Confira 29 atrações gratuitas para curtir este fim de semana

Um guia com programas se divertir sem gastar dinheiro, com espetáculos, shows e outras atrações. Destaque para exposição Memória e Transformação

MAM
(Valentino Fialdini/Divulgação)

 Alucinações à Beira Mar Reunião de grandes nomes, como Augusto Malta, Nelson Leirner, Tarsila do Amaral, Rubens Gerchman (autor de Lindonéia — A Gioconda do Subúrbio, na foto) e Carlos Vergara.

 Fluxo Bruto Alumínio, vidro, madeira e mármore compõem as imponentes obras tridimensionais inéditas de José Bechara, suspensas em cabos e encaixadas de forma perfeita no ar.

 Metaelementi Em grande parte reunidas na série Combustioni, fotos do italiano Lucio Salvatore exibem objetos em  chamas. Outro trabalho, Post-Ar tem concepção surpreendente e divertida.

(Gianni Toyota/Divulgação)

 O Ritmo do Espaço O metal serve de matéria-prima para a maioria dos trabalhos do japonês Yutaka Tayota, esculturas hipnotizantes que jogam com reflexos e cores, como Espaço Harmonia (foto). 

 Estados da Abstração no Pós-Guerra e Guy Brett: a Proximidade CríticaComplementares, as pequenas mostras são  recortes específicos do acervo do MAM.

 Blind Galery Feita para o museu, a instalação do britânico Christopher Page reproduz uma pequena galeria: as obras à mostra são mera ilusão de ótica provocada por pinturas.

 Zanini de Zanine Móveis e esculturas de estilo contemporâneo criados pelo designer carioca estão em exposição no foyer
do museu.

› Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Flamengo. Terça a sexta, 12h às 18h; sábado e domingo, 11h às 18h. R$ 14,00. Grátis às quartas.

Copacabana Palace

Às vésperas do fim do ano, o Belmond Copacabana Palace preparou uma atração para os cariocas e turistas que visitam o Rio de Janeiro durante a temporada de festas. Um vídeo exclusivo para homenagear a cidade, que será apresentado na fachada do prédio, patrimônio histórico desde 1985. A dá início às comemorações de aniversário do hotel, que completa 95 anos em 2018.

A inauguração acontece no sábado (23) e terá duas exibições, às 20h e às 21h. O show audiovisual será reexibido diariamente, nesses dois horários, até o dia 31, quando a praia de Copacabana reunirá cerca de dois milhões de pessoas para celebrar a maior festa de Réveillon do país, segundo projeção da Riotur, que apoia o evento.

CCBB
(Felipe Fittipaldi/Veja Rio)

Centro Cultural Banco do Brasil. Instituição prestigiada no coração da cidade, o CCBB oferece dois ótimos motivos para a visita. A divertida individual O Corpo É a Casa apresenta trabalhos do austríaco Erwin Wurm que incitam reflexões sobre padrões de consumo e o culto à beleza. Como faz em Mr. Mutt (foto), por exemplo, o artista cria curiosas intervenções sobre objetos conhecidos. Na série Esculturas de Um Minuto, ele convida o público a se tornar parte da obra. Na mostra Un Moment Si Doux estão reunidas raras fotografias em cores do francês Raymond Depardon, tiradas em viagens por países da Europa, da África e da América Latina. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis.

Instituto Moreira Salles

(Produtora AMaréVê/Divulgação)

Instituto Moreira Salles. Após um mapeamento fotográfico realizado por moradores e projetos sociais de cinquenta  comunidades cariocas, a artista mineira Rosângela Rennó montou a exposição #RioUtópico. Em comum nos lugares escolhidos, nomes que apontam contradições: Campo da Paz, Jardim Paraíso e Morada dos Sonhos são algumas favelas que serviram de cenário para as imagens. A foto acima, da Produtora AMaréVê, foi feita em feira na Rua Roberto da Silveira, no Parque União. O instrutivo passeio se completa com a mostra Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964, reunião de imagens de conflitos armados, da Proclamação da República à instituição do AI-5, marco do endurecimento da ditadura militar no Brasil. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea. Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis.

O que você não vê: a prostituição vista por nós mesmas

 (Natasha Roxy/Divulgação)

Uma exposição de fotos feitas por prostitutas durante o período dos Jogos Rio 2016 é a grande atração do Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Estreando no último sábado (9), a mostra reúne imagens feitas de agosto a setembro de 2006 em diferentes locais de prostituição na cidade. Acesse para mais informações.

