Os perigos que vêm lá de cima

A Praça Cuauhtémoque, no Flamengo, tem vento de sobra, curiosos círculos de cimento desenhados no chão, um nome difícil (de um imperador asteca, com direito a estátua no local), banquinhos, brinquedos, fraldários e árvores gigantes. Aí que mora o perigo. Há anos sem poda, a meia dúzia de exemplares de paus-reis já vai atingindo a altura do nono andar dos prédios em frente, na Avenida Rui Barbosa. Seus frutos têm cerca de 300 gramas e caem quando secam. Despencando de mais de 30 metros, botam em risco os idosos que passaram a se exercitar no gramado desde que, há seis meses, ali foi aberta uma academia ao ar livre para a terceira idade. Parte do complexo paisagístico do Aterro, o logradouro mereceria mais cuidado, e não apenas nas alturas: a base do monumento mexicano está com pichações e desenhos de suásticas nazistas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s