DIVERSÃO

É de graça

Confira 23 atrações gratuitas para aproveitar o fim de semana sem gastar dinheiro

- Atualizado em

SHOWS

JOÃO BOSCO. Em 2012 o cantor, compositor e violonista mineiro completou quatro décadas de carreira, celebradas com o lançamento do DVD João Bosco ? 40 Anos Depois, um caprichado apanhado de suas composições. Ainda em ritmo de comemoração, ele se apresenta de graça, como atração da série Sesi Jazz in Festival. No repertório estão garantidas De Frente pro Crime, Papel Machê e O Corsário. Livre. Praça do Largo do Machado. Informações: ☎?2511-5947. Sábado (2), 18h. Grátis.

joao-bosco.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

CONCERTOS

LUCIE SILKENOVÁ. Jovem soprano da República Tcheca, a cantora se apresenta ao lado da pianista Sonia Maria Vieira. No programa, obras de conhecidos compositores de seu país, a exemplo de Janacek, Dvorak e Smetana. A apresentação faz parte do projeto Música no Museu. Museu de Arte Moderna (180 lugares). Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, ☎ 2240-4944. Domingo (3), 11h30. Grátis. Senhas distribuídas meia hora antes.

MARIA CÉLIA MACHADO. Atração do projeto Música no Museu, a harpista, ex-integrante da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio, interpreta programa variado que contempla, entre outros, Villa-Lobos, Tom Jobim e Claude Debussy. Centro Cultural Light (182 lugares). Rua Marechal Floriano, 168, Centro, ☎?2211-4515. Sexta (1º), 12h30. Grátis. Senhas distribuídas meia hora antes.

TEATRO

BANDEIRA DE RETALHOS, de Sérgio Ricardo. Dez anos após montar o espetáculo Noites do Vidigal, o Grupo Nós do Morro volta a retratar o lugar onde está sediado neste musical, que estreou em 2012. Um elenco de 21 atores, formados nas oficinas da trupe, encena a peça escrita em 1979 pelo compositor Sérgio Ricardo, também autor das canções apresentadas. Ambientada na década de 70, a trama explora o momento em que o clima ameno que envolvia o morro foi quebrado pela violência e pela tentativa de remoção. Direção de Guti Fraga e Fátima Domingues (105min). 16 anos. Casarão do Nós do Morro (80 lugares). Rua Doutor Olinto de Magalhães, 54, Vidigal, ☎ 3874-9411/9412. → Terça, 21h. Grátis. Até 30 de abril. Reestreia prometida para terça (26).

DANTE?S PURGATORIO, adaptação de Jorge Farjalla a partir da obra de Dante Alighieri (1265-1321). Em 2011, a Cia. Guerreiro levou aos palcos uma transposição de Inferno, o primeiro segmento de A Divina Comédia, obra-prima do autor italiano. A segunda parte, Purgatório, é adaptada nesta comédia dramática que mostra Virgílio, personagem que simboliza a razão, guiando Dante, personificação do homem, em sua trajetória entre o inferno e o paraíso. No elenco estão Anna Machado, Ipojucan Dias, Fernanda de Jesus, João Monteiro, João Muniz, João Paulo Nóbre-

ga, Lis Coelho, Loeni Mazzei, Luana Dickman, Paolo Sampaio, Raphaela Tafuri, V. Murici, Zímara e o diretor Farjalla (90min). 18 anos. Reestreou em 11/1/2013. Centro Cultural Ação da Cidadania (30 lugares). Avenida Barão de Tefé, 75, Saúde, ☎ 2233-7460 e 2253-8177. Quarta a sexta, 20h. Grátis. Até sexta (1º).

ESPECIAL

O CLUSTER. Em sua segunda edição, o evento reúne marcas, gastronomia, música e profissionais de diversos ramos para trocar ideias em um ambiente multidisciplinar em Botafogo. Na ocasião, jovens artistas, como Nicolau Mello e Marcos Ribeiro, farão intervenções. Entre as grifes participantes estão Bia Lacerda, Magenta, Poeme-se e Sacoleria, entre outras. Além disso, o Atelier Branchée monta no local um espaço com workshops de moda. A trilha sonora do encontro fica aos cuidados dos DJs Ícaro dos Santos, Marcello MBGroove e Felipe Guga. O Cluster. Rua das Palmeiras, 35, Botafogo, ☎?9856-9393. Domingo (3), 13 às 21h. Grátis.