“O que você não vê: a prostituição vista por nós mesmas” – Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica – Rua Luís de Camões, 68, Centro. Das 11h às 18h. Grátis.

#RioUtópico

A artista mineira Rosângela Rennó coordenou um mapeamento fotográfico realizado por moradores de cinquenta comunidades cariocas cujos nomes apontam contradições, como Campo da Paz, Jardim Paraíso e Morada dos Sonhos. 

Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea. Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 15 de abril de 2018. Abertura no sábado (16), 17h.

O Contexto da Linha

 (Maria de Vincenzi/Divulgação)

Na intenção de desconstruir as formas até seus elementos mais básicos, artistas como Antonio Bokel (foto), Gustavo Speridião, Julio Villani e Duda Moraes apresentam obras constituídas por linhas. Com abertura prevista para sexta (15), na Mercedes Viegas Arte Contemporânea, a mostra O Contexto da Linha reúne pinturas, desenhos e esculturas de quinze autores, entre nomes consagrados e jovens talentos. 

Mercedes Viegas Arte Contemporânea. Rua João Borges, 86, Gávea. Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 15h às 19h. Grátis. Até 9 de fevereiro de 2018. Abertura na sexta (15).

Feira Gastronômica Itinerante – Praça Saiqui – Vila Valqueire. Das 17 às 23h. Sexta (15), sábado (16) e domingo (17). 

Pet Park

 (Divulgação/Divulgação)

Vida de cachorro pode até não ser fácil, mas com certeza ficará muito mais divertida a partir do dia 16 de dezembro. É que nesta data o Recreio Shopping inaugura o primeiro Pet Park gratuito da região. Atendendo as demandas de entretenimento dos peludos do Recreio dos Bandeirantes, o shopping encerra o ano em que comemora 20 anos de atividade com um presente especial para os pets. Com 300m² de muito entretenimento, o novo playground ficará aberto a todo público, durante o funcionamento do shopping, com entrada gratuita. Com obstáculos de madeira, rampa, túneis, bastões e traves com barras, o playground ainda terá uma casinha gigante para completar a brincadeira.

Recreio Shopping – Avenida das Américas, 19.019, Recreio dos Bandeirantes. Grátis.

Máquina_Hipertexto

 (Patrícia Giufrida/Divulgação)

Na frente de todo mundo, duas pessoas, conhecidas ou não, sentam-se de costas uma para a outra e conversam através de mensagens escritas em computador e projetadas na parede. Essa é a proposta de Máquina_Hipertexto, performance que abre a programação da Primeira Semana de Dramaturgia, promovida pelo Sesi Cultural. Com curadoria de Diogo Liberano, o evento contará ainda com leituras dramatizadas e oficinas de escrita teatral. 

Oi Futuro. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo. Até o dia 13. Grátis. Programação no abr.ai/semana-de-dramaturgia-sesi-cultural.

O Sonho Nunca Acaba

 (Daniel Torquatto/)

Com a decoração e a trilha sonora inspiradas na banda mais famosa do mundo, o restaurante Yellow Submarine recebe a exposição O Sonho Nunca Acaba, com nove pinturas de Ronaldo Torquato. O artista, que celebra 45 anos de carreira, põe os integrantes dos Beatles em situações curiosas, como passeios por Copacabana e visitas ao museu Guggenheim. Yellow Submarine.

Rua da Candelária, 85, Centro. Segunda a sexta, 11h30 às 15h30. Grátis. Até 30 de dezembro. 18h.

Handmade

 (Everton Ballardin/Divulgação)

No início de sua carreira, quando tinha menos envolvimento com o campo fotográfico, Vik Muniz costumava manipular a superfície das imagens após sua realização. Em Handmade, exposição que já passou por Nova York, Madri e Tóquio, o artista retoma essa estratégia e cria uma espécie de antologia formada por projetos antigos e recentes. A partir de sexta (1º), a Galeria Nara Roesler apresenta trinta obras que deixam explícito o esqueleto do trabalho e seguem a tradição da arte abstrata, a exemplo das obras que compõem a série Interaction of Color (foto).

Galeria Nara Roesler. Rua Redentor, 241, Ipanema. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 15h. Grátis. Até 7 de fevereiro. Abertura na sexta (1º).

