Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

MAR recebe 600 obras de arte para mostrar um Rio que não está nos livros de História

Exposição abre sábado (25) e contou com curadoria de Luiz Antônio Simas e Conceição Evaristo

Por Renata Magalhaes Atualizado em 22 set 2021, 15h55 - Publicado em 22 set 2021, 15h48

“É preciso adiar o fim do mundo para contar mais uma história”. A partir desta frase do ambientalista e best-seller Ailton Krenak, a curadoria do Museu de Arte do Rio concebeu sua principal exposição para 2021, que abre suas portas a partir do próximo sábado (25). Pensando em que tipo de história valeria ser contada hoje em dia, especialmente em um cenário pandêmico, decidiu-se, acertadamente, tratar sobre a história do Rio por uma nova perspectiva.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

A mostra Crônicas Cariocas não fala sobre a cidade cartão-postal, nem aquela que está nos livros de História – trata sobre o Rio que figura no imaginário coletivo daqueles que vivem e respiram a cidade em toda sua complexidade.

+ A Primavera vem aí: Jardim Botânico do Rio volta a abrir às segundas 

Serão mais de 600 obras de arte, dentre vídeos, instalações, fotografias e pinturas, ao alcance do olhar dos visitantes no terceiro andar do museu. A arrumação das três galerias deu um aspecto labiríntico ao passeio, com cada pedaço de parede revelando momentos marcantes da capital fluminense. Deste montante, 79 já faziam parte do acervo museológico da instituição. Obras comissionadas, criadas especificamente para a exposição, também estarão presentes.

+ Dia das Crianças: um roteiro de passeios para curtir o Rio com os pequenos

Continua após a publicidade

A montagem dá vida às histórias cotidianas, relações com a vizinhança, festas, encontros dos ônibus lotados e calçadas. Por trás daquilo que é exportado ao mundo, propõe-se narrar o Rio que se embeleza e finge não ver os subúrbios. Do orgulho negro as noites eróticas.

+ Retratos cariocas: novo livro reúne fotografias famosas de Rogério Reis

Entre os cerca de 110 artistas que participam da montagem, destacam-se Sônia Gomes, Lucia Laguna, Rosana Paulino, Brígida Baltar, Denilson Baniwa, Alexandre Vogler, Bispo do Rosário, Laerte e Bastardo. Nomes contemporâneos, a exemplo de Guignard, Di Cavalcanti, Lasar Segall e Mestre Didi, também compõem a coletiva.

A curadoria de Amanda Bonan em parceria com o curador-chefe do museu, Marcelo Campos, ganhou contribuição de luxo do historiador e escritor Luiz Antônio Simas e da escritora Conceição Evaristo.

+ Conceição Evaristo e Luiz Antonio Simas debatem a tradição das crônicas 

Ela salienta que Crônicas Cariocas apresenta um Rio que, apesar dos pesares, revive diariamente. “Um Rio que viu seus cinemas fecharem, suas linhas de ônibus deixarem de ligar as zonas Sul e Norte, mas que, ainda assim, nasce e renasce todos os dias”, explica. Ao que Simas complementa: “A crônica está presente na música popular, nas conversas cotidianas, nas sociabilidades construídas nos botequins, nas esquinas, no convívio com as rezadeiras. É disso que se trata”, conclui.

Museu de Arte do Rio. Praça Mauá, 5 – Centro. Quinta a domingo, 11h às 18h R$ 20,00. Abertura sáb. (25).

Continua após a publicidade
Publicidade