Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

De solo de Maitê a sucesso repaginado, peças on-line para o fim de semana

A maior parte dos espetáculos disponíveis na internet têm acesso gratuito. Saiba como assistir!

Por Marcela Capobianco Atualizado em 22 jul 2021, 18h14 - Publicado em 22 jul 2021, 15h04

O fim de semana se aproxima e, com isso, ganha corpo uma intensa lista de opções culturais para curtir sem sair de casa. Em cartaz em um celular ou computador perto de você, diversas peças on-line são excelentes maneiras de entrar em contato com a arte. Confira:

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

O Pior de Mim.

Maite Proença, de pijama, no sofá, com as pernas abertas
O Pior de Mim: Maitê Proença apresenta monólogo em que divide com o público dramas pessoais Dalton Valério/Divulgação

Estrelado por Maitê Proença, o espetáculo revisita a história de vida da própria atriz, sem deixar de tocar em temas delicados, como o assassinato da mãe a facadas pelo pai, por ciúme, quando Maitê tinha apenas 12 anos, o suicídio dele e também de um irmão. Dirigida pelo premiado Rodrigo Portella, responsável por trabalhos bem-sucedidos como As Crianças e Tom na Fazenda, Maitê desnuda, no monólogo, uma parte de si mesma que nem ela própria tinha coragem de bisbilhotar.

A apresentação acontece nesta quinta (22), às 20h30, com transmissão gratuita pelos canais Youtube do Sesc em Minas, Teatro Claro Rio e Pólobh Produtora. Quem tem TV a cabo pode assistir pelo canal 264 da Claro TV.

+ Três monólogos em cartaz de forma presencial no Rio

Conselho de Classe.

Atriz sentada no sofá comendo banana
Conselho de Classe: Dárdana Rangel integra o elenco de versão on-line do celebrado texto de Jô Bilac ./Divulgação

A peça de Jô Bilac estreou em 2013, com a Cia dos Atores, fez um grande sucesso e arrebatou diversos prêmios. Ao longo dos anos, o texto ganhou várias montagens e, a partir desta sexta (23), terá uma versão on-line, dirigida por Fabio Fortes.

A trama, adaptada ao contexto da pandemia, acompanha uma reunião de conselho escolar, em uma escola pública carioca, depois de uma diretora ser agredida por alunos e entrar em licença médica. A briga é o tema de uma reunião virtual que reúne as professoras Célia, de Matemática (Jacqueline Lobo), Edilamar, de Educação Física (Vivian Sobrino), Mabel, de Artes (Dárdana Rangel), e Paloma, da Biblioteca (Carmen Frenzel) e o novo diretor, João Rodrigo (Fábio Enriquez).

A peça reflete sobre como a educação está ultrapassada e ainda homenageia os professores que, em tempos de coronavírus, precisaram se reinventar para dar aulas pela internet.

As sessões ao vivo acontecem entre sexta e domingo, às 20h, com exibição gratuita no canal do Youtube do Festival Niterói em Cena, com possibilidades de contribuição voluntária. A temporada vai até 1º de agosto.

+ Mistérios noturnos dão o tom de espetáculo dirigido por Yara de Novaes

Reunião de Condomínio – Uma Assembleia Cômico Extraordinária

No novo espetáculo de Franz Keppler o Zoom não é só a plataforma que liga atores ao público, mas também um personagem. Afinal, a narrativa se desenrola em uma reunião de condomínio realizada remotamente. Um cheiro de podre e uma infestação de cupins começam a tomar conta do Edifício Bandeirantes, prédio de classe média alta, mas meio falida, em São Paulo.

