Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

ArtRio: para bancar projetos sociais, museus põem à venda obras de grandes artistas

No estande da EAV do Parque Lage, toda a renda será revertida para o programa público de ensino. Já o MAM Rio vai investir em projetos de cultura

Por Marcela Capobianco Atualizado em 9 set 2021, 14h10 - Publicado em 9 set 2021, 14h09

Já imaginou ter, na sala de casa, uma obra de Carlos Vergara, Ernesto Neto, Iole de Freitas ou Luiz Zerbini?

Até domingo (12), será possível adquirir um trabalho de um desses artistas – e também de Angelo Venosa, Antonio Dias, Brígida Baltar, Laura Lima, entre outros – no estande da Escola de Artes Visuais do Parque Lage na ArtRio.

As peças foram doadas pelos artistas à EAV e toda a renda arrecadada será revertida para o programa público de ensino da escola, que inclui bolsas sociais, além de viabilizar 50% de desconto para estudantes das universidades públicas do país.

Além disso, também estarão à venda itens da Coleção Impacto, que integra o Amigo EAV, programa de benefícios da instituição. O conjunto apresenta duas fotografias de Felipe Azevedo e uma da artista paulistana Flavia Junqueira, que produziu um trabalho inédito para a nova coleção.

+ ArtRio: Marcos Chaves e Antonio Bokel doam obras para leilão beneficente

Ao iniciar ou aumentar a coleção de arte com obras exclusivas de tiragem limitada, o comprador contribui para a sustentabilidade da instituição que, há 46 anos, reafirma sua relevância como uma das principais escolas de arte do Brasil e da América Latina.

+ Sabe o que é criptoarte? Estande na ArtRio tenta explicar

Já o MAM Rio lança, também na feira de arte, a oitava edição do Clube de Colecionadores.

Continua após a publicidade

O novo conjunto apresenta quatro gravuras de Dalton Paula, Gê Viana, Paulo Nazareth e Rivane Neuenschwander e conta com edição especial de Thiago Martins de Melo.

Criado em 2004, o Clube de Colecionadores é uma oportunidade de aquisição de obras exclusivas de artistas visuais brasileiros, com tiragem limitada.

A renda arrecadada será aplicada nos projetos de arte, cultura e educação do Museu de Arte Moderna do Rio.

“Esta edição dialoga com os demais projetos do museu, sendo composta por artistas com inserção no mercado e trajetórias profissionais consolidadas, cujos interesses de pesquisa nos ajudam a pensar as narrativas de museu que queremos”, reflete a curadora Beatriz Lemos.

+ Para receber VEJA RIO em casa, clique aqui

Em paralelo, a instituição lança o Agente MAM Rio, um programa de participação e relacionamento que pretende aproximar o público do museu.

Quem se associar ao programa vai apoiar regularmente os projetos do MAM Rio e receber benefícios na programação não só do museu, mas de várias instituições parceiras, como o MASP e o MAM SP.

+ A melhor forma de redescobrir o Rio? A pé, é claro

Entre as vantagens estão convites para aberturas de exposições, visitas sob medida, participação garantida em encontros promovidos pela instituição e descontos na loja do MAM Rio, em ingressos para o Vivo Rio e um abatimento do valor do estacionamento do museu). A anuidade varia de R$ 190,00 – R$ 95,00 para estudantes, professores e pessoas com mais de 60 anos – a R$ 270,00, cujos benefícios valem para duas pessoas.

Continua após a publicidade
Publicidade