Clique e assine por apenas 4,90/mês

Grupo de teatro criado por Tatá Werneck vai encenar peça on-line 100% acessível

Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho conta com tradução em libras, audiodescrição e legendas

Por Marcela Capobianco - Atualizado em 15 set 2020, 14h57 - Publicado em 15 set 2020, 12h49

No Dia Nacional do Teatro Acessível, a ONG Escola de Gente, fundada pela jornalista Cláudia Werneck, referência internacional em inclusão, vai apresentar um espetáculo on-line com tradução simultânea em libras, audiodescrição e legendas.

+ Escola de Artes do Parque Lage lança seminário on-line

A encenação da peça Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho, baseada no livro de Cláudia, fica a cargo do grupo teatral Os Inclusos e os Sisos, criado pela humorista Tatá Werneck em 2003.

A transmissão, que tem apoio do Unicef, acontece no sábado (19), às 17h, de forma gratuita, no canal do YouTube da Escola de Gente.

+ Para receber VEJA Rio em casa, clique aqui

Continua após a publicidade

“O nosso maior legado no pós-pandemia é a opção pela cultura acessível plena também na internet. Assim, pessoas com deficiência, idosas, com baixo letramento, entre outras, podem navegar no fluxo do entretenimento virtual sem restrições. Como as plataformas não estão preparadas para oferecer libras, audiodescrição e legendas de forma simultânea, a solução foi criar uma ‘gambiarra tecnológica’ própria, que foi um sucesso nas nossas lives – as primeiras acessíveis da internet brasileira – e agora será testada nos espetáculos virtuais”, celebra Claudia.

+ CCBB reabre nesta quarta (16), com mostra sobre Ivan Serpa

Essa solução é a articulação de plataformas e softwares gratuitos ou muito baratos que permitem que as transmissões tenham, ao mesmo tempo, língua de sinais, legenda ao vivo e audiodescrição.

+ Teatros cariocas só devem voltar a receber público em outubro

O espetáculo, em nova versão virtual, traz esquetes bem-humoradas envolvendo casos de preconceito, discriminação, adaptação ao período de isolamento social e uso de máscara.

“A Covid-19 trouxe novas situações de discriminação sobre as quais precisamos refletir. Assim como acontece em nossos espetáculos presenciais, tenho certeza de que o público vai se divertir e se reconhecer nos esquetes”, defende Carolina Godinho, diretora do grupo Os Inclusos e os Sisos.

Continua após a publicidade
Publicidade