Imagem Blog

Juju na Trip

Por Blog
Uma família de cariocas vivendo o que há de melhor na vida, e compartilhando todas as dicas por aqui. Acompanhem!
Continua após publicidade

Rota Ecológica de Alagoas: um destino de mar azul e natureza intocada

Nas viagens pós-Coronavírus, vamos buscar lugares de natureza remota pelo Brasil. Nesse post, listo uma série de destinos para planejar uma trip no futuro.

Por Blog Juju na Trip Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 5 nov 2020, 11h16 - Publicado em 30 jun 2020, 11h21

Se tenho alguma ideia sobre o futuro das viagens no pós-Coronavírus, é que buscaremos lugares de natureza mais remota pelo Brasil. Gastos em reais, fronteiras que não correm o risco de serem fechadas de um dia para o outro, e a necessidade de evitar aglomerações me levam a crer nessa tendência.  Pensando nisso, falo hoje da Rota Ecológica de Alagoas para quem quiser planejar uma viagem num futuro bem breve. Lá, o barato é salgar a alma, curtir o mar, o silêncio e comer uma boa moqueca. Como diz a querida Adriana Didier – dona da Pousada Borapirá – um lugar onde em vez de animador, tem desanimador. 🙂

Veja o vídeo e me fale se não estou certa: a Rota é quase o Brasil nos tempos de Cabral. Mas, por enquanto, fique em casa. Aproveite esse tempo para pesquisar e planejar essa viagem. Vale à pena.

A Rota Ecológica de Alagoas: 

Coqueiros a perder de vista, areia branca, piscinas naturais. A Rota Ecológica de Alagoas é um trecho litorâneo de aproximadamente 30 km de extensão, que começa em Barra de Camaragibe e vai até Porto de Pedras, e reúne as praias intocadas de São Miguel do Milagres, do Toque, Tatuamunha, Laje e Patacho, entre outras.

Sãoo muito bem protegidas e preservadas, quase sem acesso de veículos e sem estruturas hoteleiras comerciais. O que se encontra são algumas pousadas charmosas, intimistas e escondidas entre a vegetação.

As praias são uma do lado da outra, e você pode percorrê-las a pé – se tiver disposição -, de bike ou de carro.  O bacana é que a estrada não passa pela beira-mar, e sim por dentro dos vilarejos, o que garante ma vista maciça de coqueiros para quem está na areia.

Para famílias: trenha em mente também que as praias são vazias e sem barracas, então se você viaja com crianças , leve água e lanchinhos, e não se esqueça de carregar seu lixo (leia nesse post mais dicas de praias no nordeste com bebês)

Continua após a publicidade
A visão da rota: coqueiros a perder de vista e natureza intocada
A visão da rota: coqueiros a perder de vista e natureza intocada (/ Juju na Trip/Veja Rio)
Rota Ecológica de Alagoas
Rota Ecológica de Alagoas: uma cena que para mim transmite a vibração dessa região (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Quando ir para essa região:

A alta temporada é entre dezembro e fevereiro, quando acontece o ano novo e as férias escolares. Melhor evitar esses meses. De outubro a março, costuma fazer sol, e é mais vazio.

Vale lembrar que uma das atrações da Rota são as piscinas que se formam nos corais durante a maré baixa, portanto, tente considerar o mapa de marés ao agendar a viagem.

Como chegar:

A capital alagoana de Maceió é a cidade mais próxima da rota ecológica e é onde indicamos chegar de avião.  Depois, é só seguir pela AL-101, em uma viagem de aproximadamente 1:40h até Barra de Camaragibe, onde começa o roteiro.

Se precisar alugar carro, use o Rentcars ou o Rentalcars , dois buscadores que fazem a varredura das locadoras com melhores preços. Eu recomendo que você alugue, para ter mais liberdade de locomoção.

Precisa de carro na Rota?
Precisa de carro na Rota? Nós alugamos um e achamos que sim (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Onde se hospedar na Rota Ecológica de Alagoas:

O trecho da rota ecológica é de apenas 30 km, e de carro leva cerca de 45 minutos apenas para ir de um extremo ao outro. Sendo assim, não é preciso trocar de hotel; basta escolher o que você curte mais.

Continua após a publicidade

Eu adoro a Pousada Borapirá, em Tatuamunha. É onde fico sempre. A propriedade é grande, parece uma fazenda de coqueiros com bangalôs espalhados pelos jardins, longe uns dos outros, e a praia logo em frente com piscinas naturais . É uma ótima opção para ir com crianças, porque o foco da Bora é família.

Vale dizer que o restaurante da Pousada Borapirá é incrível, e leva a assinatura do selo Beijupirá. A moqueca é divina.

Pousadas em Tatuamunha: Pousada Borapirá.
Pousadas em Tatuamunha: Pousada Borapirá. ()
Pousadas na Rota Ecológica: a Borapirá
Pousadas na Rota Ecológica: a Borapirá tem bangalôs rústicos e é a melhor para ir com crianças (/ Borapirá/Veja Rio)

Já se a ideia é curtir uma viagem a dois, indico a  pousada Aldeia Beijupirá. Pertence aos mesmos donos da Pousada Borapirá, mas só aceita hóspedes a partir dos 16 anos. Fica na praia do Laje, e tem uma piscina com uma longa raia, bangalôs brancos e arejados, e um belo jardim.

