados, como tela, fotografia e papel, e uma instalação. Nesta última, batizada com o nome da mostra, Torres se vale de uma foto fragmentada. R$ 2?000,00 a R$ 20?000,00. A Gentil Carioca. Rua Gonçalves Ledo, 17, Centro, ☎ 2222-1651. Terça a sexta, 12h às 19h; sábado, 12h às 17h. Grátis. Até 14 de julho. www.agentilcarioca.com.br.

✪✪✪ TEIMOSIA DA IMAGINAÇÃO. Dez artistas populares de diversas partes do Brasil integram a mostra. São eles o alagoano Antonio de Dedé, os baianos Nilson Pimenta e Aurelino, o cearense Francisco Graciano, os mineiros Getúlio Damado, Izabel Mendes e Jadir João Egídio, os pernambucanos José Bezerra e Manoel Galdino e o sergipano Véio. Boa parte dos 77 trabalhos é de esculturas de madeira, mas a variedade de estilos não deixa a exposição cair na monotonia. Além disso, há pinturas, cerâmicas e obras em técnica mista. Curadoria de Germana Monte-Mór. Paço Imperial. Praça XV de Novembro, 48, Centro, ☎ 2215-2093. Terça a domingo, 12h às 18h. Grátis. Até 5 de agosto. www.pacoimperial.com.br.

WALTERCIO CALDAS. Criado em 1974, A Origem do Futuro, o primeiro múltiplo do artista, é composto de uma embalagem de papel com um disco de vinil sobre o qual repousam duas miniaturas de canhões. Esta e outras 29 peças, todas desenvolvidas para reprodução em série, compõem o acervo de Múltiplos. São catorze objetos e dezesseis gravuras, dos quais oito são trabalhos inéditos. Embora não seja exatamente uma retrospectiva, a mostra abrange várias épocas. R$ 1?200,00 a R$ 40?000,00. Mul.ti.plo Espaço Arte. Rua Dias Ferreira, 417, sala 206, Leblon, ☎ 2259-1952. Segunda a sexta, 10h às 18h30; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 21 de julho. www.multiploespacoarte.com.br.

FOTOGRAFIA

BINA FONYAT. Registros de 1972 a 1978 tirados do acervo de Fonyat (1945-1985) estão reunidos em Outros Carnavais. São cinquenta fotografias da folia carioca escolhidas pela curadora Helena Uchôa Cavalcanti. Espaço Cultural Eletrobras Furnas. Rua Real Grandeza, 219, Botafogo, ☎ 2528-3112. Terça a sexta, 14h às 18h; sábado, domingo e feriados, 14h às 19h. Grátis. Até 8 de julho.

✪✪✪ COLEÇÃO ITAÚ DE FOTOGRAFIA BRASILEIRA. Montada no início do ano na Maison Européenne de la Photographie, em Paris, a mostra apresenta 115 trabalhos de 56 artistas. No alentado painel, que abrange dos anos 40 aos dias de hoje, a opção do curador Eder Chiodetto foi pelas imagens de caráter mais experimental. Em Homenagem a Mondrian (1960), do paulistano German Lorca, uma janela evoca as linhas da obra do pintor holandês. Há ainda uma sequência de belíssimas imagens de Claudia Andujar, da série Sonhos Yanomami, que remete aos rituais dos xamãs por meio da sobreposição de fotografias de índios a registros de elementos da natureza. Nomes como Geraldo de Barros, José Oiticica Filho, Thomaz Farkas, José Yalenti, Rosângela Rennó, Miguel Rio Branco, Vik Muniz e Rodrigo Braga integram a seleção. Paço Imperial. Praça XV de Novembro, 48, Centro, ☎ 2215-2093. Terça a domingo, 12h às 18h. Grátis. Até 5 de agosto. www.pacoimperial.com.br.

[ECO]: O MEIO AMBIENTE VISTO POR COLETIVOS FOTOGRÁFICOS. Entre os grupos participantes da mostra, a brasileira Cia de Foto exibe Chuva, série que retrata o impacto de 42 dias de temporal em São Paulo. Também foram convocados representantes de Espanha, Costa Rica, México, Venezuela, Peru e Argentina. Curadoria do espanhol Claudi Carreiras. Instituto Cervantes ? Sala de Exposições. Rua Visconde de Ouro Preto, 62, Botafogo, ☎ 3554-5910, ? Botafogo. → Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 21 de julho. www.riodejaneiro.cervantes.es.

✪✪✪ SÉRGIO GUERRA. Antigo grupo étnico seminômade da África, os hereros são o objeto dos registros do fotógrafo e publicitário na exposição Hereros ? Angola, com 119 fotografias. O tom artístico da exposição, garantido pela beleza das imagens, convive com uma abordagem antropológica: além das fotos, há uma série de objetos de uso cotidiano, a exemplo de vestimentas, adereços, vasos, cachimbos e armas. Não deixe de ler os depoimentos dos hereros sobre sua cultura, que se espalham pela mostra em frases escritas embaixo de algumas das imagens. Museu Histórico Nacional. Praça Marechal Âncora, s/nº, Centro, ☎ 2550-9220. → Terça, 10h às 17h30; sábado, domingo e feriados, 14h às 18h. R$ 8,00. Grátis aos domingos e para menores de 5 anos e maiores de 65. A bilheteria fecha meia hora antes. Até 8 de julho. www.museuhistoriconacional.com.br.

Fonte: VEJA RIO