DIVERSÃO

Cinco programas imperdíveis para o fim de semana

Confira a seleção especial de VEJA RIO para deixar seu fim de semana ainda mais animado

- Atualizado em

recomenda-danca.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A caminho da segunda edição, que ocupa o Theatro Municipal de quarta (30) a domingo (4) e ainda passa por São Paulo, Curitiba e Recife, o evento se consolida como um dos mais importantes nas artes coreográficas no país. Neste ano, o Rio recebe sete espetáculos de seis companhias, quatro delas estrangeiras. A trupe israelense Batsheva Dance Company abre as apresentações com Deca Dance. Concebida em 2000, a obra reúne dezessete bailarinos em uma série de peças curtas, criadas ao longo de anos pelo coreógrafo Ohad Naharin, que variam da delicadeza minimalista ao extremo vigor. Nos três dias seguintes se sucedem as demais atrações de outros países. Na quinta (1º), a inglesa Akram Khan Company exibe seu trabalho de raízes indianas em iTMOi (in The Mind Of igor). A canadense Louise Lecavalier, fundadora e ex-integrante da prestigiada companhia La La La Human Steps, alterna, na sexta (2), solos e duos em So Blue. No sábado (3), a TAO Dance Theater, da China, encena dois espetáculos seguidos, batizados apenas como 4 e 5. Um programa duplo encerra o festival no domingo (4). Nesse dia, a Cisne Negro Cia de Dança, de São Paulo, mostra Sra. Margareth, coreografado pelo israelense Barak Marshall, sobre um grupo de funcionários preso no porão da casa de uma patroa abusada. Logo após, o Balé Teatro Guaíra leva ao palco A Sagração da Primavera, baseado na coreografia de Nijinsky sobre a música de Stravinsky, aqui desenvolvido pela portuguesa Olga Roriz.

Theatro Municipal (2?244 lugares). Praça Marechal Floriano, s/nº, Centro, ☎ 2332-9005, Cinelândia. Quarta (30) a domingo (4), 21h. R$ 10,00 a R$ 60,00. Bilheteria: a partir das 10h. IC.

recomenda-expos.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Um dos mais atuantes nomes da arte urbana no Rio, o grafiteiro vem conquistando espaço (e mercado) no circuito de galerias. Em cartaz no Centro de Arte Hélio Oiticica, a alentada individual Metamorfose oferece novas dimensões a seu traço característico. Os dois primeiros ambientes são dedicados a Insônia, tipo de olhos brilhantes inventado por Toz. Para começar, o visitante entra em um convidativo quarto mobiliado ? há uma cama, prateleiras para livros, aparador, espelho, criado-mudo e até oratório. Iluminado por luz negra e com olhos fluorescentes por toda parte, o lugar sugere de maneira fantasmagórica a presença da criatura. O personagem também domina o segundo cenário, semelhante a uma floresta escura e onírica. A terceira e última instalação é mais esfuziante: nela, o foco recai sobre o colorido Vendedor de Alegrias, outra figura concebida pelo artista, com sua cabeça cheia de bolas que, aqui, se espalham pelo chão. Por fim, uma sala exibe catorze telas nas quais se explica o nome da mostra: Insônia e Vendedor de Alegrias são representados como momentos de uma mesma metamorfose.

Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Rua Luís de Camões, 68, Centro, ☎ 2232-4213 e 2242-1012. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, domingo e feriados, 11h às 17h. Grátis. Até 8 de maio.

recomenda-teatro.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Em tempos de indignação pública com desvios éticos, o drama da Armazém Companhia de Teatro se revela da maior pertinência. Também diretor, Paulo de Moraes assina o texto com Maurício Arruda Mendonça. Na história, o ambicioso cirurgião Benjamin (Otto Jr.) é, guardadas as proporções, um Ricardo III contemporâneo: tal como o personagem de Shakespeare, não apenas tem plena noção de sua vilania como se orgulha dela. Contra ele ? e a podridão dos valores que personifica ? insurge-se Samuel (Jopa Moraes), enfermeiro idealista ao ponto da ingenuidade, que invade o hospital armado. Zonas cinzentas da moralidade se vislumbram entre alguns dos reféns. É o caso da juíza Samantha (Patrícia Selonk), que reluta em aceitar a ajuda do médico Arthur (Ricardo Martins) para furar a fila do transplante de coração, e da garota de programa Sofia (Lisa Eiras), às voltas com o pai doente, Samir (Marcos Martins), vítima de Alzheimer. A intrigante estrutura do texto se baseia em uma sucessão de inícios, cada um deflagrando uma trama que enfoca Samuel, Samantha ou Samir ? todos apelidados de Sam. O elenco valoriza a contundente reflexão sobre a moral, aqui mais calcada na realidade, ainda que preservando a marca poética habitual do trabalho da Armazém (95min). 14 anos. Estreou em 10/4/2014.

Fundição Progresso ? Espaço Armazém (120 lugares). Rua dos Arcos, 24, Lapa, ☎ 2210-2190. Quinta a domingo, 20h. R$ 40,00. Bilheteria: a partir das 18h (qui. a dom.). Até 29 de junho.

recomenda-cinema.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Sofie (Carice van Houten) e Daan (Jelka van Houten) moram na Holanda e são gêmeas adotivas de um casal gay de septuagenários. Um telefonema dos Estados Unidos as tira da rotina: Jackie (Holly Hunter), a mãe biológica, precisa de um parente para acompanhá-la na ida a um centro de reabilitação onde vai tratar de uma fratura na perna. Daan, que anda com o casamento morno, convence a resistente Sofie a encararem a missão juntas. A recepção é das mais frias. Temperamental, Jackie não quer conversa com as garotas. Além disso, sua aparência riponga e o comportamento de bicho do mato as assustam. Mesmo rejeitadas, elas decidem botar o pé na estrada para levá-la ao hospital. Neste agradável road movie, drama e humor se unem para narrar um encontro familiar cheio de emoções. A química entre as holandesas Carice e Jelka, irmãs também fora da ficção, dá um ótimo contraponto ao desempenho carrancudo e bem-sucedido de Holly.

recomenda-criancas.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Primeiro foi Sambinha, de 2013, indicado ao Prêmio Zilka Salaberry nas categorias texto, direção, música e cenário. A trilogia de musicais infantis concebida pela atriz Ana Velloso vai terminar em forró, mas antes visita o universo do banquinho e violão. Bossa Novinha ? A Festa do Pijama estreia no sábado (3), no Oi Futuro Ipanema. O elenco, no qual figuram nomes como Édio Nunes e Milton Filho, e o diretor, Sérgio Módena, são os mesmos da produção anterior. No novo texto, Ana explora as situações propostas pelo repertório escolhido. Em cena, letras da bossa nova inspiram brincadeiras de uma animada festa do pijama na casa de Marilu (Ana Velloso), que reúne os amigos para comemorar a chegada de seus 10 anos. A montagem conta com uma banda que executa ao vivo clássicos do gênero, a exemplo de Pela Luz dos Olhos Teus (Vinicius de Moraes), O Barquinho (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli) e Bolinha de Sabão, divertida composição de Orlandivo (50min). Rec. a partir de 3 anos. Estreia prevista para sábado (3).

Oi Futuro Ipanema (94 lugares). Rua Visconde de Pirajá, 54, Ipanema, ☎ 3131-9333. Sábado e domingo, 16h. R$ 15,00. Bilheteria: a partir das 14h (sáb. e dom.). Até 22 de junho.

Fonte: VEJA RIO