Onde ficar na Rota Ecológica de Alagoas: a piscina de frente para a Praia, da Pousada Aldeia Beijupirá (/ pousada Aldeia Beijupirá/Veja Rio)
Melhores pousadas na Rota Ecológica de Alagoas: o bangalô branco e azul da Aldeia
Melhores pousadas na Rota Ecológica de Alagoas: o bangalô branco e azul da Aldeia Beijupirá (/Pousada Beijupirá/Veja Rio)

Rota Ecológica de Alagoas: as praias imperdíveis

Há muitas praias no trecho da Rota, e as mais bonitas são:

  • Praia do Patacho
  • Praia do Lage
  • Tatuamunha: tem piscinas naturais belíssimas, e menos cheias que as de São Miguel. É também nessa praia que deságua o Rio Tatuamunha, onde fica o projeto de preservação do peixe-boi. Com sorte, pode-se ver o mamífero nadando no mar.
  • Toque
  • São Miguel dos Milagres: é a mais desenvolvida de todas, já com alguns bares na areia. Tem lindas piscinas naturais, mas são mais cheias que as das outras praias
O azul turquesa da Praia de Tatuamunha (/ Juju na Trip/Veja Rio)
A praia do Patacho (/ Juju na Trip/Veja Rio)

O que fazer na Rota

Praia é o que se tem para fazer na rota, mas com algumas variações.

Continua após a publicidade

A rota está no caminho da barreira de corais Mesoamérica, e segunda maior do planeta. Dito isso, as piscinas naturais estão por toda parte e, para chegar nelas, o passeio é de jangada, daqueles coloridos e de madeira.

É um passeio que se faz de acordo com o maré – precisa ser na vazante – e que dura uma manhã ou uma tarde. Se estiver na Borapirá, tente marcar com o barqueiro a saída em frente à pousada, e vá para as piscinas de Tatuamunha.

piscinas naturais sao miguel dos milagres
As piscinas naturais de São Miguel dos Milagres (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Para quem estiver sem carro, há também o passeio de buggy pelas praias, que leva ainda às oficinas de artesãos e para tomar um café com seu Coconha, um dos pescadores mais antigos da região. Quem faz é a Luck Receptivo, e adorei esse contato com a comunidade local.

Visitando os artesões locais (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Também achei um barato pedalar pelas praias da Rota. A paisagem é belíssima, o chão é de areia batida e durinha, e dá pra fazer o circuito de todas as praias.  Quem aluga as bikes é o Julio, wpp dele é o  (22) 9344-4874, e a locação sai por $30 cada bike pelo dia todo.

E pode-se ir até o foz do Rio Tatuamunha pela praia. (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Por fim, mas não menos interessante, há o projeto de conservação do Peixe-Boi. O animal estava quase extinto, mas uma iniciativa do ICMbio com a população local transformou o rio Tatuamunha em santuário, e hoje é feito um trabalho de proteção e salvamento dos peixes-boi no local. Há visitas diárias de jangada ao santuário, mas como há um número limitado de pessoas que podem acessar a área, sugiro marcar com antecedência.

Continua após a publicidade

Uma informação que sempre gosto de contar é que a sede do projeto ocupa um terreno doado pelas pousadas Borapirá e Aldeia Beijupirá.

O que fazer na Rota Ecológica de Alagoas
O que fazer na Rota Ecológica de Alagoas: peixe-boi, protegido em seu santuário (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Onde comer:

Temperos locais, ingrediente da horta, do mar para a mesa, e até italianos finos. A rota é um prato cheio de delícias.

Adoro o restaurante da Pousada Borapirá, como falei acima. No menu, que tem o DNA do restaurante Beijupirá (o mesmo de Olinda e Porto de Galinhas) tem moqueca, camarões puxados na manteiga de garrafa servido com arroz de passas de caju, e sobremesa de goiabada cascão com requeijão. Mas também tem pratos para crianças, salvando qualquer família.

Onde comer em Alagoas
Onde comer em Alagoas: O camarão puxado no manteiga de garrafa da Borapirá (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Dos mesmos donos, tem o Amor, inspirado nos aromas mediterrâneos. Fui de ravióli Aperto com camarões flambados e molhos de queijo, e pedi profiteroles de sobremesa. Isso tudo regado com o vinho Contador de Estórias, um tinto de Setúbal. O Amor fica na praia da Lage, em frente à Aldeia Beijupirá.

Meu ravióli Aperto, ótima pedida no Amor (/ Juju na Trip/Veja Rio)
E o vinho Contador de Estórias, seleção maravilhosa do Amor (/ Juju na Trip/Veja Rio)

Outro que gosto muito é o Quintal, no Toque. Lá, os pratos são feitos com ingredientes colhidos da horta orgânica, e tem delícias como o  carpaccio de melancia com manjericão, queijo e castanha.

Continua após a publicidade

 

 

Siga o Juju na Trip no instagram, e leia também:

 

As praias mais lindas do Nordeste

Viagem Fernando de Noronha: roteiro 5 dias

 

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe mensalmente Veja Rio* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de Rio de Janeiro

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.