Memória e Transformação

 (Mário Camargo/Divulgação)

Um mês depois de participar da Bienal de Florença, na Itália, Mário Camargo volta ao Rio com a mostra inédita Memória e Transformação, a partir de quinta (9), no Centro Cultural Correios. Dez obras de grandes dimensões (como Tiras Jasper Jones, na foto abaixo) foram criadas com técnicas como a pintura em tiras, na qual as telas são rasgadas e repintadas. No mesmo dia, Marilou Winograd celebra vinte anos de carreira com instalações, objetos e fotografias manipuladas na exposição A Obra Como Espelho, enquanto o pintor Paulo Symões explora a potência das cores em Natureza: Geometria Secreta. O espaço ainda recebe o Festival de Esculturas do Rio, que reúne quarenta artistas nacionais e internacionais. 

Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 7 de janeiro.

Miguel Rio Branco – Oi Futuro

 (Miguel Rio Branco/Divulgação)

Um dos fotógrafos mais celebrados pelas galerias de arte brasileiras, Miguel da Silva Paranhos do Rio Branco leva seus trabalhos a todas as galerias do Oi Futuro, no Flamengo. Além dos cultuados registros, a mostra apresenta uma série de instalações, responsáveis por formar uma colagem multifocal da carreira do artista. Algumas obras, em especial, valem a visita.

Oi Futuro. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo. Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 28 de janeiro. 

Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964 

 (Campanella Neto/Reprodução)

Reunindo grandes fotógrafos, como Pierre Verger, Marc Ferrez e Marcel Gautherot, Conflitos: Fotografia e Violência Política no Brasil 1889-1964 traça um panorama da nossa história a partir de disputas armadas. Mais de 300 fotografias, provenientes de coleções públicas e particulares, retratam marcos como a Revolução Federalista e a Guerra de Canudos, além de episódios como o suicídio de Getúlio Vargas e a repressão durante a ditadura militar. As fotos serão reunidas em um livro homônimo. 

Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea. Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 25 de fevereiro. 

CCBB – Raymond Depardon

 (Raymond Depardon/Divulgação)

Sócio da lendária agência de fotografia Magnum e também um reconhecido documentarista, Raymond Depardon mostra seus dois talentos no CCBB. A programação em homenagem aos 75 anos de vida do aventureiro francês inclui a retrospectiva Un Moment Si Doux. A exposição reúne 165 fotos coloridas — técnica menos difundida na obra de Depardon, mas adotada por ele desde a década de 50 — feitas em viagens por países da Europa, da África e da América Latina.  

Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis (os ingressos para os filmes devem ser retirados uma hora antes da sessão). Até 22 de janeiro de 2018.

Caixa Cultural

 (Succession H. Matisse AUTVIS, Brasil, 2016/Divulgação)

Grande nome da arte no século XX, ao lado de Pablo Picasso e Marcel Duchamp, o pintor Henri Matisse emprestou um sentido de urgência à sua produção após ser diagnosticado com câncer de intestino, em 1941. Aos 71 anos e impedido de ficar em pé diante de um cavalete, o artista desenvolveu famosas séries de colagens que anteciparam a pop art. Pertencente ao acervo dos Museus Castro Maya, vinte pranchas feitas para o álbum Jazz são expostas em mostra na Caixa Cultural. Circo, contos populares e viagens, aparentemente embalados pelo som de uma orquestra, dominam obras como O Cavalo, a Amazona e o Palhaço (foto).

Caixa Cultural. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro. Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 22 de dezembro. 

Povo Insônia

 (Elodie Salmeron/Divulgação)

Inspirado em suas origens baianas, o artista de rua Tomaz Viana criou a personagem Insônia em 2010. Ela é a protagonista de Povo Insônia, em cartaz no Museu Chácara do Céu desde setembro. Na sala de jantar e na biblioteca, manequins pintados saúdam os visitantes sob a trilha sonora de músicas africanas. Telas (foto) e cerâmicas de sua autoria se misturam, em um interessante contraste, a relíquias do acervo da casa, a exemplo de esculturas de Mestre Vitalino. Destaque interativo, a instalação sonora Ritos & Ritmos convida o público a participar da obra, enquanto fotografias antigas, garimpadas na Praça XV e manipuladas de forma surpreendente, fecham a mostra. 

Museu Chácara do Céu. Rua Murtinho Nobre, 93, Santa Teresa. Quarta a segunda, 12h às 17h. R$ 6,00. Grátis às quartas. Até 29 de janeiro de 2018.