EXPOSIÇÕES

UM OLHAR SOBRE O BRASIL. F rancês radicado em Campinas, Antoine Hercule Romuald Florence (1804-1879) ? ou apenas Hércules Florence, como era conhecido por aqui ? conduziu, em 1833, experiências pioneiras com uma câmera escura. A rigor, outros inventores já haviam produzido imagens a partir da exposição à luz, mas atribui-se ao franco-brasileiro a criação da palavra "fotografia", encontrada em anotações que ele fez anos antes de o termo começar a ser difundido na Europa. Em sua homenagem, aquele ano foi escolhido como marco inicial da exposição Um Olhar sobre o Brasil, no CCBB a partir de sexta (1º). Organizada pelo fotógrafo Boris Kossoy, com curadoria adjunta da antropóloga e historiadora Lilia Moritz Schwarcz, a mostra esteve em cartaz até janeiro de 2012 no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, com grande sucesso. No acervo, cerca de 300 imagens percorrem 170 anos de história do Brasil. O numeroso leque de fotógrafos inclui desbravadores como Augusto Malta (1864-1957), passa pela talentosa geração de Thomaz Farkas (1924-2011) e Geraldo de Barros (1923-1998) e chega a profissionais ainda em atividade, gente do porte de Sebastião Salgado e Evandro Teixeira. O próprio curador, Kossoy, comparece com uma bela imagem em preto e branco de Brasília, clicada em 1972. Entre os trabalhos mais antigos, há uma curiosa série dedicada ao período pré-republicano, na qual dom Pedro II e a família imperial surgem em vários retratos. Da mesma época são os registros de Marc Ferrez, documentos importantes sobre temas como a escravidão. Personagens de destaque na história do país, a exemplo de Getúlio Vargas, Heitor Villa-Lobos, o magnata da imprensa Assis Chateaubriand e até integrantes do grupo Dzi Croquettes, se misturam a fatos históricos como a Revolução de 1932, a construção da capital federal e o movimento Diretas Já. Detalhados textos informativos acompanham cada fotografia. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. →?Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 7 de abril. A partir de sexta (1º).

ANTÔNIO BOKEL. Made in India é o nome da individual que o artista concebeu inspirado por uma viagem que fez ao país em 2012. A seleção de obras inclui uma pintura, doze trabalhos em papel, quatro fotografias e uma escultura. R$ 800,00 a R$ 12 000,00. Homegrown. Rua Maria Quitéria, 68, sobreloja, Ipanema, ☎?2513-2160. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 15 de março. A partir de quinta (28).

ARQUIVOS DO BRASIL: MEMÓRIAS DO MUNDO. A mostra celebra duas décadas do Programa Memória do Mundo, da Unesco, além do aniversário de cinco anos do comitê brasileiro no mesmo projeto. Criado em 1992, o programa reconhece como patrimônio da humanidade documentos, arquivos e bibliotecas de grande valor. Cerca de 400 reproduções de itens nacionais se espalham por painéis. Há ainda documentos originais, como mapas, a sentença dos Autos da Devassa da Inconfidência Mineira e a Lei Áurea. Arquivo Nacional. Praça da República, 173, Centro, ☎?2179-1349, ??Central. Segunda a sexta, 9h às 18h. Grátis. Até 7 de junho. A partir de terça (26).

EDUARDO BERLINER. Único brasileiro com obra na Saatchi Collection de Londres, o carioca é a atração da Sala A Contemporânea, espaço no CCBB dedicado a artistas brasileiros emergentes. Ele apresenta cerca de trinta criações figurativas de dimensões variadas, passando por desenhos em técnica mista, aquarelas e óleos sobre tela, além de duas esculturas e dois vídeos. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. → Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 31 de março. A partir de terça (26).

gratis-trompete-de-eduardo-blinder.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

IVAN CASCÃO. O nome da individual, Pinturas e Objetos, define os tipos de trabalho selecionados. No conjunto de dez acrílicas sobre tela e quinze objetos em madeira cheios de evocações geométricas, o artista evidencia a influência do construtivismo. R$ 1 800,00 a R$ 12 000,00. Centro Cultural Candido Mendes. Rua Joana Angélica, 63, Ipanema, ☎?2525-1000. Segunda a sexta, 14h às 20h; sábado, 16h às 20h. Até 23 de março. A partir de terça (26). www.candidomendes.edu.br.

JAN BANNING. Em Bureaucratics, o fotógrafo holandês reúne 35 imagens de repartições onde trabalham burocratas de oito países: Bolívia, China, França, Índia, Libéria, Rússia, Iêmen e Estados Unidos. Através das fotografias, ele estabelece uma comparação entre os símbolos da burocracia em cinco continentes. Centro Cultural Justiça Federal. Avenida Rio Branco, 241, Centro, ☎ 3261-2550, ? Cinelândia. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 31 de março. A partir de quarta (27).

