DE BRAÇOS ABERTOS

Uma ideia que deu certo

Há três anos, a Academia Carioca vem mudando a vida de seus mais de 50 mil alunos espalhados pela cidade

Por: - Atualizado em

Renata Missagia
(Foto: Redação Veja rio)

A aposentada Sirlene Oliveira tem 61 anos e mora em Bonsucesso. Em 2010, ela pesava 123 quilos, tomava oito remédios controlados e três doses de insulina por dia, por ser diabética. ?Eu me arrastava em vez de caminhar. Quase não saía de casa por medo de passar mal na rua?, lembra. Foi nesse momento que Sirlene entrou no então recém-criado projeto Academia Carioca, da Secretaria Municipal de Saúde, vinculado aos postos de saúde da Clínicas da Família.

Com o acompanhamento de nutricionistas, médicos, fisioterapeutas, enfermeiros e profissionais de educação física, ela mudou radicalmente sua alimentação e começou a se exercitar nos aparelhos instalados no posto de saúde perto de sua casa. Resultado: em três anos, perdeu 40 quilos, seu médico suspendeu o uso de insulina e de outros quatro medicamentos, além de ter reduzido a dose dos outros remédios. Pela primeira vez em décadas, ela sentiu-se confiante para retomar os estudos. ?Meu professor na academia foi comigo à escola, no dia da matrícula. Estou fazendo matérias da sétima e oitava séries. Agora vou até o fim?, diz.

Renata Missagia
(Foto: Redação Veja rio)

92% dos alunos tiveram a medicação reduzida

A história de Sirlene é uma inspiração para todos por aliar a superação das dificuldades a um enorme esforço de mudança. Mas ela não teria sido possível sem o despertar inicial causado pelos novos hábitos de vida que ela aprendeu na Academia Carioca. Ali, Sirlene ganhou mais do que saúde: fez amigos com quem convive diariamente, aprendeu a cuidar da horta comunitária do projeto e se tornou uma liderança local. As estatísticas provam a relevância dessa iniciativa: do total de 50 mil alunos assíduos, 77% eram medicados ao entrar na academia. Destes, quase 10% tiveram a medição suspensa, enquanto 92% tiveram a dose de remédios diminuída.

Aulas de yoga, dança de salão e capoeira

Sempre vinculadas aos postos municipais de saúde, oitenta academias possuem um conjunto de dez aparelhos, iguais aos que se vêem nas praças públicas do Rio ? embora sejam projetos diferentes. Os exercícios são simples e podem ser feitos por qualquer pessoa, inclusive quem tem algum tipo de mobilidade reduzida. Outras 95 academias possuem as equipes multiprofissionais e atividades físicas como capoeira, dança de salão e yoga, porém sem aparelhos.

?Fazemos o acompanhamento da pessoa desde o início, monitorando os principais indicadores de saúde?, explica Junia Cardoso, coordenadora do programa. Com mestrado em saúde pública, a educadora física emociona-se ao falar sobre a iniciativa. ?Não queríamos um programa que, com o tempo, se perdesse. Queríamos fazer algo que realmente mudasse a vida dessas pessoas. Nossos alunos são cariocas ou vivem no Rio há muito tempo, mas muitos nunca aproveitaram a Cidade Maravilhosa, nunca foram à praia, ao cinema, ao teatro. Quando eles ganham saúde, conquistam também o desejo de aproveitar melhor a vida. Vemos isso acontecer todos os dias?, conta.

Como se inscrever

Para fazer parte do programa Academia Carioca, basta ir até a unidade de saúde municipal mais perto de sua casa e possuir uma indicação médica. Os grupos de aparelhos, semelhantes aos que se encontram nas praças da cidade, ajudam a melhorar a capacidade muscular e aeróbia do corpo.

Quem pode participar

Todos os exercícios são de fácil execução, podendo ser praticados por qualquer faixa etária. O foco do programa, no entanto, são pessoas que possuem problemas de saúde, como obesidade, hipertensão e diabetes.

Números do programa

50 000 alunos

74% mulheres

26% homens

92% diminuíram a dosagem dos remédios

9,1% tiveram a medicação suspensa

96% perderam peso

90% reduziram o IMC

34% têm 60 anos ou mais

17% têm até 35 anos

5% têm menos de 18 anos

Fonte: VEJA RIO