O síndico, um coach mediano e corrupto (Rafael Primot), convoca, então, uma assembleia extraordinária para tentar encontrar uma solução para o problema. Dela, participam alguns condôminos: Maria Clara (Andrea Dupré), uma advogada politicamente incorreta; seu marido Diogo (Ed Moraes), um fracassado empreendedor; Plínio, um jogador de tarô solitário que mora com sete gatos (Nilton Bicudo); Judith (Patrícia Gasppar), viúva que emprestou sua barriga para a gestação do filho de seu filho, Gil (Daniel Tavares), que também mora no mesmo prédio com seu marido Ivan.

O que deveria ser uma reunião para tratar exclusivamente dos problemas acaba criando uma série de desavenças entre os moradores.

Continua após a publicidade

O acesso é pelo site Eventim, a partir desta sexta (23). Como a peça é pré-gravada, o espectador escolhe o dia e horário que quer assistir, pagando a partir de R$ 25,00, até 23 de agosto.

O Homem da Noite Eterna.

o experimento cênico de Marco Miranda, com Elton Lellis e Jean Mendonça, será exibido, neste fim de semana, como abertura do 2º Festival de Teatro Online em Tempo Real do Rio de Janeiro.

Misto de cinema e teatro, o projeto conta a história de um homem que está aprisionado em lugar e tempo indefinidos. Talvez ele esteja delirando ou sonhando. Ele se debate entre dúvidas, incertezas e certezas, mas sabe que existe uma terrível peste assombrando o mundo.

Para assistir, basta acessar o canal da Cia Banquete Cultural, no YouTube, no sábado (24) ou no domingo (25), às 18h. A transmissão é gratuita.

Cemitério Vertical.

Homem com roupa de couro preta com uma das mãos, de luva preta, no rosto
Cemitério Vertical: solos derivados de estudo sobre necropolítica e biopoder Thiago Santos/Divulgação

Durante três meses, um grupo de doze orientados pelo ator e diretor Eric Lenate se debruçaram sobre a obra Necropolítica, do filósofo camaronês Achille Mbembe, e as noções de biopoder e biopolítica de Michel Foucault.

Traçando um paralelo com o Brasil atual, o estudo desembocou num experimento cênico virtual composto por 12 solos, que ganha temporada na web a partir deste sábado (24). A dramaturgia é assinada pelo grupo e a direção fica a cargo de Lenate.

Ao transitar entre as sepulturas de um cemitério vertical, o público encontra diversos tipos perturbadores – e perturbados – a exemplo de uma mulher artista, psicanalista e pesquisadora workaholic que vai perdendo sua memória, percepção e sanidade na medida em que seu companheiro se aproveita do isolamento social da pandemia para enclausurá-la; uma mulher que alega estar acometida de Delirium Tremens Post-Mortem, que trata do alívio de finalmente ser diagnosticada com uma doença que poderia acarretar no ganho pleno da visão; um idealista que rememora sua trajetória até ali, refletindo sobre o que seus desejos e máscaras o transformaram.

O acesso acontece pela Sympla Streaming, com ingressos a partir de R$ 10,00, aos sábados e domingos, às 20h, até 1º de agosto.

+ Ludmilla: “Racistas não aceitam que cheguei ao topo”

Sem Palavras.

Atriz no palco com um grande tecido em volta dela
Sem Palavras: processo criativo em foco Nana Moraes/Divulgação

No domingo (25), às 19h, o Oi Futuro exibe, ao vivo, detalhes do processo criativo do espetáculo Sem Palavras, criado e dirigido por Marcio Abreu.

Um apartamento mais ou menos vazio, posto à venda, na duração de um dia, vira palco de diversos encontros de personagens que passam por processos de transição. Os diferentes corpos, imagens sociais, histórias de vida, podem ser, ao mesmo tempo, uma só pessoa.

A ficção é livremente inspirada no livro Um Apartamento em Urano: Crônicas da Travessia, do filósofo espanhol transgênero Paul B. Preciado e nos escritos da jornalista Eliane Brum.

Para assistir, é só acessar o canal do YouTube da Companhia Brasileira de Teatro.

Continua após a publicidade
Publicidade