Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

História de Marielle Franco é contada em revista em quadrinhos

A primeira edição apresenta a infância e na juventude da vereadora a crianças e adolescentes. O material está disponível de forma on-line e gratuita

Por Luiza Maia 28 jul 2021, 16h59

Uma revista em quadrinhos em homenagem a Marielle Franco foi lançada nesta terça (27), data em que a vereadora completaria 42 anos de idade. Como se sabe, Marielle, cria da favela da Maré, foi assassinada em março de 2018 junto a seu motorista, Anderson Gomes.

A HQ narra a trajetória da vereadora, passando por sua infância e juventude. O lançamento da revista reuniu Anielle Franco, irmã da política, e o rapper Emicida numa live pelo Instagram.

+ Caso da bicicleta elétrica no Leblon: audiência de julgamento já tem data

Iniciativa do Instituto Marielle Franco, a publicação apresenta um lado da história de Marielle que poucos conhecem e pretende inspirar meninas e jovens de favelas e periferias. “Queremos potencializar os sonhos de mulheres negras que buscam transformar as suas realidades”, escreveu Anielle uma publicação no Instagram.

Nesta primeira edição, a HQ parte das origens da família de Marielle, no Complexo da Maré, e os estudos da jovem e sua formatura na faculdade. O material pode ser acessado de forma gratuita pelo link, e em breve ganhará uma versão impressa.

Continua após a publicidade
Imagem mostra trecho de HQ sobre Marielle Franco em sua formatura da faculdade
A conquista na universidade: livro mostra desafios de Marielle para concluir os estudos Reprodução/Reprodução

+Sítio Burle Marx é reconhecido como patrimônio mundial pela Unesco

Toda a revista é produzida apenas por profissionais negros, da escrita à diagramação, e financiada pela Fundação Rosa Luxemburgo e pela Fundação Lauro Campos e Marielle Franco.

A ideia de transformar a trajetória de Marielle em quadrinhos surgiu em 2018, quando Anielle Franco se deparou com o desafio de contar a história da irmã para crianças e jovens nas salas de aula.

+Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Os apontados como executores do assassinato da vereadora e de Anderson Gomes são o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-policial Elcio Queiroz, que estão presos. A motivação do crime ainda é alvo de investigação.

Continua após a publicidade
Publicidade