Imagens Impressas: um Percurso Histórico pelas Gravuras da Coleção Itaú Cultural

 (Iara Venanzi/Itaú Cultural/Divulgação)

Cerca de 150 obras, um terço do alentado acervo de onde vieram, compõem a mostra Imagens Impressas: um Percurso Histórico pelas Gravuras da Coleção Itaú Cultural, em cartaz no Museu Nacional de Belas Artes. A curadoria de Marcos Moraes, coordenador do curso de artes visuais da Universidade de São Paulo (USP), reuniu trabalhos em diversas técnicas de impressão sobre papel, produzidos entre os séculos XV e XIX. A representação da figura humana é o elo entre as criações de grandes nomes da história da arte, a exemplo de Francisco Goya, Rembrandt, Delacroix e Toulouse-Lautrec. Também marca presença na exposição Lola de Valence, de Édouard Manet (foto). 

Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado e domingo, 13h às 18h. R$ 8,00. Grátis aos domingos. Até 18 de fevereiro de 2018. 

Erwin Wurm – O Corpo é a Casa

 (CAROL QUINTANILHA/Divulgação)

Erwin Wurm cria obras em que, com humor, critica padrões de consumo e o culto à beleza. O prestigiado artista austríaco, neste ano em sua quarta participação na Bienal de Veneza, reúne no Rio, pela primeira vez, vídeos, instalações e outros trabalhos na mostra Erwin Wurm — O Corpo É a Casa. No acervo, sobressaem esculturas corpulentas, a exemplo de Adorno como Oliver Hardy em The Bohemian Girl e o Fardo do Desespero (foto) e Casa Gorda, que pesa cerca de 2 toneladas.

CCBB. Rua Primeiro de Março, 66, Centro. Quarta a segunda, 9h às 21h. Grátis. Até 8 de janeiro.

Feito Poeira ao Vento

 (Bruno Veiga/Divulgação)

Não por acaso, a mostra em cartaz no Museu de Arte do Rio abriu as portas no Dia Mundial da Fotografia: 19 de agosto. Um recorte do acervo próprio levou à exibição de 250 registros de 112 autores, imagens que inspiram uma viagem do século XIX aos dias de hoje. Montada em todo o 1º andar do prédio, a exposição aborda temas variados, mas une nomes de épocas distintas em diálogos instigantes — é o que sugere, por exemplo, a aproximação entre a série suburbana de Bruno Veiga (foto) e os flagrantes cariocas do francês Pierre Verger (1902-1996). Obras de Adriana Varejão e Rogério Reis, provavelmente já vistas pelo público em outras ocasiões, completam o agradável passeio. 

MAR. Praça Mauá, 5, Centro. Terça a domingo, 10h às 17h. R$ 20,00. Grátis às terças. Até 1º de julho de 2018.

Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão

 (Marcio Vasconcelos/Divulgação)

Inspiradas por grandes celebrações folclóricas (como o bumba meu boi, do Maranhão, ou o maracatu rural, de Pernambuco), obras de artesãos de todo o país foram selecionadas para a exposição Festa Brasileira: Fantasia Feita à Mão. No Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (Crab), a mostra apresenta objetos, adereços, máscaras, vestimentas e instrumentos musicais espalhados por nove ambientes. Os destaques incluem um conjunto de pequenas esculturas assinadas por Vitalino Pereira dos Santos, o renomado Mestre Vitalino (1909-1963) — entre elas Casamento a Cavalo.

Praça Tiradentes, 69, Centro. Terça a sábado, 10h às 17h. Grátis. Até 31 de março de 2018. Confira aqui a programação completa.

fiz ele soletrar o seu nome

 (Guilherme Dable/Divulgação)

Memórias de infância nortearam a criação dos trabalhos desenvolvidos pelo gaúcho Guilherme Dable. São vinte pinturas abstratas, em formas variadas, que contrastam a herança construtivista geométrica com um gestual mais livre, a exemplo de e o que quer que se passe parece ser na porta ao lado (foto). Para completar, uma parede de vidro será coberta por desenhos recortados no formato de folhas, compondo uma cortina. 

Anita Schwartz Galeria de Arte. Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 23 de dezembro.

Carla Chaim — óleo fita carbono

 (Carla Chaim/Divulgação)

Com obras desenvolvidas a partir da planta arquitetônica do local, a paulistana Carla Chaim busca ultrapassar os limites da concepção tradicional do desenho. A obra Desenhos Falsos (foto) foi feita com várias camadas de papel-carbono, recortadas pela artista em diferentes formatos. Em uma videoinstalação, ela usa o próprio corpo como ferramenta para pintar as paredes do espaço (o registro só existe em filme, já que as impressões foram posteriormente apagadas). 

Shopping Cassino Atlântico. Avenida Atlântica, 4240, Copacabana. Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até 27 de janeiro.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s