LUGAR NENHUM. Ana Prata, Celina Yamauchi, Lina Kim, Luiza Baldan, Marina Rheingantz, Rodrigo Andrade, Rubens Mano e Sofia Borges são os oito artistas contemporâneos brasileiros que integram a coletiva. O acervo conta com 56 obras, entre pinturas e fotografias que evocam lugares vazios. Curadoria de Lorenzo Mammì e Heloisa Espada. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até 2 de junho. A partir de sábado (2). www.ims.com.br.

✪✪✪?A SAGRADA FAMÍLIA. Com curadoria de Romaric Büel, ex-adido da Embaixada da França no Brasil, a alentada mostra reúne 93 esculturas inspiradas pelo divino. São representações da Sagrada Família, além de anjos, Adão e Eva e cenas bíblicas como a Via Sacra. O grande mérito da exposição é a proposta de diálogo entre duas vertentes da arte brasileira: há 52 peças barrocas, quase todas de madeira, e 41 criações populares, a maioria de barro. Boa parte dos personagens retratados pode ser admirada em ambos os estilos, o que dá ao visitante a oportunidade de perceber insuspeitadas afinidades entre a aparente rusticidade de artesãos e o requinte barroco. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até domingo (3).

✪✪✪?CLEMENTINA DUARTE. Depois de exibir joias da coleção de Bertha Krasilchik, mulher do marchand Isaac Krasilchik, o CCBB volta ao tema, desta vez apresentando criações de Clementina Duarte feitas desde os anos 60. Sob curadoria de Denise Mattar, foram selecionadas noventa peças confeccionadas em ouro e prata com diamantes, pérolas, ônix, águas-marinhas e topázios, entre outras pedras preciosas brasileiras. Algumas joias apresentam curvas inspiradas na arquitetura de Oscar Niemeyer (1907-2012). Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. →?Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 14 de abril.

✪✪✪?EDUARDO SUED. Aos 88 anos, o artista carioca apresenta uma individual de colagens e objetos. Entre as primeiras, doze no total, onze delas inéditas, impera uma rica variedade de cores. Em quase todas vislumbra-se uma moldura larga, encerrando uma composição de faixas de tamanhos variados ? a forma como estas são coladas, com as bordas ligeiramente destacadas do fundo, empresta intrigante tridimensionalidade à obra. Seis peças de madeira sem título, produzidas entre 2010 e 2011, completam o acervo. R$ 12 000,00 a R$ 14 000,00. Mul.ti.plo Espaço Arte. Rua Dias Ferreira, 417, sala 206, Leblon, ☎ 2259-1952. Segunda a sexta, 10h às 18h30; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 16 de março. www.multiploespacoarte.com.br.

EXPOSIÇÃO DE VERÃO. Ideia da filha e sócia da marchande Silvia Cintra, Juliana, a Exposição de Verão foi criada em 2004 e, desde então, marca o início da temporada de sua galeria, sempre apresentando ao público nomes com credenciais para despontar na cena contemporânea. Em sua décima edição, dez participantes foram selecionados por Luisa Duarte, que acompanha essa história desde o início: ela foi a curadora da mostra de estreia. Pela primeira vez, as apostas da casa dividem espaço com criadores que passaram pela exposição e hoje ostentam sólidas carreiras. Ao grupo mais conhecido pertencem Cinthia Marcelle (um vídeo e uma série de colagens), Laercio Redondo (uma colagem sobre acetato), Marcius Galan (uma escultura e uma pintura em papel) e Pedro Motta (uma fotografia). Sara Ramo, também nessa leva, é a única não representada pela galeria. Ela exibe uma colagem e um tríptico fotográfico, este feito em parceria com Marilá Dardot. A própria Marilá apresenta ainda uma pintura sobre vidro. Quatro artistas integram a ala dos jovens promissores: Adriano Costa apresenta colagens, pinturas e esculturas, Clara Ianni traz um vídeo, Regina Parra assina duas pinturas sobre papel e Jimson Vilela construiu uma instalação. Galeria Silvia Cintra + Box 4. Rua das Acácias, 104, Gávea, ☎ 2521-0426. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 22 de março. www.silviacintra.com.br.

