Dose dupla

Referência no design contemporâneo mundial, os irmãos Campana exibem em duas mostras no Rio suas peças bem boladas e divertidas

Sua fama se espalhou pelo mundo, e, dependendo do país onde estão, eles são chamados de brothers, frères ou hermanos. O fato é que a dupla de designers paulistas Humberto, 58 anos, e Fernando, 50, conhecidos por aqui como os irmãos Campana, atingiu um status internacional raramente concedido a um profissional brasileiro que não seja um jogador de futebol ou uma supermodelo. Eles usam retalhos de tecido, madeiras aglomeradas, cordas emaranhadas e metais retorcidos para dar forma a cadeiras, móveis, esculturas e até joias. Suas criações foram alçadas à condição de obra de arte, algo que pode ser comprovado em duas mostras prestes a desembarcar no Rio. Anticorpos é uma retrospectiva com 200 peças que chega ao Centro Cultural Banco do Brasil na terça (28), após passar pela Alemanha e por Vitória, Brasília e São Paulo. O acervo foi selecionado por Mathias Schwartz-Clauss, curador do alemão Vitra Design Museum, onde esteve em cartaz inicialmente. Dois dias depois, na quinta (1º), será aberta A Arte de Sentar com Arte – Irmãos Campana, que vai reunir catorze poltronas na Luciana Caravello Arte Contemporânea (veja mais na pág. 57). Esses objetos vêm da Firma Casa, galeria paulistana que representa a dupla. São cadeiras esculturais que mais parecem tronos. ?É difícil conceituar nossas obras?, diz Humberto. ?Elas ficam numa fronteira entre as artes plásticas e o design.?

clique na imagem abaixo e veja as criações que ganharam o mundo

[—FI—]

O trabalho dos irmãos Campana tem três marcas fortes: versatilidade, inventividade e bom humor. Os dois já assinaram diversos modelos de sandálias, uma edição de camisas Lacoste, cenários para desfiles de moda e espetáculo de balé, além de mobiliários e desenhos. No portfólio cabem ainda vultosos projetos de arquitetura, como o do Café Campana, dentro do Museu d?Orsay, em Paris (veja o quadro), e a remodelação do hotel-butique New Syntagma, em Atenas. Eles sempre acumulam várias matérias-primas em suas criações. Impossíveis de passar despercebidas pelo observador, as peças chamam atenção pela beleza e excentricidade. Duas das atrações do conjunto à mostra no CCBB são o sofá Diamantina, produzido com vime incrustado de pedras preciosas, e o pufe Kaiman Jacaré, um assento todo desconstruído formado por pedaços de couro sintético semelhantes ao corpo do animal. Não poderia faltar a cadeira Vermelha, feita com um trançado de cordas repetido milimetricamente em todos os modelos. Lançada em 1993, a peça escancarou-lhes as portas do mercado internacional – uma delas, inclusive, integra a coleção do Museu de Arte Moderna de Nova York. Com tamanho valor agregado, um exemplar desse item não sai por menos de 40?000 reais.

Essa trajetória bem-sucedida teve início com um voo-solo de Humberto. Em 1977, formado em direito pela USP, mas sem a menor vocação para exercer a profissão, ele começou a procurar maneiras de extravasar a criatividade. No ano seguinte, mudou-se para a cidade baiana de Itabuna, onde passou a fazer objetos de artesanato ornamentados com pequenas conchas. De volta a São Paulo, no início dos anos 80, ele chegou a produzir em escala suficiente para abastecer grandes lojas de departamentos. Em paralelo, dedicou-se a criar vistosas esculturas abstratas de terracota, bronze e ferro, além de coloridos desenhos geométricos. Enquanto isso, às vésperas de se graduar em arquitetura, o caçula, Fernando, fez um estágio na 17ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1983. Logo que se formou, foi ajudar o mano mais velho a dar conta das encomendas. ?Introduzi funcionalidade aos trabalhos dele, que eram mais intuitivos?, conta Fernando. ?Assim se deu a magia do negócio.?

Montado no bairro paulistano de Santa Cecília, o Estúdio Campana abriga uma equipe de dez funcionários e contabiliza 61 linhas de produtos industrializados, que são confeccionados por diversos parceiros da dupla. Parte do mobiliário bolado por eles é fabricada pelas empresas italianas Edra e Alessi. A manufatura francesa de porcelanas Bernardaud também deu forma a uma série de produtos, entre castiçais, fruteiras e pesos de papel. Na divisão do trabalho, cada um tem a sua tarefa, embora muitas vezes elas se entrelacem. ?O Humberto tem habilidade artística e é mais conceitual. Eu me concentro mais nos projetos técnicos, apesar de já me pegar também desenhando joias?, diz Fernando, que passa metade da semana na cidade de Brotas, a 150 quilômetros da capital paulista, onde ambos cresceram. Sobrenome de referência no design contemporâneo, os irmãos Campana são uma prova de que talento vem do berço.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s