✪✪✪?MOVIE-SE: NO TEMPO DA ANIMAÇÃO. Das dez maiores bilheterias do mundo em 2012, três ? A Era do Gelo 4, Madagascar 3 e Valente ? são animações, e todas as outras na lista se valem de técnicas desse tipo de produção. A história até a consagração do gênero foi longa, como revela a exposição em cartaz no CCBB. Idealizada pelo Barbican Centre, prestigiada instituição londrina, a mostra reúne mais de 100 filmes de vários estilos, épocas e nacionalidades. Há produções históricas, como A Música (1903), de Georges Méliès, na qual a cabeça do pioneiro realizador é magicamente arremessada para uma partitura. Betty Boop, Zé Colmeia, Pernalonga e Branca de Neve dividem espaço com animações japonesas, a exemplo de Akira, de Katsushiro Otomo, e filmes que só existem graças a animadores, como Jurassic Park. Entre as surpresas, Vincent (1982), curta de Tim Burton, expõe o estilo soturno que viria a se tornar marca registrada do diretor do recente Fran­ken­weenie. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 7 de abril.

✪✪✪?PAULO CLIMACHAUSKA. No Oi Futuro, o criador paulistano exibe Re-Subtrações, com obras que evocam o tema da imprevisibilidade, do jogo e do acaso. A série Tac-Tic é composta de catorze painéis de fórmica dispostos nas quatro paredes de uma sala, cada um com a silhueta do ponteiro de um relógio de sol em uma posição diferente. A mesma ligação com o tempo é sugerida na escultura O Dia em que a Terra Parou (2012), de granito. Os trabalhos mais atraentes são uma série chamada Blefe, de oito telas de serigrafia inspiradas no verso das cartas de baralho, e uma instalação que reúne vídeos e um jogo de pega-varetas gigante. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 17 de março. www.oifuturo.org.br.

PULSÃO DO LAÇO. A bailarina e coreógrafa Ana Vitória apresenta o projeto que reúne uma exposição e performances no Centro Cultural Correios. Na galeria da instituição, os visitantes podem conferir uma videoinstalação que une textos e imagens em movimento, remetendo ao fluxo sanguíneo. Aos sábados, às 18h30, ela se apresenta de graça para um público de até cinquenta pessoas. Em uma arena com chão de barro montada na praça externa do local, evolui vestindo uma malha cor de pele atada a cinquenta fios elásticos vermelhos. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 10 de março.

RODRIGO OLIVEIRA. Depois de apresentar Coisas de Valor e o Valor das Coisas, em 2011, na Cosmocopa, o português nascido em Sintra e radicado em Lisboa volta à galeria com a individual Mais que Papagaios à Sombra das Bananeiras. A mostra reúne 22 obras produzidas a partir de 2010, entre esculturas e instalações que evocam uma ideia de brasilidade através da alusão a referências culturais, sociais e políticas. Uma Pedra no Sapato, por exemplo, é composta de onze pares de sandálias Havaianas que combinam a banalidade da tira de plástico original com a nobreza dos mármores de diferentes origens. R$ 4 000,00 a R$ 10 000,00. Cosmocopa Arte Contemporânea. Rua Siqueira Campos, 143 (Shopping dos Antiquários), sobreloja 32, Copacabana, ☎?2236-4670. Segunda a sexta, 10h às 20h30; sábado, 11h às 16h. Grátis. Até 6 de março.

SEGUINDO A LUZ CENTRAL. A coletiva reúne cerca de vinte desenhos de quatro artistas: Daniel Melim, Tatiana Grinberg, Marco Veloso e Patricia Carmo. O papel é o suporte comum, mas a técnica para fazer as ilustrações varia: Melim e Tatiana usam nanquim, Veloso utiliza carvão, enquanto Patricia trabalha com tinta de carimbo e óleo. R$ 1 500,00 a R$ 8 000,00. Mercedes Viegas Arte Contemporânea. Rua João Borges, 86, Gávea, ☎ 2294-4305. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até 9 de março. www.mercedesviegas.com.br.

YUTAKA TOYOTA. O pintor, escultor, desenhista, gravador e cenógrafo, nascido no Japão em 1931 e naturalizado brasileiro em 1968, exibe dezoito esculturas de variadas técnicas em Yutaka Toyota ? Sim, Pode Tocar!. Como o nome sugere, trata-se de obras que incentivam a interação física com o público. Curiosidade: ao se aproximar de um trabalho, o espectador ouve a descrição da peça e, automaticamente, esta começa a tocar uma música. Um catálogo impresso em braile foi produzido. Curadoria de Claudia Lopes. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎?2253-1580. →?Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 17 de março. www.correios.com.br.

Fonte: VEJA RIO